Bovinos de CorteBovinos de LeitePolítica Agrícola

São Paulo lança a última campanha de vacinação contra a Febre Aftosa no Estado

O Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) informou que São Paulo se tornará zona livre de febre aftosa após novembro.

O Governo de SP, por meio da Secretaria de Agricultura e Abastecimento e da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, fez o lançamento na terça-feira (31) da última campanha de vacinação contra a Febre Aftosa no Estado de São Paulo. Mais de 500 pessoas compareceram ao evento que foi realizado na Unoeste, em Presidente Prudente (SP), na mesma região que iniciou a vacinação há 56 anos. Esteve presente representando o Governo de SP, o secretário de Agricultura e Abastecimento, Guilherme Piai.

“É um momento histórico para o Estado de São Paulo, que é o maior exportador de carne bovina do Brasil. Mais de 11 milhões de cabeças de gado. O quanto isso vai agregar valor e mudar a história do nosso setor agropecuário. Uma batalha de 56 anos que começou aqui nessa região e nós vamos encerrar por aqui com muito orgulho”, disse o secretário.

O Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) informou que São Paulo se tornará zona livre de febre aftosa após novembro, quando será a última etapa de vacinação contra a doença. O feito é uma conquista para todos os paulistas.

“A sanidade animal de nosso Estado passa a ter mais uma comprovação de sua excelência e poderá buscar mercados cada vez mais rentáveis pela qualidade da carne de área livre sem vacina. Depois de muito trabalho de todo o corpo técnico e do produtor rural, o Estado chega ao status de livre de febre aftosa sem vacinação”, destacou Piai

Na última campanha de vacinação da Aftosa em maio de 2023 foram imunizados contra a doença 11.025.252 (onze milhões, vinte e cinco mil e duzentos e cinquenta e dois) no Estado de São Paulo, atingindo 99,99%.

“A conquista é fruto de um trabalho de anos de serviço da Defesa Agropecuária e de parceria com o pecuarista. Novas oportunidades com abertura de novos mercados virão a partir de agora”, disse Luiz Barrochelo, coordenador da Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo.

De acordo com o documento, a partir de 1º maio de 2024, animais com origem em zonas livres com vacinação, caso de Roraima, Pará, Amapá, Maranhão, Piauí, Ceará, Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Sergipe, Bahia e Rio de Janeiro e parte do Amazonas, não podem ingressar nos Estados que já suspenderam a vacinação.

Isso será necessário porque o pleito para o reconhecimento internacional de zona livre sem vacinação está previsto para ser apresentado à Organização Mundial de Saúde Animal em agosto de 2024. A previsão de finalização da avaliação será em maio de 2025, cumprindo, então, o prazo de 12 meses sem o uso do imunizante e sem ingresso de animais vacinados nas áreas, conforme definições do Código Sanitário de Animais Terrestres daquele Organismo Internacional.

Related posts

[Sofia Lohmann] – A ordenha e seus desafios

Mario

MAPA: Novo regulamento técnico de identidade e qualidade do bacon é aprovado

Mario

MAPA estuda medidas para minimizar impactos do fim do antidumping na produção de leite em pó

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais