fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Bancos e Crédito Rural

BNDES aporta R$ 487 milhões em fundo de crédito de fintech

FIDC CashMe-Plural foi o melhor classificado entre os seis FIDCs pré-selecionados em chamada pública para sua modalidade. Até R$ 500 mil do aporte será direcionado ao microcrédito para mulheres e famílias de baixa renda.

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) contratou o primeiro Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) a ser investido no âmbito da Chamada Pública para Fundos de Crédito para MPMEs lançada em maio deste ano com duas modalidades de fundo. O FIDC CashMe-Plural foi o melhor classificado dentre os seis pré-selecionados de sua modalidade para a fase de análise gerencial e jurídica e receberá do BNDES aporte de R$ 487 milhões, por meio da subscrição de cotas do fundo. O fundo, que também contará com o aporte de R$ 138,3 milhões por parte da Cyrela e da BRPP, gestora do Grupo Genial, totalizará um capital de R$ 625,3 milhões.

No âmbito da iniciativa, poderão receber aportes do BNDES ainda mais nove FIDCs, somando o valor total de até R$ 4 bilhões.

Com o aporte do BNDES, o FIDC CashMe-Plural passará a disponibilizar para empreendedores financiamentos de até R$ 2 milhões de reais por meio da plataforma eletrônica da CashMe, fintech do Grupo Cyrela, que é especialista em empréstimos com garantia de imóvel. A previsão é que o custo final para o cliente na obtenção de crédito via CashMe fique em até IPCA + 1,15% ao mês, consideravelmente abaixo dos 4% ao mês, limite de custo exigido no edital da Chamada. O prazo médio das operações pode superar 4,7 anos. A projeção é de que sejam beneficiados 1.700 MPMEs e profissionais autônomos de diversos setores.

Além da modalidade de crédito citada, a CashMe, juntamente com o Instituto Cyrela e ONGs parceiras, dedicará um time para que até R$ 500 mil do valor aportado no fundo sejam destinados ao microcrédito, com o objetivo de melhorar a situação de vulnerabilidade econômica de mulheres e famílias de baixa renda. Considerando o efeito da revolvência, que consiste na concessão de novos empréstimos à medida que as parcelas dos empréstimos anteriores vão sendo pagas pelos clientes ao fundo, a expectativa é de que estes recursos beneficiem 1.000 microempreendedores, com operações de tíquete médio de R$ 1,5 mil. Como um todo, o fundo deve chegar a beneficiar 2.700 clientes.

Segundo o Diretor de Mercado de Capitais e Crédito Indireto do BNDES, Bruno Laskowsky, os FIDCs formatados pelo BNDES foram concebidos no contexto das medidas emergenciais elaboradas pelo BNDES durante a pandemia, e representaram iniciativa inovadora dotada de um papel estruturante de longo prazo na ampliação dos canais de crédito a pequenos e médios negócios brasileiros, ao complementar a oferta de crédito disponibilizada pelo sistema bancário, agregando com isso recursos na economia.

Para Paulo Gonçalves, co-fundador da CashMe, o ponto principal é logicamente, levar um crédito justo para os Micro, Pequenos e Médio Empresários. Acrescenta ainda: “O processo todo de desenvolvimento nos proporcionou trocar e aprender muito com nossos parceiros! Hoje temos a certeza de que o aporte será levado e gerido de forma segura e saudável!”.

“O Grupo Genial está muito honrado com a oportunidade de proporcionar o desenvolvimento e o acesso ao crédito de diversas MPMEs através da estruturação de um FIDC com a CashMe e o BNDES, em um momento tão desafiador de nossa economia. A presença do BNDES certamente potencializará o alcance desta iniciativa”, comenta André Schwartz, CEO do Banco Genial.

Chamada Pública para Fundos de Crédito para MPMEs

O BNDES estima alcançar em torno de 2 milhões de empresas com esta iniciativa, que tem como foco qualquer empreendedor com acesso a um meio de pagamento, seja por meio de uma maquininha, por marketplace ou via fintech, mesmo que não seja bancarizado. A expansão do crédito por meio de canais alternativos é uma tendência mundial e está alinhada ao propósito social do BNDES. O banco poderá ter uma participação de até 90% do capital de cada fundo, observado o limite de R$ 500 milhões de cada. Os recursos deverão ser aplicados em negócios no Brasil.

Saiba como os FIDCs podem ser um instrumento de ampliação do acesso ao crédito em https://agenciadenoticias.bndes.gov.br/detalhe/blogdesenvolvimento/FIDC-como-instrumento-de-ampliacao-do-acesso-a-credito/

A Chamada Pública pode ser acessada em https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/mercado-de-capitais/fundos-de-investimentos/chamadas-publicas-para-selecao-de-fundos/chamada-publica-para-selecao-de-fundos-de-credito-para-mpmes/

Related posts

Sicredi investe R$ 1 milhão em nova agência no Centro de Franca (SP)

Emater-MG firma parceria para ampliar a assistência técnica e o crédito rural em Minas Gerais

Programa ABC financia mais de 750 mil hectares com tecnologias de baixa emissão de carbono em 2020

Revista Attalea Agronegócios

1 Comentário

Esmeralda março 15, 2021 at 9:56 pm

Ótimo artigo!
Gostei bastante de saber dessas informações sobre o fundo de crédito finitech.

Resposta

Deixe um comentário