fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
NOTÍCIAS

Uso de controle biológico cresce e IB auxilia empresas a produzir organismos usados no combate de pragas e doenças

Curso do Instituto visa transferir conhecimentos na área, que movimenta mercado de US$ 17 bilhões no Brasil

Imagine utilizar um inseto ou micro-organismo para combater pragas agrícolas no lugar de agrotóxicos? Isso é possível graças ao controle biológico, uma tecnologia que cresce de 15% a 20% ao ano, segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Controle Biológico (ABCBio). O setor movimentou US$ 17 bilhões em 2016. O Instituto Biológico (IB-APTA) é referência brasileira no assunto e há 18 anos auxilia as chamadas biofábricas na produção desses inimigos naturais das pragas e doenças que serão usados no campo. Das 60 biofábricas existentes no País, 56 delas já receberam assessoria técnica do IB. Juntas, essas 56 empresas geram 500 empregos diretos e três mil indiretos, aproximadamente. Para transferir mais conhecimento sobre o assunto, o Instituto realizará o 25º Curso de Controle Microbiano de Insetos (COMINT) – Fungos Entomopatogênicos, de 25 a 27 de setembro, em Campinas, interior paulista.

Ao todo, 46 profissionais ligados a empresas privadas, estudantes, servidores da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), profissionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se inscreveram para participar do curso. Os inscritos são oriundos de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Distrito Federal.

“O objetivo é transferir conhecimentos e tecnologias para viabilizar a expansão do controle biológico de pragas e doenças. O curso nasceu de uma demanda do setor por Metarhizium anisopliae, utilizado no controle biológico da cigarrinha-da-raiz, uma das principais pragas da cultura da cana-de-açúcar. Naquela época, o setor sucroenegético precisava do Metarhizium, mas não tinha quem produzisse. O IB isolou o fungo, realizou treinamento e a partir daí diversas biofábricas começaram a surgir”, explica o pesquisador do IB, José Eduardo Marcondes de Almeida.

Por meio do Programa de Inovação e Transferência de Tecnologia em Controle Biológico (Probio), o IB presta assessoria para o sistema de implantação da empresa e no desenvolvimento do projeto da biofábrica, além da disponibilização de cepas para a produção dos fungos, treinamento dos funcionários e acompanhamento dos trabalhos. As empresas produzem os fungos Metarhizium anisoliae e Beuveria bassiana, além de Trichoderma, utilizados na cultura da cana-de-açúcar, soja, banana, melão, feijão e hortaliças. No biênio 2016/2017, o IB assinou 14 contratos para assessorar a implantação e manutenção de biofábricas.

Metarhizium anisopliae, IBCB 425, foi isolado pelo IB para o controle biológico da cigarrinha na cana-de-açúcar. Cerca de cinco mil toneladas de arroz são usadas como meio para produção do fungo. “Com essas cinco mil toneladas é possível fazer o controle biológico da cigarrinha em um milhão de hectares de cana-de-açúcar. O volume de negócio é de R$ 50 milhões por ano”, afirma o pesquisador.

O sucesso também ocorre na produção do fungo Beauveria bassiana, IBCB 66, para o controle da praga mosca-branca na cultura da soja. O B. bassiana foi isolado pelo IB, que auxiliou os interessados na instalação das biofábricas. “Cerca que quatro mil toneladas de arroz são produzidas por ano para o controle dessa praga na soja, permitindo a realização do controle biológico em 100 mil hectares da leguminosa. O volume de negócio é de R$ 5 milhões”, explica Almeida.
Natureza controlando natureza

O controle biológico consiste no uso de inimigos naturais para diminuir a população de uma praga. “Componente fundamental da natureza, o controle biológico abre espaço para uma agricultura mais sustentável. Resumidamente, o controle biológico pode ser definido como natureza controlando natureza”, explica Antonio Batista Filho, diretor-geral do IB.
Os agentes de controle biológico agem em um alvo específico, não deixam resíduos nos alimentos, são seguros para o trabalhador rural, protegem a biodiversidade e preservam os polinizadores. “O avanço tecnológico na produção de alimentos em função da utilização de insumos modernos é indiscutível. Contudo, o emprego inadequado tem levado a situações de risco. Existe a consciência de que é necessário encontrar um ponto de equilíbrio que compatibilize a demanda crescente de produção de alimento e preservação do futuro. O controle biológico é uma ferramenta importante para isso”, diz Batista Filho.

25º COMINT
A programação do 25º COMINT prevê a realização de aulas teóricas sobre fungos entomopatogênicos, fermentação líquida dos fungos Metarhizium anisopliae e Beauveria bassiana, legislação e registro de produtos biológicos e instalações e equipamentos para biofábricas.

Nas aulas práticas serão transferidos conhecimentos em produção em meio líquido e formulação de fungos entomopatogênicos, preparação e padronização de bioinseticidas e sua viabilidade e formulação. Além de Almeida, Luís Garrigós Leite, pesquisador do IB, e Silvia Leite de Campos e Adriana Pontes, da GERTHE Consulting, ministrarão as aulas. A programação completa pode ser acessada aqui (http://www.biologico.sp.gov.br/evento/25-ordm-curso-de-controle-microbiano-de-insetos-comint-fungos-entomopatog-ecirc-nicos)

SERVIÇO
25º Curso de Controle Microbiano de Insetos (COMINT) – Fungos entomopatogênicos
Data: de 25 a 27 de setembro de 2018
Horário: das 8h às 17h
Local: Instituto Biológico – Campinas
Endereço: Rua dos Vidoeiros, s/n, Gramado, Campinas-SP
Informações: jemalmeida@biologico.sp.gov.br

Sobre a APTA

A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, tem a missão de coordenar e gerenciar as atividades de ciência e tecnologia voltadas para o agronegócio. Sua estrutura compreende o Instituto Agronômico (IAC), Instituto Biológico (IB), Instituto de Economia Agrícola (IEA), Instituto de Pesca (IP), Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL) e Instituto de Zootecnia (IZ), além dos 11 Polos Regionais distribuídos estrategicamente no Estado de São Paulo.Balanço Social realizado pela Agência no biênio 2016/2017 mostrou que a cada real investido, a APTA retornou R$ 12,20 para a sociedade. As 48 tecnologias analisadas e adotas pelo setor produtivo tiveram R$ 10,9 bilhões de impacto econômico no período. Isso significa mais produtividade no campo, sustentabilidade da produção, renda para o produtor rural e alimentos de qualidade para a população.

Related posts

Mapa publica IN sobre novos procedimentos de registro de estabelecimentos

Embrapa desenvolve metodologia inovadora para avaliar fatores de sucesso na piscicultura

Revista Attalea Agronegócios

ANEEL afirma que redução nos descontos para produtores tem aplicação imediata

Deixe um comentário