fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Aves e Suínos

Sistemas de Inspeção serão debatidos no 22º Simpósio Brasil Sul de Avicultura

As empresas produtoras de alimentos de origem animal têm a responsabilidade de oferecer produtos que resultem em saúde e bem-estar, com qualidade e segurança sanitária e nutricional. Para isso, precisam cumprir uma série de normas estabelecidas pelos órgãos reguladores. Parte dessas exigências são garantidas por meio de programas de autocontrole, ou seja, instrumentos de gerenciamento do processo produtivo de cada estabelecimento que englobam procedimentos desde a matéria-prima, até instalações, equipamentos, pessoal e metodologia de produção.

Esse tema será abordado pela médica veterinária Liris Kindlein no 22° Simpósio Brasil Sul de Avicultura (SBSA), na palestra “Sistema de inspeção através do autocontrole” no dia 6 de abril, no Bloco Abatedouro, às 8 horas.

O evento é promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) no período de 5 a 7 de abril. Paralelamente, será realizada a 13ª Brasil Sul Poultry Fair. Os eventos serão híbridos, com realização no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), e transmissão on-line ao vivo.

Liris é médica veterinária formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Possui doutorado e pós-doutorado na Universidade de São Paulo (USP) e Universidade da Califórnia, ambos nos departamentos de Animal Science. Professora e pesquisadora da UFRGS, com especialidade em inspeção, tecnologia e qualidade de carne da Faculdade de Veterinária. Orienta em programas de pós-graduação em nível de mestrado e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Agronegócio e Alimentos de origem animal. É membro da Comissão Científica Consultiva em Tecnologia de Produtos de Origem Animal do MAPA (Secretaria de Defesa Agropecuária); membro da equipe do projeto de modernização da inspeção sanitária do Brasil juntamente com a Embrapa, outras instituições de pesquisa e Ministério da Agricultura; e coordenadora de projetos de pesquisa relacionados com condenações de carcaças de frangos de corte em diferentes abatedouros no Brasil e América Latina.

Liris Kindlein explanará sobre sistema de inspeção através do autocontrole.

O presidente da Comissão Científica do SBSA, Guilherme Lando Bernardo, enfatiza que, para garantir um produto de alta qualidade, toda a cadeia de proteína animal deve manter um controle sanitário rigoroso em todas as etapas, desde a produção até o abate e industrialização. “O monitoramento desse processo no setor avícola não poderia ficar de fora da programação científica do SBSA. Atualizar os profissionais sobre o tema é fundamental para salvaguardar a saúde do consumidor, assegurando a qualidade higiênica, sanitária e tecnológica dos alimentos industrialmente processados”.

INSCRIÇÕES

As inscrições para o 22º SBSA do segundo lote seguem até esta quarta-feira (30), com os valores: R$ 530,00 (presencial) e R$ 440,00 (virtual) para profissionais e R$ 400,00 (presencial) e R$ 340,00 (virtual) para estudantes. Após essa data e durante o evento o investimento será de R$ 600,00 (presencial) e R$ 500,00 (virtual) para profissionais e R$ 460,00 (presencial) e R$ 400,00 (virtual) para estudantes. Na compra de pacotes a partir de dez inscrições serão concedidos códigos-convites. Nessa modalidade há possibilidade de parcelamento em até três vezes. O acesso para a 13ª Poultry Fair é gratuito, tanto presencial quanto virtual, assim como para o pré-evento.

Mais informações e inscrições no site: www.nucleovet.com.br.

O 22º SBSA tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de SC (CRMV/SC), da Embrapa, da Prefeitura de Chapecó, do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações) e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

Related posts

Biosseguridade de granjas de aves matrizes de corte

Revista Attalea Agronegócios

Brasil inicia exportação de carne de frango para a Índia, país com elevada população muçulmana

Como proteger seu plantel de agentes bacterianos respiratórios na fase de desmame dos leitões

Deixe um comentário