fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Milho e Soja Tecnologia

Startup cria plataforma que auxilia na redução de perdas no cultivo de soja

Perdas com doenças da soja chegam a 40% em área que já totaliza mais de 35 milhões de hectares cultivados por ano no Brasil.

As doenças da soja geram perdas de até 40% da produção do grão a cada ano segundo o Wrather, A. et al. 2010. Dentre as principais doenças que impactam a cultura da soja, mesmo com a utilização de fungicidas, estão a Ferrugem, Antracnose, Cercospora, Mancha Alvo e Oídio. O manejo das doenças é complexo, principalmente pelas muitas variáveis que estão relacionadas. Dentre estas variáveis estão a genética das cultivares, o local, histórico de controle e presença de inóculo, clima, precipitação, época de semeadura, dentre muitas outras.

Diante disso, dois agrônomos do Rio Grande do Sul, estado com forte vocação agrícola e terceiro maior produtor de soja, criaram uma startup especializada em auxiliar produtores e técnicos no manejo de doenças desta cultura. Através da plataforma DigiFarmz, desenvolvida desde 2016 e lançada em 2018, o agricultor, técnico ou agrônomo tem acesso a parâmetros em tempo real para orientar e embasar o manejo das doenças na cultura da soja.

De forma prática, a plataforma DigiFarmz utiliza algoritmos a partir de uma base de dados de 12 anos de pesquisas, anualmente ampliadas e validadas, além de informações de cada fazenda e talhão. Ao todo, são 18 variáveis bióticas e abióticas que garantem precisão nos parâmetros da DigiFarmz, para assim auxiliar a melhor tomada de decisão no controle de doenças na cultura da soja.

A leguminosa já totaliza mais de 36 milhões de hectares cultivados por ano no Brasil e mais de 125 milhões de hectares no mundo. No entanto, continua sofrendo pela ocorrência de diversas doenças que comprometem a produção de grãos e geração de riqueza para toda a cadeia do agronegócio.

“Neste cenário, é muito importante que técnicos e produtores consigam ter acesso a parâmetros que fundamentem melhor suas decisões para o controle mais efetivo das doenças da soja, como por exemplo, o momento da realização de cada aplicação dos fungicidas, fator fundamental para a sanidade da planta, a cada safra, principalmente nas primeiras pulverizações, pois os danos são gerados muito antes do aparecimento dos sintomas visíveis na planta”, destaca Alexandre Chequim, co-fundador da Digifarmz e diretor executivo.

De acordo com dados já coletados em experimentos de campo, a realização de aplicações com atraso em sete dias, em relação à data ideal, gerou perdas de 2,5 sacos por hectare em lavouras semeadas em 11 de setembro, perdas de 4,8 sacos por hectare para áreas semeadas em 18 de dezembro e perdas de até 5 sacos por hectare em semeaduras na primeira semana de janeiro.

Traduzido em dados financeiros, as perdas chegam ao patamar de R$ 20,00 a R$ 45,00 por hectare por dia de atraso em cada aplicação. Numa lavoura de 1.000 hectares, por exemplo, as perdas podem chegar R$ 100.000,00 para aplicações realizadas apenas dois dias após a data ideal.

“É um ponto muito importante, pois através da aplicação em datas ideais será possível evitar danos e consequentemente a perda de muitas toneladas de soja”, acrescenta.

Segundo Chequim, a DigiFarmz possibilita a geração de orientações personalizadas para a realidade de cada lavoura, e apresentando eficácias que consideram o programa fungicida como um todo, onde as eficácias de cada aplicação vão sendo ajustadas de acordo com os fungicidas e misturas utilizados nas aplicações anteriores.

“Atualmente ainda são realizadas recomendações de fungicidas e doses de forma generalista, sem considerar as especificidades e realidades das diferentes regiões e cultivares, algo pouco efetivo quando sabemos que o Brasil é um país continental, com diversas condições e ambientes distintos. Além disto, é imperativo atentar para o efeito que cada aplicação possui no controle das doenças em todo o ciclo da cultura. Igualmente importante, é preciso atentar para a ocorrência de resistência dos fungos (patógenos) aos fungicidas, gerados muitas vezes por equívocos nas decisões de manejo. Por esta razão, a DigiFarmz traz também um pilar de educação, através de alertas que apresentam informações relacionadas às melhores práticas agronômicas, visando maiores produtividades e menor pressão de resistência dos patógenos aos fungicidas”, salienta Chequim.

PASSO A PASSO DigiFarmz

Através da DigiFarmz o produtor consegue ter acesso a variáveis que, combinadas, geram orientações personalizadas para a realidade de cada lavoura de soja.

1. Produtor seleciona as cultivares, fertilizantes, fungicidas e adjuvantes que pretende utilizar, e a plataforma DigiFarmz apresenta os índices de eficácia para cada aplicação, considerando a realidade de cada talhão da lavoura: cultivares, datas de semeadura, doses, locais, fatores climáticos, dentre outros.

2. Os algoritmos apresentam a data ideal para cada pulverização, considerando o melhor momento para o controle das doenças.

3. A DigiFarmz sugere o número de pulverizações a serem realizadas, considerando a condição específica da cultura, local, cultivares utilizadas, épocas de semeadura e pulverizações anteriores.

4. Uma centena de alertas e notificações ajudam o produtor na condução da sua lavoura, com sugestões importantes sobre melhores práticas no campo, auxiliando no manejo anti-resistência e principalmente focando na otimização dos insumos e aumento das produtividades.

5. A DigiFarmz possui ainda uma série de relatórios e painéis através dos quais o produtor ou engenheiro agrônomo conseguem analisar de forma ampla, ou mesmo em detalhe, todos os pontos importantes na condução e manejo de doenças das suas áreas de soja.

FONTE: SPLINDER COMUNICAÇÃO
www.spindler.com.br

Related posts

Expodireto: Cadeia produtiva debate gargalos na produção do milho

[Eder Sandy] – Estudo da Fertilidade do Solo após 36 meses da implantação da Agricultura de Precisão na cultura do café

Revista Attalea Agronegócios

Circuito de palestras discutiu manejo da silagem de milho de alta qualidade no Paraná

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário