fbpx
Revista Attalea Agronegócios
NOTÍCIAS Outros Grãos

Brasil se prepara para expandir cultivo de lúpulo

Desde 2010, o mercado de cervejas artesanais vem se expandindo no Brasil. O gosto dos brasileiros por cervejas mais refinadas tem impulsionando a produção de uma bebida, até então popular, que já ocupa lugar entre no mercado de bebidas mais sofisticadas, como o vinho.

Nos últimos dois anos, o país registrou um aumento de 30% no número de cervejarias. Em 2018 eram 889 registradas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), mas em meados do ano passado o número havia saltado para 1.209, de acordo com o anuário da cerveja 2019, o que faz do Brasil o terceiro maior fabricante mundial de cervejas.

De olho na expansão desse mercado, alguns produtores começaram a cultivar o lúpulo, matéria prima essencial para a produção desse tipo de cerveja, que atualmente é quase 100% importada. Em 2019, o país importou 3.600 toneladas de lúpulo, de acordo com o MAPA.

Por essa razão, o Instituto Interamericano de Cooperação (IICA) para a Agricultura e o MAPA, por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo, iniciaram um projeto de cooperação técnica para fortalecer a cadeia do lúpulo no Brasil.

As cervejas artesanais exigem uma maior quantidade do produto na sua composição, portanto, o boom da bebida artesanal fez crescer a procura pelo lúpulo.

O Humulus lupulus é a planta responsável pelo aroma e amargor das bebidas. De acordo com o MAPA, atualmente são cultivados apenas 25 hectares de área plantada em seis estados, mas as perspectivas são de aumento para 47.8 hectares em todo o país, portanto, o objetivo do projeto MAPA-IICA é fortalecer essa cadeia produtiva como oportunidade de renda a produtores rurais na esteira do aumento do consumo da bebida.

“Temos acompanhado e incentivado esta cultura, que pode ser uma excelente fonte de renda para o pequeno produtor rural com o seu consequente desenvolvimento social, ao mesmo tempo em que promove o fornecimento de insumos de qualidade e baixo custo às indústrias farmacêutica, de cosméticos e cervejeira”, destaca o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo, Fernando Schwanke.

Para isso, o projeto prevê a realização de um diagnóstico com informações sobre cultivo, situação legal e trabalhos técnicos já realizados por instituições de pesquisa e ensino, além de levantar o potencial de expansão no território considerando os diversos climas e outras condições agrícolas.

“Há diversas iniciativas pelo país fomentando esta cultura promissora. Após a finalização de todo estudo, serão realizados eventos para divulgação e um Manual de Boas Práticas de cultivo”, explicou o supervisor do estudo e chefe de gabinete da Secretaria de Agricultura Familiar, Gabriel Assmann.

Além do Manual de Práticas destinado a quem quer iniciar a produção, o projeto também prevê a elaboração de um plano de viabilidade técnica e econômica para o plantio comercial de lúpulo e de um estudo sobre a estruturação da cadeia produtiva nos principais países produtores, que possam trazer embasamento para o cultivo no Brasil. A partir do diagnóstico, a ideia é identificar oportunidades de trabalhos, articular parcerias entre atores e entidades governamentais e não governamentais.

Além de matéria prima para a produção da bebida, o lúpulo possui propriedades terapêuticas e também é utilizado pelas indústrias farmacêutica e de cosméticos. Há 48 variedades de lúpulo registradas, mas as mais cultivadas no Brasil são Cascade, Columbus, Chinook, Nugget, Saaz, Centennial, Comet, Hallertau Mittelfrueh e Magnum.

Além da área e das variedades cultivas, o projeto já identificou 43 pesquisas relacionadas ao cultivo de lúpulo em andamento no país (universidades, entidades públicas e privadas).

Além de grande extensão territorial, o Brasil apresenta boas condições de clima e de solo para o cultivo, Apesar de estar fora dos paralelos tradicionais de cultivo no globo (35 e 55 de latitude norte ou sul), explica Assmann.

. Outras iniciativas estão em andamento. A Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), por exemplo, em parceria com a Ambev/Lohn, implantou uma unidade de pesquisa sobre o cultivo de lúpulo no estado.

O cultivo de lúpulo no Brasil tem grande potencial, se forem considerados os resultados positivos já obtidos, atrelado às boas condições de clima e solo, além da grande extensão territorial que há no Brasil”, disse O consultor técnico Stéfano Gomes Kretzer do IICA/MAPA. Para ele, para realizar o potencial, além de pesquisas, dados técnicos, tecnologias e trabalhos de campo, as políticas públicas também são fundamentais.

Alexander Creuz é um dos produtores que iniciou a produção da matéria prima em sua propriedade em Lages, em Catarina, onde ele cultiva a planta desde 2018. Em uma área de aproximadamente um hectare, ele planta diversas variedades de lúpulo. “Comecei a pesquisar a planta, temperaturas mais temperadas no país e enxerguei uma oportunidade de negócio”, disse ele, que pretende ampliar sua área plantada
Além de não necessitar de grandes extensões territoriais, o lúpulo é uma planta perene (não precisa ser plantada a cada safra) e tem duração comercial por um período que varia entre 12 a 15 anos. É a partir do terceiro ano que a planta inicia o potencial produtivo.
Sobre o IICAÉ o organismo internacional especializado em agricultura do Sistema Interamericano. Sua missão é estimular, promover e apoiar os esforços de seus 34 Estados-membros para alcançar o desenvolvimento agrícola e o bem-estar rural, por meio da cooperação técnica internacional de excelência.

FONTE: Gerência de Comunicação Institucional – comunicacion.institucional@iica.int

Related posts

Congresso Brasileiro do Agronegócio debateu formas do Brasil se adaptar ao cenário mundial marcado por uma guerra comercial

Revista Attalea Agronegócios

CIDASC alerta para focos de raiva bovina na Grande Florianópolis

Assinado convênio que garante mudas de café clonal para produtores de Primavera de Rondônia (RO)

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário