fbpx
Revista Attalea Agronegócios
NOTÍCIAS Outros Grãos

EMBRAPA tem a primeira cultivar de gergelim protegida do Brasil

A primeira cultivar de gergelim com proteção concedida no Brasil é da EMBRAPA. A BRS Morena foi desenvolvida pela equipe da EMBRAPA Algodão e deverá atender grandes produtores da região Centro-Oeste, onde a cultura tem se expandido nos últimos anos, especialmente em Mato Grosso. A cultivar deve chegar ao mercado em 2020.

“Há cerca de três anos, ao identificar a expansão da cultura do gergelim para o Centro-Oeste, a equipe de melhoramento genético da EMBRAPA Algodão iniciou o desenvolvimento da BRS Morena. A proteção resguarda os direitos da Empresa sobre a cultivar e permite o maior controle sobre as sementes que serão produzidas e a manutenção do protagonismo da EMBRAPA”, explica a pesquisadora Nair Arriel, responsável pelo desenvolvimento da cultivar.

Gergelim: Coloração escura da “BRS Morena” interessa ao segmento gourmet (Créditos: Nair Arriel)

A proteção se justifica pela possibilidade de detenção dos direitos exclusivos de exploração. As cultivares existentes no mercado brasileiro são de domínio público ou introduzidas, pois a cultura do gergelim era regionalizada e restrita a pequenos produtores do Nordeste, esclarece a gestora de ativos da Secretaria de Inovação e Negócios da EMBRAPA, Aline Zacharias.

A perspectiva de expansão da área de cultivo e de mercado tornou conveniente e oportuna a obtenção dos direitos de proteção. Os royalties oriundos da exploração comercial da cultivar poderão retornar para a pesquisa, ainda que indiretamente. A ideia é promover a inserção competitiva da Embrapa no ambiente de inovação em benefício da sociedade brasileira.

O mercado

A BRS Morena tem como principal atrativo a película marrom avermelhada, apreciada em diversos mercados mundiais, e será direcionada ao mercado gourmet. Segundo a pesquisadora Nair Arriel, a cultivar apresenta alta produtividade de grãos e teor de óleo acima de 50%.

Apesar de 90% do mercado brasileiro de panificação e óleo adotar sementes de coloração branca, o segmento de consumo gourmet tem interesse por aquelas de coloração mais escura, como a BRS Morena. “Para alguns segmentos, ela traz um diferencial de sabor. No mercado árabe, por exemplo, eles gostam do tahine feito de sementes mais escuras”, conta.

A EMBRAPA Algodão trabalha na prospecção de produtores para multiplicar as sementes e desenvolver mercado para a novidade. A cultivar será apresentada a produtores e compradores durante o seminário que acontece esta semana, em Canarana (MT), maior produtor nacional de gergelim.

BRS Morena: potencial de produção é de cerca de 980 kg/ha em regime de sequeiro e 1.800 kg em sistema irrigado (Créditos: Sebastião Lemos)

A pesquisa

A EMBRAPA Algodão tem atuado para lançar cultivares cada vez mais produtivas e mais adaptadas a diferentes ambientes, com maior teor de óleo e tolerância a pragas e doenças, mirando tanto o mercado de alimentos quanto o de óleo. “Para isso, vínhamos desenvolvendo variedades de coloração branca ou creme, como a BRS Seda e a BRS Anahí, nossos lançamentos mais recentes”, pontua.

Já a BRS Morena apresenta potencial de produção de cerca de 980 quilos por hectare em regime de sequeiro e 1.800 quilos por hectare em sistema irrigado. É recomendada para cultivo mecanizado tanto em larga como pequena escala para as regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

Em relação à produtividade, a BRS Morena está no meio termo entre a BRS Anahí, muito procurada por permitir colheita mecânica, e a BRS Seda, mais adocicada. “A BRS Seda é bastante ramificada e tem sementes de coloração branca, enquanto a BRS Anahí não é ramificada, mas tem sementes bem maiores. Na BRS Morena a ramificação é intermediária e o teor de óleo também se aproxima das duas últimas cultivares lançadas”, compara.

Seminário

O 1º Seminário de Gergelim será realizado no dia 6 de dezembro, na Câmara de Vereadores de Canarana (MT), com o objetivo de debater os desafios da cultura, em expansão no estado de Mato Grosso. O evento deve reunir produtores, exportadores, pesquisadores, técnicos e autoridades do setor. A programação contará com palestras de pesquisadores e especialistas da Embrapa sobre a produção em larga escala.

Canarana responde sozinha por mais de 80% da produção nacional de gergelim, com uma área plantada de 50 mil hectares nesta safra, segundo estimativa dos produtores. A cultura vem ganhando espaço como segunda safra, após o cultivo da soja, por ter baixa necessidade hídrica e ser de fácil manejo.

O secretário de Agricultura, Charles Visconti, relata que a cada safra a cultura vem tomando o espaço do milho no município, que reivindica o título de capital nacional do gergelim. “Nossa produção dobrou na última safra e, com a parceria de todos, essa cultura só tende a crescer ainda mais”, declara.

Para a pesquisadora, o evento vai propiciar a discussão técnica do sistema de produção do gergelim em larga escala. ”Até então, as pesquisas eram voltadas para o cultivo em pequenas áreas. Agora, a pesquisa está diante de novos desafios para a cultura”, afirma Arriel.

FONTE

Valéria Cristina Costa Secretaria de Inovação e Negócios

Edna Santos Embrapa Algodão

Related posts

Corteva Agriscience lança tecnologia PowerCore Ultra

Solinftec participa de painel no Select US Investment Summit

Revista Attalea Agronegócios

Congresso Brasileiro do Agronegócio debateu formas do Brasil se adaptar ao cenário mundial marcado por uma guerra comercial

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário