fbpx
Revista Attalea Agronegócios
EVENTOS - DESTAQUES Tecnologia

Startups do Brasil e do exterior apresentam soluções durante a Digital Agro

Ações abrangem desde gestão da propriedade até tecnologias que elevam produtividade da lavoura; segundo dia de feira também teve palestras e instituições de referência na agropecuária.

Gestão de riscos, biodefensivos e monitoramento da propriedade são algumas das soluções apresentadas pelas startups que marcaram presença no Pavilhão de Exposições Frísia, em Carambeí (PR), no Espaço Startup. A terceira edição da Digital Agro reuniu as principais agtechs do mercado. A americana Indigo, que foi uma das primeiras a alcançar o status de “unicórnio das agtechs” e atualmente é avaliada em US$ 3,5 bilhões, é uma das patrocinadoras do Espaço.

A AgBiTech, startup australiana, atua no mercado de biodefensivos e investe em pesquisa e inovação para o manejo inteligente de pragas agrícolas. O SURTIVO Plus, uma pré-mistura que controla uma ampla variedade de lagartas, foi a solução levada pela empresa para a feira. A CowMed desenvolveu um sistema de monitoramento de vacas. Por meio das coleiras desenvolvidas pela startup, o produtor consegue acompanhar em tempo real a ruminação, atividade e ócio dos animais e ainda recebe alertas e avisos de manejo pelo aplicativo.

A Gestão Integrada de Recebíveis do Agronegócio (GIRA) também levou suas soluções ao evento. Ela oferece uma solução para a gestão de risco, visando auxiliar nos recebíveis durante todo o processo, a fim de garantir o planejamento correto e uma execução segura. A solução possibilita ainda a diminuição dos riscos daquela operação viabilizando o acesso ao mercado de capitais.

Kuhlmann atua no monitoramento agrícola. O software desenvolvido cruza dados de todos os atores da cadeia – produtor, bancos, tradings, empresas de defensivos químicos e fertilizantes – e fornece informações que auxiliam os envolvidos a terem uma visão real e transparente da situação.

A terceira edição da Digital Agro também apresentou inovação quando o assunto é gestão da propriedade. É o caso da AgriWin, que integra os dados financeiros do produtor, como notas fiscais e despesas internas, ajudando a controlar os gastos e lucros da fazenda. O sistema é atualizado automaticamente todos os dias e permite atualizações em tempo real pelo produtor com a plataforma de forma dinâmica.

A Azship também é uma startup focada na gestão, mas em outra esfera: a logística. A plataforma oferece facilidades para os diversos agentes envolvidos no processo, desde o embarcador até o transportador, com serviços como cotação de frete e catálogo de transportadoras e motoristas, com acompanhamento da carga em tempo real, proporcionado uma tomada de decisão mais ágil.

Já a YouAgro desenvolveu um aplicativo, disponível para Android e iOS, para promover interações entre pessoas envolvidas com o agronegócio, desde o produtor até o consumidor.

Palestras

O segundo e último dia da Digital Agro 2019 (13 de junho) também contou com a presença de estudiosos e instituições de referência na agropecuária. Kevin Kimle, diretor do Departamento de Empreendedorismo e Economia Agrícola da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, abriu a programação do dia falando sobre inovação e sustentabilidade na agropecuária. Kimle fez uma retomada histórica das mudanças ocorridas na indústria alimentícia desde 1920.

“Apesar de termos vivenciado muitas mudanças até hoje, o que deve acontecer nos próximos dez anos vai mudar completamente os padrões atuais de produção e certamente vai determinar quais empresas vão sobreviver à essas mudanças”, ressaltou Kimle.

Em “Inteligência, gestão e monitoramento territorial aplicados aos desafios da agropecuária brasileira”, Lauro Rodrigues Nogueira Junior, integrante do departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Territorial, apresentou o trabalho desenvolvido pela instituição para o monitoramento da produção agropecuária brasileira.

“O agronegócio brasileiro alimenta 1,5 bilhão de pessoas no mundo, é um setor gigante e que precisa de uma boa infraestrutura e de investimento. Entre os anos 1976 e 2018, os ganhos de produtividade pouparam 128 milhões de hectares do desmatamento. Uma amostra do que a tecnologia pode fazer pela agropecuária mundial”, salientou. Nogueira também apresentou o Projeto Carponis: um satélite brasileiro de alta resolução operado pela Embrapa que deve ser lançado em breve.

Benedito João Gai Neto, coordenador-geral de Articulação para Inovação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), apresentou os objetivos e iniciativas do Mapa para fomentar a inovação no Brasil e destacou a realização do 1º Fórum Regional de Inovação Agropecuária promovido em Carambeí (PR), no dia 11 de junho, e a importância de formar uma pauta qualificada para avançar nesse campo.

“Nós temos muita tecnologia disponível para o campo, mas temos dificuldade em difundir esse conhecimento. Por isso estamos criando programas de difusão para levar essa tecnologia até o consumidor final. E apesar de criarmos uma grande demanda por inovação para esse campo, pouca tecnologia é produzida aqui. Não temos dúvida de que, com a ajuda de todos, em pouco tempo o Brasil se tornará um grande desenvolvedor de novas tecnologias para o campo”, finalizou.

Kevin Kimle, diretor do Departamento de Empreendedorismo e Economia Agrícola da Universidade de Iowa. (Créditos Rodrigo Covolan)
Lauro Rodrigues Nogueira Junior, integrante do departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Territorial. (Créditos: Rodrigo Covolan).

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial

Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são:

Fidelidade, Responsabilidade,Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA).

Sobre a Fundação ABC

A Fundação ABC é uma instituição de pesquisa agropecuária que realiza trabalhos para desenvolver e adaptar novas tecnologias, com o objetivo de melhorar as produtividades de forma sustentável aos mais de cinco mil produtores rurais filiados às cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, além dos agricultores contribuintes.

O trabalho da fundação abrange uma área de 467,2 mil hectares, além de uma bacia leiteira de mais de 678 milhões de litros/ano. A instituição também realiza projetos de pesquisa com empresas privadas, por contratos de cooperação técnica, e mantém vínculos com empresas de pesquisa pública. A sede é em Castro (PR) e os cinco campos demonstrativos e experimentais ficam estrategicamente espalhados pela área de atuação.

Related posts

Soluções para cultivo protegido marcam presença no retorno da Hortitec

Revista Attalea Agronegócios

Tecnologia com ozônio aumenta tempo de prateleira de alimentos

Revista Attalea Agronegócios

Hackatagro AgroUp premia três agtechs gaúchas

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário