fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Agroindústrias Política Agrícola

IMA abre consulta pública dos regulamentos técnicos de Identidade e Qualidade dos Queijos Artesanais de Alagoa e Mantiqueira de Minas

O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), abriu, nesta segunda-feira (15/3), consulta pública para os regulamentos técnicos de identidade e qualidade dos queijos artesanais de Alagoa e Mantiqueira de Minas. Até 26/3, produtores, cooperativas, agroindústrias, associações, pesquisadores, comerciantes e consumidores podem participar da iniciativa que tem como objetivo aprimorar as boas práticas regulatórias no âmbito da produção, distribuição e comercialização da iguaria. Veja como participar em www.ima.mg.gov.br

O diretor-geral do IMA, Thales Fernandes, convida o público interessado para participar da consulta pública que atende aos princípios de eficácia e da transparência dos serviços. “Convidamos os elos do agronegócio para esse ato cívico que contribui para fomentar o crescimento econômico das famílias produtoras dos queijos artesanais, melhorando a qualidade de vida no campo e facilitando o entendimento das normas sanitárias que precisam ser cumpridas. Atribuindo padrão e identidade, agregamos valor ao queijo artesanal, um emblemático produto típico de Minas Gerais”, destaca.

A iniciativa é da Comissão Permanente de Análise e Revisão de Atos Normativos do IMA (CPAR/IMA), cujos trabalhos buscam melhorar os atos normativos da defesa agropecuária. Com a consulta pública, o IMA prevê firmar o padrão de identidade e qualidade dos queijos para elaboração dos regulamentos dos produtos. Após esta etapa, os produtores poderão solicitar o registro e o Selo Arte para a venda dos queijos em todo o Brasil.

No ano passado, o Governo de Minas, por meio da SEAPA e suas vinculadas IMA e EMATER-MG, identificou 10 regiões como produtoras de queijos artesanais, entre elas Alagoa (MG), reconhecida como produtora de “Queijo Artesanal de Alagoa”, e os demais municípios de Aiuruoca (MG), Baependi (MG), Bocaina de Minas (MG), Carvalhos (MG), Itamonte (MG), Liberdade (MG), Itanhandu (MG), Passa Quatro (MG) e Pouso Alto (MG), reconhecidos como   produtores de “Queijo Artesanal Mantiqueira de Minas”.

A identificação dessas regiões foi possível depois da caracterização e estudos da EMATER-MG com a Associação dos Produtores de Alagoa (Aproalagoa) e Associação dos Produtores da Mantiqueira de Minas (Apromam).

No âmbito do Programa Estadual de Desburocratização Minas Livre para Crescer, iniciativa do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sede), o IMA recebeu de elos do agronegócio duas propostas direcionadas para inspeção sanitária aplicadas à produção de queijos e de agroindústrias de pequeno porte, cujas proposições solicitam revisão das normas sanitárias e a definição de requisitos necessários para um cumprimento justo e simples pelos estabelecimentos.

Além da legislação voltada para inspeção em queijos, a expectativa da CPAR é garantir regulamentos adequados que preservam a sanidade animal e vegetal aliados à produtividade e ao crescimento do agronegócio. A iniciativa pretende favorecer todo o setor agropecuário, incluindo a produção nas agroindústrias, o comércio, a certificação de produtos e as análises laboratoriais.

Queijos Artesanais de Alagoa e Mantiqueira de Minas: história e tradição 

O italiano Paschoal Poppa e sua esposa Luiza Altomare Poppa chegaram em Alagoa (MG), na Serra da Mantiqueira Mineira, em 1920. Os pastos chamaram a atenção do casal imigrante e se tornaram berço para o gado fornecer o leite àquele que viria a ser um queijo artesanal especial. A ideia do casal nasceu da percepção das semelhanças climáticas da região com as terras italianas.

A altitude, o clima, a geologia, a água e o pasto, tudo isso somado ao caráter humano, e ao saber fazer e pôr a mão na massa, conferiram singularidade aos queijos. Hoje, a iguaria movimenta a economia da região, além de contribuir com o desenvolvimento social, melhorando a vida dos habitantes locais.

No modo de fazer, os queijos artesanais do estado são diferentes do Queijo Minas Artesanal (QMA), este produzido com pingo, enquanto que os de Alagoa e Mantiqueira de Minas utilizam fermento e são aquecidos durante a produção. Ambos são feitos com leite cru. 

FONTE: Rodolpho Sélos – IMA-Instituto Mineiro de Agropecuária
imprensa@ima.mg.gov.br 
www.ima.mg.gov.br

Related posts

MAPA publica norma para peixe salgado e peixe salgado seco

Revista Attalea Agronegócios

CATI e Instituto Biológico promovem capacitação sobre controle biológico com ácaros e fungos

Seguro Rural: Governo de SP libera R$ 26 milhões para o agronegócio

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário