fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Frutas

15 anos de greening no Brasil: como está sendo o trabalho da citricultura de SP e MG

Como São Paulo e Minas Gerais tem conseguido controlar a doença e se manter como principal produtora de suco de laranja do mundo.

Em março de 2004, o greening foi identificado no Brasil, na região de Araraquara (SP), centro do estado de São Paulo. A pior doença da citricultura mundial desafiou pesquisadores e citricultores brasileiros, mas hoje, após 15 anos, o modelo de inteligência e o conjunto de medidas fitossanitárias adotados garantem ao país posição de destaque no cenário internacional: o Brasil é responsável por 34% da laranja e 56% do suco produzido no mundo e tem 76% de participação no comércio mundial de suco de laranja, sendo o maior exportador da bebida no planeta.

O parque citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro é a principal região produtora. A citricultura está presente em 350 municípios, gerando 200 mil empregos diretos e indiretos e movimentando US$ 14 bilhões por ano.

O greening em potencial para devastar pomares inteiros. A doença causa queda precoce dos frutos, que não se desenvolvem normalmente e ficam com sabor mais ácido, dentre outros sintomas, comprometendo e reduzindo a produção. Como não tem cura, é necessário erradicar as árvores sintomáticas.

Em 2018, a incidência da doença atingiu 18,15% do cinturão citrícola, seu maior índice, o que corresponde a 35,3 milhões de árvores doentes. Apesar do número recorde, São Paulo e Minas Gerais produziram 398 milhões de caixas de laranja, número 25% maior que a média das safras dos últimos dez anos.

Na Flórida (EUA), citricultura que foi referência no mundo na década de 1990 em relação a planejamento dos pomares, adensamento, nutrição, irrigação e produtividade, o greening foi identificado um ano depois, em 2005, e hoje afeta cerca de 90% das plantas, sendo o principal responsável pela queda de produção, que já chega a 70% do que era produzido há 14 anos.

MANEJO EFICIENTE E SUSTENTÁVEL

Enquanto o Brasil adotou a eliminação de plantas com greening como ponto fundamental para o controle da doença, uma vez que árvores infectadas servem de fonte de contaminação do inseto transmissor, o psilídeo, a erradicação não foi bem aceita nos EUA, e as pesquisas para a cura das plantas não tiveram os resultados esperados.

“Eles investiram em nutrição, termoterapia e antibióticos, que não impediram o avanço do greening nos pomares nem o aumento da severidade dos sintomas nas árvores doentes”, analisa o pesquisador do Fundo de Defesa da Citricultura – Fundecitrus, Renato Bassanezi.

No Brasil, o manejo do greening baseia-se ainda na aquisição de mudas sadias vindas de viveiros certificados e no monitoramento do psilídeo, que ajuda a direcionar as pulverizações para os momentos e locais críticos.

O grande desafio em relação ao greening consiste em obter e aplicar medidas ao mesmo tempo eficientes e sustentáveis, com custos praticáveis. Nesse sentido, a redução do volume de calda – com até 50% menos água e ingrediente ativo –, o manejo regional – que consiste no controle químico conjunto de produtores de uma mesma região, “encurralando” o inseto transmissor – e as ações de controle externas – feitas ao redor das propriedades comerciais – revolucionaram o controle.

Os estudos sobre o psilídeo mostraram que a migração para pomares comerciais ocorre de pomares vizinhos abandonados ou não tratados adequadamente, de chácaras, ranchos e quintais que mantêm pés de laranja, tangerina ou limão sem o cuidado recomendado ou de residências e mesmo espaços públicos, como escolas, praças e cemitérios, que cultivam a murta (dama da noite) como ornamentação e até cerca-viva.

Nas ações externas contra o greening, agrônomos e técnicos do Fundecitrus conscientizam a população sobre o que é a doença e a importância econômica e social da citricultura e propõe-se a substituição gratuita por outras espécies frutíferas e ornamentais.

Com essas ações externas, o Fundecitrus já efetuou a substituição de quase 180 mil plantas de setembro de 2017 a novembro de 2018. Nesse período, foram erradicadas ainda quase 270 mil plantas em pomares abandonados.

É no contexto das ações externas que está a liberação de Tamarixia radiata, pequena vespa inimigo natural do psilídeo, que é solta nas proximidades dos pomares comerciais, principalmente nos distritos, baixando a população do inseto.

O primeiro bioinseticida para o controle de psilídeo, produzido pela Koppert, em parceria com Fundecitrus e Esalq/USP, é uma ferramenta a mais para os citricultores, ampliando o leque do manejo integrado de pragas. O produto não deixa resíduos e preserva inimigos naturais e agentes polinizadores.

FUTURO AINDA MAIS SUSTENTÁVEL

A biotecnologia é uma área estratégica para sofisticar o manejo do greening: o melhoramento das plantas vislumbra a diminuição do uso de inseticidas, menor exposição dos profissionais do campo aos defensivos agrícolas, aumento da produtividade e qualidade da fruta. O Fundecitrus trabalha com mais de uma linha, dentre elas a planta repelente e a borda letal ao psilídeo, que podem ser integradas.

Já o feromônio do psilídeo é realidade. Anunciada em dezembro de 2017, a descoberta da molécula atrativa ao inseto pela equipe do Fundecitrus juntamente com o cientista Walter Leal, professor titular da Universidade da Califórnia (UCDavis), abre novas possibilidades para o monitoramento do inseto transmissor. Neste momento, a formulação do produto que será aplicado à armadilha está em desenvolvimento, passando por testes sucessivos.

Para o gerente-geral do Fundecitrus, São Paulo tem excelentes condições para se manter como referência mundial em produtividade e sustentabilidade. “O clima e o solo são favoráveis, a infraestrutura é equiparável à dos principais centros mundiais. O setor tem duas instituições de relevância global, o Fundecitrus e a CitrusBR. E a experiência dos citricultores e da indústria de suco de laranja fazem a diferença em relação à capacidade e à qualidade dos produtos do parque citrícola”, elenca.

FONTE: Beatriz Flório, Rodrigo Brandão e Jaqueline Ribas – Comunicação Fundecitrus
beatriz@@rebecacometerra.com.br
rodrigo@rebecacometerra.com.br
jaqueline.ribas@fundecitrus.com.br

Related posts

Fruta de qualidade exige nutrição equilibrada

Revista Attalea Agronegócios

Videira (SC) apresenta variedades de uvas resistentes em dia de campo

Distribuição de mudas de frutas melhora renda de agricultores familiares de Galileia (MG)

Deixe um comentário