fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Aves e Suínos

Surto de peste suína africana na China traz à tona cuidados com a alimentação

Aumento da demanda de importação exige cuidados na produção, começando pela alimentação animal.

A peste suína africana (PSA) é uma doença altamente contagiosa, mas que não acomete o ser humano. Ela é semelhante à peste suína clássica (PSC), mas a diferença fica nos sinais clínicos de doença hemorrágica. Com potencial para rápida disseminação, pode causar significativas consequências socioeconômicas, calculadas em cerca de 5,5 bilhões de dólares apenas no Brasil.

Segundo dados levantados pela Consultoria Asia Agro Aliance, quatro milhões de toneladas de carne foram impactadas diretamente com focos de peste suína africana na China. Até outubro, segundo autoridades locais, 200 mil porcos foram abatidos após os surtos no país. Foram detectados 41 casos da doença, que afetaram 27 cidades.

Com este cenário, os chineses diminuíram o consumo de carne suína produzida pelo país. As alternativas se voltam para o mercado da importação, tanto da carne suína, como da carne de frango. Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a expectativa para 2019 é de que o mercado de exportação seja influenciado positivamente pela elevação da demanda internacional dos produtos, especialmente da China.

Pensando nisso, os produtores precisam alinhar a rapidez da produção com a qualidade dos seus produtos, atentos ao manejo e condição de vida dos animais. A ICC Brazil, empresa brasileira especialista em aditivos à base de levedura, preza pela qualidade de vida dos animais e também da carne que será consumida. Ela possui uma gama de produtos que contribuem para o crescimento saudável dos animais, substituindo os promotores de crescimento e agindo de maneira mais natural no organismo das aves e suínos. Alguns deles são: Hilyses®, ImmunoWall® e StarFix®.

O Hilyses® é uma fonte de nucleotídeos livres que pode ser utilizado principalmente na fase de desenvolvimento, na dieta de frangos. “Os primeiros dias após a incubação são essenciais, pois é quando ocorre a maturação do sistema imune, do intestino e das células dos órgãos, além de ser a fase na qual o crescimento dos frangos é mais rápido. Por isso, a demanda por nutrientes neste período é extremamente alta”, destaca Melina Bonato, coordenadora de P&D.

O ImmunoWall® tem como foco a integridade intestinal e o bem-estar animal e é composto por B-glucanas que ajudam a fortalecer o sistema imune e, consequentemente, prepará-lo para combater diversas doenças com baixo gasto energético.

Já o StarFix® é uma ótima solução contra diversas micotoxinas que afetam a produtividade das aves. Ele é um adsorvente de amplo espectro, que atua no intestino, recuperando as funções hepáticas do frango atingidas por micotoxinas (fungos de alta resistência).

Sobre a ICC Brazil

Há 25 anos, a empresa brasileira une pesquisa e biotecnologia, realizando estudos que comprovam os benefícios de aditivos à base de levedura em diversas espécies animais. Com um controle de qualidade rigoroso e acompanhamento em todas as fases de fabricação, fornece soluções inovadoras que visam à saúde e o desempenho animal, além da segurança alimentar. A ICC está presente em cerca de 50 países. http://www.iccbrazil.com/

 

FONTE: Caroline Bosi Beatriz  – LITERAL LINK COMUNICAÇÃO INTEGRADAcaroline@literallink.com.br

Related posts

Pós-doutorado em salmonelose aviária com bolsa da FAPESP

Revista Attalea Agronegócios

Biosseguridade de granjas de aves matrizes de corte

Revista Attalea Agronegócios

[Paulo Roberto Raffi] – Biosseguridade de granjas de aves matrizes de corte

Deixe um comentário