Image default
ARTIGOS

[Lucas Ferreira] – Produto agrícola: da ideia ao lançamento

LUCAS FERREIRA
Coordenador de Marketing da Rotam do Brasil
www.rotambrasil.com.br

Você que é produtor ou que tem algum vínculo com o agronegócio já deve ter se perguntado qual é o caminho ou quais são os processos que acontecem até a chegada de um novo agroquímico no mercado. Essa jornada é trabalhosa, envolve muito estudo, pesquisas e principalmente altos investimentos. Desde a ideia até o lançamento de um novo produto ao seu formato final leva-se em média 10 anos.

No caso de grandes empresas, seus profissionais são treinados para sempre estarem atentos as demandas e necessidades do produtor. Na Rotam, por exemplo, empresa há 50 anos no mercado, a ideia para um novo produto pode vir através do departamento de marketing, do desenvolvimento técnico, equipe de vendas, de registros e até mesmo dos profissionais de sua matriz da Rotam, em Hong Kong.

Após essa ideia inicial, no caso específico da Rotam do Brasil, o departamento de marketing analisa se esse produto será viável ou não, se  está dentro do leque de culturas que são foco da companhia. Se for avaliado que momentaneamente não é viável, vai para um banco de dados e fica de stand-by Se a ideia é promissora, tem mercado e vai de encontro às estratégias da empresa, é dada sequência no projeto.

O próximo passo fica por conta da equipe de registros que fará a avaliação de registrabilidade do produto proposto. Sendo viável, iniciam-se os testes de fórmula, chegando-se as fórmulas possíveis. Em seguida, dá-se início aos testes agronômicos com o propósito de verificar quais das propostas de fórmula são viáveis e se o resultado do uso é o esperado ao propósito do produto.

Caso os testes não apresentem resultados satisfatórios e não demonstre eficiência o projeto é cancelado. Obtendo-se bons resultados o departamento de desenvolvimento de negócios fará um estudo a fim de verificar a viabilidade financeira (margem de lucro, custo, volume de vendas e preço). Com o novo projeto formatado a empresa passa a dedicar-se fortemente aos investimentos necessários, como aprimoramento da fórmula e fontes de matérias prima necessárias.

Como podemos constatar o caminho é longo e bastante trabalhoso, por isto é necessário ter conhecimento e saber da importância de toda tecnologia e investimento envolvidos no desenvolvimento do produto até a chegada à fazenda.

Depois de muitos experimentos e anos de pesquisa fora e dentro do Brasil, os produtos seguem para a submissão de registro em diferentes órgãos federais e estaduais. Após a obtenção do registro o produto passa a ser divulgado internamente, para conhecimento de todos os profissionais envolvidos com a empresa/produto, especialmente área técnica e comercial. A partir daí há o posicionamento do novo item, trabalho com fundações de pesquisa e time de vendas. E por último, campanha de lançamento do produto, com mídia, propaganda, produção de vídeo, folder, etc, conforme a empresa traçar.

Contra a pirataria

A tarefa das empresas agrícolas não é fácil e exige muito dos profissionais. Apesar disso existe um comércio paralelo de produtos piratas ou contrabandeados. Segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), atualmente o comercio ilegal de agroquímicos piratas, contrabandeados ou produzidos de forma ilegal representa 20% de toda a comercialização dos produtos no Brasil,

No geral, todos os agrotóxicos vendidos no Brasil são fiscalizados pela ANVISA, pelo IBAMA e pelo Ministério da Agricultura. Assim, todo lançamento precisa de um registro com análise criteriosa e aprovação desses três órgãos, para assim obter registro pelo MAPA, conforme previsto no Decreto no. 4.074, de 04 de janeiro de 2002, que regulamenta a Lei de Agrotóxicos. Além disso, o Sindiveg (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal) e a Aenda (Associação Brasileira dos Defensivos Genéricos) realizam em conjunto com as empresas diversos comunicados e campanhas para conscientização dos malefícios dos produtos agrícolas piratas. Isso torna a venda destes produtos químicos bastante rigorosa e é o que proporciona uma garantia ao produtor em relação aos produtos adquiridos.

Related posts

[Filipe Casellato Scabora] – A recuperação judicial do produtor rural

Mario

[Xico Graziano] – Os chineses descobriram o gosto da nossa picanha

Mario

[Arnaldo Jardim] – Brasil, vanguarda da Economia Verde

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais