Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Frutas

Começa colheita da pitaya em Tangará da Serra (MT).

No Campo Experimental e de Produção da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), em Tangará da Serra (MT), começou a colheita da pitaya, fruta rústica, com sabor doce e suave, de polpa firme e repleta de sementes. Numa parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) estão sendo avaliados cinco materiais genéticos em 135 plantas. A previsão é colher mais de três mil quilos da fruta.

O início da florada começou em setembro, com encerramento previsto em abril. O supervisor do Campo Experimental, Welington Procópio, fala que uma planta pode produzir de 20 a 70 quilos de pitaya e pode chegar a sete floradas por safra. Hoje a fruta no mercado está sendo vendida por R$ 40,00 o quilo. “O alto valor pago pelo quilo da fruta, que pode variar dependendo da época do ano e da demanda, também constitui um grande atrativo para o plantio dessa frutífera”, esclarece.

Os experimentos estão sendo avaliados desde 2016, com as variedades “Saborosa”, “Alongada”, “Redonda”, “Vermelha Figueirópolis” e “Roxa do Pará”. Conforme Procópio, as variedades “Alongada” e “Redonda” (polpas brancas) são híbridas auto-férteis, ou seja, não necessitam de polinização. Numa safra que leva em média sete meses, a planta pode apresentar neste período frutos maduros, em desenvolvimento e no início da floração. “O objetivo do trabalho de pesquisa é estudar o manejo e buscar alternativas economicamente viáveis para a agricultura familiar”, explica.

A previsão é de que a EMBRAPA lance essas variedades no mercado em 2020, disponibilizando o cultivo para os produtores. As mudas serão multiplicadas no campo experimental da EMPAER e poderão ser comercializadas por até R$ 15,00 a planta. As espécies mais conhecidas e comercializadas, especialmente pela qualidade dos seus frutos, são a pitaya-branca (rosa por fora e branca por dentro), a pitaya-amarela (amarela por fora e de polpa branca) e a pitaya-vermelha (avermelhada por fora e por dentro).

A pitaya pertence à família Cactaceae, sendo conhecida como “Fruta-do-Dragão” ou “Escamosa”. É nativa de regiões da América Central e México, mas também cultivada no Brasil e na China. É uma planta perene, trepadeira com características básicas com dias longos e florescimento a noite. Rica em nutrientes como as vitaminas C, B1, B2 e B3 e minerais como ferro, cálcio e fósforo, a pitaya oferece excelente alternativa para a alimentação.

O pesquisador da Empaer, Hélio Kist, comenta que na primeira safra, os resultados iniciais foram bastante satisfatórios, e que os primeiros frutos produzidos pesaram entre 800 gramas e 1 quilo, com uma qualidade superior em relação ao sabor. Nesta safra, os frutos estão pesando entre 0,500 a 0,600 gramas com um bom teor de brix (quantidade de açúcar na fruta).

 

FONTE e CRÉDITOS: Tangará em Foco

Related posts

Exportações de suco de laranja registraram queda de 13% nos nove primeiros meses da safra 2018/2019

Revista Attalea Agronegócios

Biovalens apresenta linha de biodefensivos na 5ª FrutOrgânica, promovida pela Embrapa

Revista Attalea Agronegócios

Challenger, inovador bioinseticida aliado no controle do vetor do greening.

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário