fbpx
Revista Attalea Agronegócios
ARTIGOS Bovinos de Corte

[Gabriel Zylberlicht] – Redução na cotação do boi gordo acende luz amarela para o primeiro giro

GABRIEL ZYLBERLICHT
Inteligência de Mercado da Nutricorp

Novamente o mercado do boi gordo opera com desvalorização. O fechamento do mês de maio apontou queda no indicador CEPEA/B3 de 3,6% em comparação à média do mês de abril. A principal razão dessa desvalorização é o aumento de oferta de animais em sistema de pastagem em virtude do início da seca, deixando as escalas de abate mais confortáveis, o que possibilitou os frigoríficos testarem preços menores. A queda de preço também é presente no mês atual. Segundo os dados do pregão fechado no dia 06/junho, o preço do boi no mercado futuro é abaixo de 320 reais.

Além da desvalorização do boi gordo, os indicadores de confinamento apresentaram alta para todas as regiões segundo os dados do LAE (Laboratório de Análises Socioeconômicas e Ciência Animal).  

Segundo os dados divulgados pelo boletim, o principal motivo desse aumento no indicador é a valorização de insumos como sorgo grão na região de São Paulo e Goiás e valorização do milho nas praças goianas. Por outro lado, o milho apresentou queda em São Paulo, mas não foi suficiente para uma redução no custo da diária do boi. 

Portanto, o pecuarista se vê em uma situação de redução de margens para a produção de animais em confinamento, principalmente se ele não adotar tecnologias que melhoram os índices zootécnicos dos animais visando aumento de produtividade. Além disso, é nesse momento de margens mais apertadas que precisamos olhar com muito mais atenção para a nossa produção, visando melhor aproveitamento de todos os alimentos da fazenda, por exemplo a silagem, pois qualquer erro de manejo pode significar um grande prejuízo no final do giro. 

Dessa forma, a principal alternativa para o pecuarista garantir a lucratividade em cenários como o do início deste mês é investir em tecnologias visando aumentar o peso do seu rebanho buscando uma melhor remuneração na hora do abate. Em momentos como este, precisamos de muito mais atenção no manejo do dia-dia da fazenda, desde o processo correto de ensilagem visando disponibilizar o melhor alimento para o seu animal até o oferecimento de trato diário com o menor desperdício possível. Qualquer erro de manejo pode significar um grande prejuízo no final do giro.

Related posts

[Silas Brasileiro] – Balanço Semanal CNC — 14 a 18/01/2019

Revista Attalea Agronegócios

São Paulo mantém índices superiores a 90% de vacinação contra a brucelose

MS desenvolve primeira vacina do Brasil contra carrapato bovino

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário