fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Aves e Suínos

Como proteger sua granja da pneumovirose aviária

Não só os humanos sofrem com problemas respiratórios na época mais fria do ano. Nas aves, essa também é uma realidade.

Pelo conforto térmico dos animais, há a tendência em manter aviários mais fechados no inverno. No entanto, isso diminui a renovação de ar e também prejudica a remoção de amônia, pó e de partículas em suspensão no interior dos galpões. Esses fatores, que pioram a qualidade do ar, podem predispor as aves à ação de agentes infecciosos, dentre eles o metaPneumovírus aviário (mPVA), causador da pneumovirose aviária (PVA).

Relatada em todo o mundo e conhecida por sua grande importância devido aos prejuízos que causa às criações avícolas, a PVA está também associada aos casos de síndrome da cabeça inchada (SCI) em galinhas e perus.

Aqui no Brasil, a PVA é uma enfermidade de ocorrência relativamente recente. “Até bem pouco tempo a pneumovirose não era considerada um risco, mas a doença vem adquirindo importância crescente na indústria avícola nacional pelos prejuízos que causa em frangos de corte, poedeiras comerciais e reprodutoras pesadas”, conta o médico-veterinário Eduardo Muniz, Gerente Técnico em Aves da Zoetis.

DIAGNÓSTICO

Além da cabeça inchada (SCI), outro sinal clínico a que o produtor deve ficar atento é o que popularmente chamamos de “ronqueira”, um ruído verificado pela ausculta do estertor pulmonar e dos sacos aéreos das aves. “Geralmente, é um sintoma identificado durante a inspeção dos lotes pelo produtor. À noite, é mais fácil escutá-lo, quando todas as luzes estão apagadas e os equipamentos de ventilação estão desligados”, explica Muniz.

O especialista ressalta, contudo, que, para um correto diagnóstico do agente causador da doença respiratória em aves é imprescindível a realização de exames laboratoriais. “Somente com os testes podemos direcionar as ações mais eficazes a cada problema e fazer o diagnóstico diferencial. O que temos percebido é que o mPVA é um agente relativamente comum e, em algumas regiões do País, é subestimado”, observa o especialista.

PREVENÇÃO

Além da questão da qualidade do ar, com a adequada ventilação dos galpões, uma ferramenta bastante efetiva no controle dessa doença é a vacina. “Hoje, praticamente todas as matrizes (aves reprodutoras) são vacinadas. Há regiões em que a imunização em frangos de corte, mediante o diagnóstico, também tem sido feita, e com bons resultados”, relata Muniz.

A solução da Zoetis é a vacina Poulvac TRT. Apresentada na forma liofilizada, é produzida a partir de amostras selecionadas do vírus vivo atenuado.

Deve ser administrada por spray ou por via óculo-nasal a perus e pintos, a partir do 1° dia de vida ou de acordo com a prescrição do médico-veterinário responsável.

Para mais informações a respeito da pneumovirose aviária, acesse http://www.zoetis.com.br/paineldaavicultura/

 

FONTE: Sílvia Sibalde – INTERFUSE COMMUNICATIONS
 silvia.sibalde@interfuse.com.br

Related posts

[Felipe Ceolin] – Desafios no período de creche na produção suína

Antimicrobianos devem ser utilizados de forma racional nas granjas

Revista Attalea Agronegócios

Auster Nutrição Animal apoia ações para aumento do consumo de ovos na CONBRASUL 2019

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário