fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Outros Grãos

Cadeia produtiva discute novos rumos para o trigo paulista

Evento técnico de trigo reuniu mais de 150 produtores, multiplicadores, técnicos e moinhos em Itapeva (SP).

São muito positivas as perspectivas de avanços no mercado do trigo em São Paulo. O estado, maior mercado consumidor de farinha de trigo do Brasil, quase triplicou a produção do cereal nos últimos 5 anos – de 90 mil de toneladas em 2013 para 250 mil toneladas em 2017 –, mas o principal benefício foi o aumento de 200% em produtividade por conta do avanço do melhoramento genético e principalmente pelo alinhamento entre os diferentes elos da cadeia.

Segundo a Câmara Setorial do Trigo de São Paulo, dois fatores impactaram para este avanço: a restrição do número de cultivares no mercado para apenas as que atendem a demanda local e a chegada de cultivares mais produtivas e resistentes às doenças.

Inserido neste cenário, aconteceu no dia 19 de fevereiro o 1º Seminário Técnico do Trigo de São Paulo. Promovido pela Biotrigo Genética e apoiado pela indústria sementeira, moageira e pelos principais cerealistas do estado, o evento reuniu no Espaço Verde Michetti, em Itapeva (SP), cerca de 150 pessoas entre produtores de sementes, multiplicadores, cerealistas, técnicos, moinhos e triticultores do estado. A cidade, localizada no sudoeste paulista é a maior produtora do cereal do estado, com 65% da área cultivada.

Entre os temas em debate, o resultado do avanço em pesquisas realizadas para combater doenças de difícil controle; dinâmica da formação do preço do cereal e impactos do mercado internacional; qualidade industrial na visão da cadeia produtiva; cultivares recomendadas para região e os impactos positivos que a produção do trigo pode trazer para toda a cadeia produtiva de São Paulo.

“O seminário é um momento para atualizar sobre as demandas do mercado, mas também uma oportunidade para fortalecer as relações entre os diferentes segmentos da cadeia do trigo, reforçando a integração do campo com a indústria, mediados pelo melhoramento genético e a Câmara Setorial do Trigo, em prol da melhoria da qualidade das cultivares oferecidas aos produtores, do grão para a indústria e da farinha aos consumidores finais”, ressaltou Fernando Michel Wagner, gerente Regional Norte (PR, SP, Cerrado, Paraguai e Bolívia) da Biotrigo Genética.

A Câmara Setorial do Trigo de São Paulo recebeu uma homenagem pelas ações dedicadas ao fortalecimento da cadeia produtiva do trigo.

Avanços na qualidade industrial

Christian Saigh, presidente do Sindicato da Indústria do Trigo no Estado de São Paulo (Sindustrigo),  disse que o evento foi importante para todo o setor paulista, pois uniu os elos da cadeia e apresentou variedades de trigo que garantem produtividade no campo e que agradam a indústria moageira.

“Muito importante a realização desse Seminário em nosso estado, na cidade de Itapeva, que representa uma região de muito trigo. Aqui estão as quatro maiores cooperativas do estado, que representam mais de 70% da comercialização do trigo. Sem dúvida foi uma excelente oportunidade, tendo em mente que daqui 30/45 dias os produtores estarão escolhendo o que vão plantar”, destaca.

Para o presidente da Câmara Setorial do Trigo de São Paulo, Mauricio Ghiraldelli, o salto de qualidade do trigo paulista aconteceu quando o mercado começou a enxergar que a pesquisa está extremamente ligada à produção.

“No passado tivemos grandes problemas com a falta de liquidez na venda do trigo porque geralmente os trigos não atendiam a demanda da indústria local. Nos últimos anos quando a pesquisa, em especial a Biotrigo, focou seu programa de melhoramento na qualidade industrial dos materiais e nas demandas de consumo, o trigo paulista mostrou seu potencial e a produtividade do cereal aumentou 200%. Isso aconteceu também porque em 2013 quebramos um paradigma e reduzimos de mais de 60 cultivares disponíveis no mercado para menos de 10. Agora somente recomendamos o cultivo daquelas aptas para oferecer um grão melhor para os moinhos e, consequentemente, um produto final de maior qualidade para o consumidor”, disse.

A estimativa da entidade é que o estado tenha um potencial de produzir pelo menos meio milhão de toneladas a mais do que se produziu em 2017. Esse acréscimo reduziria a dependência pelo trigo argentino em 40% e abasteceria o mercado interno.

“Atualmente importamos 60% do nosso consumo de outros países, basicamente da Argentina, pela característica do produto final que o consumidor exige e pela facilidade logística. No entanto, se aumentarmos mais a área em São Paulo com cultivares de qualidade, as indústrias paulistas absorveriam certamente este volume internamente”, reforçou.

“O estado de São Paulo apresenta uma situação atípica, mas positiva em relação ao restante do país, pois apesar de não ser a maior área de produção, possui o maior centro consumidor. Neste cenário, tivemos uma sinalização por parte da indústria de que interessa a eles a compra do trigo produzido no estado. Esse evento marca esse momento que o trigo do estado está vivendo, de comunhão entre os elos”, avaliou Fernando.

Palestras

O processo de desenvolvimento das cultivares de trigo, o combate  as doenças de difícil controle e a importância da troca de informações com o campo e com as indústrias foi tema da palestra “Novos conceitos para a evolução da cadeia produtiva”, apresentada pelo fitopatologista Paulo Kuhnem, pela supervisora de qualidade, Kênia Meneguzzi e pelo engenheiro agrônomo, Deodato Matias Junior, supervisor comercial da Biotrigo Genética/SP.

 “Colocar uma nova cultivar de trigo no mercado demanda cerca de 10 anos de pesquisa. Procuramos estar ao lado do produtor, dos moinhos e da indústria para identificar as principais necessidades de cada elo da cadeia produtiva. São Paulo tem potencial para produzir trigo dentro dos parâmetros de qualidade industrial e do consumidor final”, disse Kênia.

Deodato apresentou as cultivares desenvolvidas pela Biotrigo que atualmente ocupam 85% da área semeada no Brasil e que estão aptas para serem semeadas em São Paulo. “Trigos com ciclos precoce, como TBIO Audaz, e superprecoce, TBIO Sonic, tem ganhado espaço entre os agricultores, pelo ciclo, maior nível de resistência às principais enfermidades e alta qualidade industrial.

O projeto TBIO Noble, traz uma cultivar de alto valor agregado por se tratar de um branqueador/melhorador. Essa característica permite que ele seja um ‘coringa’ dentro do moinho, corrigindo a mescla quando adicionado. Tudo isso por ter dentro do projeto um ponto determinante: a segregação. Assim, mantém sua identidade sendo altamente valorizado pela indústria”, finaliza Deodato. Também foi apresentado o posicionamento técnico dos trigos já consolidados em São Paulo, TBIO Toruk e TBIO Sossego.

 

FONTE: Daniela Wiethölter Lopes – Assessoria de Imprensa Biotrigo Genética 
Email: imprensa@biotrigo.com.br

Related posts

Expositores confirmam presença na Expoarroz Tech 2019

Algodão Marrom: descoberta de novo gene pode aumentar sua qualidade

Revista Attalea Agronegócios

Novo algodoeiro apresenta alta produtividade e resistência às principais doenças da cultura

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário