fbpx
Revista Attalea Agronegócios
GRÃOS Milho e Soja

Ferrugem-Asiática: Pesquisadores da UFV desenvolvem gene que limita ação de fungo em soja

Clone de gene do feijão guandu foi retirado e aplicado à cultura. Pesquisa propõe tratar ferrugem asiática, que atinge plantações.

Pesquisadores da Universidade Federal de Viçosa (UFV) criaram uma possível solução para inibir a ação dos fungos nas plantações de soja, principal produto da agricultura no país. A ideia inicial foi desenvolver uma planta geneticamente modificada que resistisse à “ferrugem asiática”, que é a principal doença que afeta as plantações no Brasil. Para isso, eles clonaram um gene específico no “feijão guandu” e aplicaram à soja.

Os resultados foram satisfatórios e, ao que indica a pesquisa, a alternativa vai reduzir drasticamente os prejuízos causados à cultura de soja pela doença, que afeta as folhas e reduz a produtividade das lavouras. Os estudiosos fazem parte do Departamento de Fitopatologia e do Instituto de Biotecnologia Aplicado à Agropecuária (Bioagro) da UFV e o trabalho que desenvolveram foi financiado por uma fundação americana que apoia projetos de desenvolvimento à resistência de doenças em plantas.

A ferrugem asiática da soja é causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi e o combate feito por fungicidas, que causam diversos problemas ambientais e tornam a produção muito cara. O custo médio para o controle da doença no Brasil é estimado em US$ 2 bilhões por ano. Além disso, o uso de agrotóxicos faz com que o fungo se adapte às características da droga e fique cada vez mais resistente ao uso.

Todo o trabalho de pesquisa foi coordenado pelo professor Sérgio Herminio Brommonschenkel e sua equipe de aproximadamente 15 estudantes de pós-graduação, mestrado, doutorado e iniciação científica, além de pesquisadores do The Sainsbury Laboratory, na Inglaterra, e da empresa DuPont Pioneer, parceira do grupo no projeto.

Brommonschenkel explicou ao G1 que a proliferação da doença, que chegou ao país em 2001, é fácil e atinge partes diferentes do Brasil, de acordo com o clima. “Ela é causada por um fungo e disseminada com o vento. Por isso, a única coisa que limita a ocorrência da doença no país é a condição climática. Na última safra, as lavouras do Sul do Brasil se desenvolveram muito porque choveu bastante, mas no Mato Grosso (MT), por exemplo, foi o contrário. O clima seco ajudou os agricultores“, afirmou.

Ele também mensurou o prejuízo causado aos produtores. “A ação dela [a doença] causa necrose na planta e atinge as folhas, que são a ‘fábrica’ dos grãos. Logo, você tem que ter folhagem para ter grãos. Se as folhas são atacadas, a produção por área diminui e, ao invés de colher 80 sacas, por exemplo, o produtor tira 20”, explicou.

Por fim, o professor disse que a pesquisa não para e outros genes devem ser identificados, com leguminosos distintos. “A meta não é ter um gene só, mas muitos, para produzir uma variedade de soja maior e mais duradoura. Por isso, estamos trabalhando com outras dez espécies, que já identificamos e classificamos. Isso abre um leque não só para a soja, mas também para outras culturas”, concluiu.

 

FONTE: TV Integração – Zona da Mata (MG)

Related posts

Confirmada a ocorrência de nova doença em lavouras de milho no Paraná

Revista Attalea Agronegócios

Ana Valentini participa do Dia de Campo Soja, em Unaí (MG)

Chuva acumulada de até 500 milímetros alaga lavouras de soja e arroz na região de Dom Pedrito (RS)

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário