fbpx
Revista Attalea Agronegócios
HortiFruti

Vírus quarentenário para o Brasil amplia sua distribuição geográfica

Plum pox virus (PPV), é o agente causal da “sharka”, uma das mais importantes e danosas doenças de frutas de caroço que afeta muitos países do mundo (mais de 50). Devido ao seu impacto potencial para a fruticultura brasileira, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento regulamentou a espécie como praga quarentenária ausente.

O PPV é dividido em seis subgrupos ou cepas (D, M, ElAmar, C, W, Rec), as quais são distinguidas originalmente com base nos sintomas induzidos em plantas. Posteriormente, as linhagens passaram a ser identificadas de acordo com as divergências na sequência de RNA.

Em uma pesquisa realizada no Cazaquistão, na cidade de Almaty, foram constatados pomares e viveiros de Prunus domestica e Prunus armeniaca com sintomas típicos de PPV. Amostras das folhas sintomáticas e assintomáticas foram coletadas. Através do sequenciamento genético do vírus foi possível confirmar sua patogenicidade.

Os resultados apresentaram positividade para as cepas D e W. A cepa D já havia sido relatada anteriormente no Cazaquistão, mas é a primeira vez que a cepa W é detectada nesse país. Os autores sugerem que o PPV-W tenha sido introduzido da Rússia ao Cazaquistão devido a alta homologia com os isolados russos e a ampla ocorrência dessa linhagem na Rússia.

O PPV-W é uma das cepas de alta diversidade genética. Possui uma distribuição restrita, havia sido detectada em apenas quatro países: Canadá, Rússia, Letônia e Ucrânia. O vírus é transmitido principalmente por afídeos, como: Aphis craccivoraA. fabaeA. gossypiiA. spiraecolaBrachycaudus helichrysiMyzus persicaeRhopalosiphum padi, entre outros. Como a incidência da doença está diretamente relacionada à ocorrência desses insetos nas plantações, um dos métodos de manejo do vírus é através do controle dos insetos transmissores.

O PPV também pode ser transmitido por inoculação mecânica, enxertia e material de propagação contaminado. Vale ressaltar que todas essas espécies transmissoras citadas acima estão presentes no Brasil, o que facilitaria a dispersão e estabelecimento do vírus no país caso seja introduzido futuramente.

Um melhor conhecimento da distribuição geográfica da cepa PPV-W associada à sua diversidade genética contribui para compreensão da história evolutiva do vírus e aumento na efetividade das estratégias de vigilância. Além disso, dados sobre a prevalência e o risco de disseminação do PPV ajuda a entender melhor sobre sua bioecologia, auxiliando na tomada de decisão para prevenção da entrada desta praga no Brasil.

Nota:
[1] Instrução Normativa 39, de 01 de outubro de 2018

Para saber mais:
Dallot et al (2019)

Foto:
European and Mediterranean Plant Protection Organization (xxxx)

 

FONTE: DEFESA VEGETAL
DefesaVegetal.Net

 

Related posts

Alho-semente livre de vírus tem produção consolidada na Bahia

Revista Attalea Agronegócios

Tereza Cristina quer novos mercados para exportar frutas do Brasil

Revista Attalea Agronegócios

França se prepara para invasão de ‘percevejos diabólicos’ na próxima primavera

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário