fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
NOTÍCIAS

Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP completa 127 anos

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo completou, no último dia 11 de novembro, 127 anos de sua criação. A data remete à publicação da Lei n° 15, publicada na referida data em 1891, na qual o Governo do Estado orçou a receita e despesas de quatro secretarias de Estado para o ano seguinte. Entre elas, a Secretaria de Agricultura, Commercio e Obras Públicas, organizada pelo Decreto n° 28, de 1º de março de 1892 e regulamentada pelo Decreto n° 58, de 2 de maio de 1892.

A criação da Secretaria fez parte da estratégia do governo estadual para implementar uma política econômica nas primeiras décadas da República. Na mesma ocasião, foram criadas as Secretarias do Interior e Instrucção Publica, de Justiça e Segurança Pública e da Fazenda.

Importante ressaltar que antes da criação da Secretaria, havia sido instituído pelo então Governo Imperial a Estação Agronômica de Campinas, sob direção do cientista austríaco Franz Wilhelm Dafert, em 1887. Em 1892, a Estação foi transferida para o Governo Estadual, posteriormente se tornando o Instituto Agronômico (IAC), atualmente integrado à estrura de pesquisa da Pasta Estadual.

A princípio, o campo de atuação da Secretaria da Agricultura abrangia não apenas a produção agrícola e pecuária, mas também o comércio, a indústria, a imigração, a colonização e a política de terras do Estado, e, principalmente, os serviços de obras e saneamento. O primeiro secretário da Agricultura foi o físico, matemático, engenheiro civil e político, Alfredo Eugênio de Almeida Maia.

Entre 1892 e 1897, predominaram as obras voltadas para a construção de edifícios públicos, pontes, estradas, cadeias, escolas, quartéis e hospitais, responsáveis por 68% do orçamento consignado à pasta. A Secretaria também era responsável pela supervisão dos serviços de transporte e comunicação.

Eschola Pratica de Agricultura de Piracicaba, posteriormente Esalq, era subordinada à Secretaria (Foto: Museu de Ciências da Usp)
Eschola Pratica de Agricultura de Piracicaba, posteriormente Esalq, era subordinada à Secretaria (Créditos: Museu de Ciências da Usp)

 

Em 1898, foi criada a “Eschola Pratica de Agricultura de Piracicaba”, atual Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), que passou a ser subordinada à Secretaria em 1902.

Em 1900, foram criados seis Distritos Agronômicos na Capital, Campinas, São José do Rio Preto, São Carlos do Pinhal, Sorocaba e Iguape, com as funções de acompanhar o estado das lavouras, informar produtores, inspecionar os campos de experiência e demonstração, entre outras atividades.  Também foram criadas as Comissões Municipais de Agricultura, constituídas por lavradores que auxiliavam na coleta de dados de estimativa de safra, organização de agricultores para conferências e requisição de mudas.

Para cumprir com suas múltiplas atribuições, a Secretaria incorporou alguns órgãos criados antes dela, como a Superintendência de Obras Públicas, instituída em 1889 para fiscalizar as obras de infraestrutura do Estado e as companhias concessionárias de serviços públicos; a Hospedaria de Imigrantes, antes integrada à Inspetoria de Terras e Colonização; a Estação Agronômica de Campinas; e a Comissão Geográfica e Geológica do Estado.

Obras do monumento pelo centenário da Independência , executadas em 1921 pela Secretaria (Foto: Centro de Memória Unicamp
Obras do monumento pelo centenário da Independência , executadas em 1921 pela Secretaria (Créditos: Centro de Memória Unicamp

 

Reforma Carlos Botelho

Em 1907, a Secretaria da Agricultura passou por uma restruturação, chamada de Reforma Carlos Botelho, nome do secretário à época. As atribuições da Secretaria continuaram as mesmas, porém alterou-se sua estrutura organizacional.

Foram criadas cinco diretorias para cuidar do estudo e expedição dos negócios referentes à agricultura, à indústria e comércio, à política de terras, imigração e colonização, à viação e, por fim, às obras públicas. Além das diretorias recém-criadas ampliaram-se as atribuições da diretoria geral, que passou também a supervisionar os diversos serviços a cargo das demais diretorias, bem como todos os procedimentos administrativos e de pessoal da pasta. A Secretaria realizou o IV Censo Decenal Brasileiro, buscando levantar informações demográficas e econômicas do País em 1920.

Produção de mudas no Instituto Agronômico em 1919 (Foto: Centro de Memória Unicamp)
Produção de mudas no Instituto Agronômico em 1919 (Créditos: Centro de Memória Unicamp)

 

 Imigração
Por meio da Secretaria, foram criados os Núcleos Coloniais, possibilitando gerenciar a mão-de-obra imigrante nas lavouras paulistas. Nessa época, foram recebidas famílias de agricultores europeus, principalmente, italianas, espanholas, alemãs e austríacas. Para recepcioná-las, a estrutura montada pelo governo paulista incluía a Hospedaria dos Imigrantes.

Agência Oficial de Colonização e Trabalho (1906), para administrar a mão-de-obra imigrante (Fonte: Centro de Memória Unicamp)
Agência Oficial de Colonização e Trabalho (1906), para administrar a mão-de-obra imigrante (Créditos: Centro de Memória Unicamp)

 

Divulgação feita pela Secretaria na Europa sobre o Núcleo Colonial de Nova Odessa (1906)
Divulgação feita pela Secretaria na Europa sobre o Núcleo Colonial de Nova Odessa (1906)

Em 1927, atendendo às demandas dos setores agrícola e industrial, a Secretaria da Agricultura foi desmembrada, dando origem à Secretaria da Viação e Obras Públicas, encarregada dos serviços relativos à viação, transporte, obras públicas, energia elétrica, telefone, correio e telégrafo, bem como do abastecimento de água, esgoto, gás e iluminação da capital; e a Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio.

Ficaram subordinados à Secretaria da Agricultura o Instituto Agronômico, a Escola Agrícola “Luiz de Queiroz”, o Instituto de Veterinária, a Comissão de Debelação da Praga do Café, o Serviço Meteorológico, o Serviço Florestal, o Departamento Estadual do Trabalho, o Patronato Agrícola e a Comissão Geográfica e Geológica do Estado.

Serviço Metereológico de São Paulo, uma das atribuições da Secretaria (Foto: Centro de Memória Unicamp)
Serviço Metereológico de São Paulo, uma das atribuições da Secretaria (Créditos: Centro de Memória Unicamp)

Em 1946, a Secretaria dos Negócios da Agricultura, Indústria e Comércio recebeu a denominação de Secretaria da Agricultura, sendo suprimidas da pasta os negócios relativos à indústria e ao comércio, que foram transferidos para a Secretaria do Trabalho, Indústria e Comércio.

Entre 1943 e 1967, a Secretaria da Agricultura voltou-se totalmente para o setor primário, promovendo atividades de pesquisa e fomento da produção agrícola, contribuindo para o desenvolvimento da lavoura algodoeira.

Nesse período, para coordenar o processo de mecanização da produção agrícola no Estado, criou-se o Departamento de Engenharia e Mecânica, que em parceria com os Institutos Agronômico e Biológico, estabeleceu avanços nas áreas de produção agronômica, indústria animal, defesa sanitária e ensino agrícola.

Secretário Herbert Levy (ao centro) recepciona Rainha da Inglaterra Elizabeth II em visita ao Instituto Agronômico, em Campinas, em 1968 (Foto: IAC)
Secretário Herbert Levy (ao centro) recepciona Rainha da Inglaterra Elizabeth II em visita ao Instituto Agronômico, em Campinas, em 1968 (Créditos: IAC – Instituto Agronômico)

 

Com o objetivo de aderir à reforma administrativa de 1968, a pasta foi novamente reorganizada em 1978, resultando na criação das coordenadorias de pesquisa e assistência técnica e no remanejamento e extinção de alguns órgãos da Agricultura, como os Departamentos de Produção Vegetal e de Engenharia e Mecânica.

No ano seguinte, a Secretaria teve seu campo funcional ampliado e sua denominação alterada para Secretaria da Agricultura e Abastecimento. Em 1987, foi criada a Secretaria do Abastecimento, extinta no ano seguinte, com suas atribuições reincorporadas à pasta da Agricultura.

Com a remodelação, ficaram vinculadas à Secretaria da Agricultura a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado (Ceagesp) e a Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo (Codasp), enquanto o Departamento de Regularização Fundiária foi transferido para a Secretaria da Justiça.

Em 1998, a Secretaria da Agricultura e Abastecimento foi reestruturada e a Ceagesp remanejada ao Ministério da Agricultura.

Foram conservadas na Secretaria as seguintes competências: a execução da política estadual nas áreas de agricultura e abastecimento, prestando assistência técnica e desenvolvendo pesquisas para promover o desenvolvimento sustentável do meio rural; a fiscalização da qualidade dos produtos agropecuários; a fiscalização dos insumos agropecuários e a classificação dos produtos agrícolas, suprindo o setor de sementes, mudas e outros insumos; e a promoção do cooperativismo e do associativismo rural, atuando diretamente na comercialização e na industrialização dos produtos agrícolas e nos programas de escoamento desses produtos.

Sedes

A Secretaria de Agricultura funcionou em quatro sedes na capital paulista. Primeiro, no Palácio próximo ao Pateo do Colégio, de 1895 a 1932, edifício onde hoje fica a Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania; depois no Palácio do Café, antiga Bolsa de Mercadorias de São Paulo, de 1932 a 1975.

Palácio do Café, sede da Secretaria de 1932 a 1975 (Foto: Monica Yamagawa)
Palácio do Café, sede da Secretaria de 1932 a 1975 (Créditos: Monica Yamagawa)

 

Sede da Pasta entre 1975 e 2014
Sede da Pasta entre 1975 e 2014

De 1975 a 2014, a Secretaria funcionou em um complexo construído no Parque do Estado, integrando a sede a um espaço de exposições. A partir de abril de 2014, passa a funcionar no Edifício Ermírio de Moraes, prédio histórico no centro de São Paulo, que já abrigou o Hotel Esplanada, na década de 1920.

Atual sede da Secretaria, o Edifício Ermírio de Moraes já foi o Hotel Esplanada, na década de 1920.
Atual sede da Secretaria, o Edifício Ermírio de Moraes já foi o Hotel Esplanada, na década de 1920.

Assista ao vídeo sobre a história da Secretaria de Agricultura e Abastecimento.

FONTE: Paloma Minke

Bibliografia consultada:

MARTINS, Zoraide Agricultura paulista: Uma história maior que cem anos. São Paulo, Secretaria de Agricultura e Abastecimento, 1991

Centro de Memória Unicamp. Avante São Paulo! A documentação fotográfica da Secretaria da Agricultura, Comércio e Obras Públicas. Disponível em: < https://artsandculture.google.com/exhibit/qAJiRQQAsV7RIA?hl=pt-BR> Acesso em: 8 de novembro de 2018

Arquivo Público do Estado de São Paulo. Fundo BR SPAPESP SEAGRI – Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Disponível em: <http://icaatom.arquivoestado.sp.gov.br/ica-atom/index.php/secretaria-da-agricultura;isad> Acesso em: 9 de novembro de 2018

Related posts

50ª EXPOAGRO: Franca (SP) sediará a etapa final do Circuito Nacional de Marcha de Muares

Estudo insere mudanças climáticas no modelo de análise de risco agrícola

Pesquisadores criam sistema que substitui lenha na secagem de grãos

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário