Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Bovinos de Leite NOTÍCIAS

Santa Catarina se prepara para a retirada da vacinação contra febre aftosa em outros estados

Único estado livre de febre aftosa sem vacinação, Santa Catarina se prepara para um grande desafio: a retirada da vacina no restante do país. O PNEFA – Programa Nacional de Erradicação de Febre Aftosa está em andamento e em novembro de 2019 o Paraná já irá suspender a vacinação no seu rebanho. Para discutir os riscos e oportunidades que o PNEFA traz para Santa Catarina, lideranças do agronegócio, técnicos e representantes dos produtores estarão reunidos nesta terça-feira (18) em Florianópolis. O Fórum Catarinense de Prevenção à Febre Aftosa tem início às 14h, no CIGERD – Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres.

O Brasil se prepara para conquistar o certificado internacional como país livre de febre aftosa sem vacinação em 2023. Desde 2007, Santa Catarina se mantém como o único estado brasileiro livre da doença com o reconhecimento da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Desde então, o agronegócio catarinense se consolidou como referência em sanidade e defesa agropecuária, conquistando os mercados mais competitivos do mundo.

Fórum

O Fórum Catarinense de Prevenção à Febre Aftosa reunirá técnicos, representantes dos produtores rurais e lideranças do agronegócio para discutir as estratégias para manter Santa Catarina livre da doença e protegida após a retirada da vacinação nos outros estados brasileiros.

A programação tem inicio às 14h e trará a contextualização do Programa Nacional de Erradicação de Febre Aftosa (PNEFA), uma palestra sobre os riscos e oportunidades da retirada da vacinação nos outros estados e, por fim, uma apresentação do secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, e do diretor executivo do SINDICARNE – Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados de Santa Catarina, Ricardo de Gouvêa, sobre as perspectivas futuras para o agronegócio catarinense.

O evento acontece no auditório do CIGERD – Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres, na Avenida Governador Ivo da Silveira, 2320, no bairro de Capoeiras.

Febre Aftosa em Santa Catarina

O último foco de febre aftosa em Santa Catarina aconteceu em 1993 e a partir de 2000 foi suspensa a vacinação contra a doença e proibida entrada de bovinos provenientes de outros estados, onde a vacinação é obrigatória. Em 2007, o estado recebeu a certificação da OIE – Organização Mundial de Saúde Animal como zona livre de febre aftosa sem vacinação.

O status sanitário diferenciado logo se transformou em uma vantagem competitiva e Santa Catarina se tornou o maior exportador de carne suína e o segundo maior exportador carne de frango do país, alcançando os mercados mais exigentes do mundo.

Status sanitário diferenciado

A conquista e a manutenção do status sanitário exigem esforços conjuntos do Governo de Santa Catarina, Ministério da Agricultura, agroindústrias e produtores rurais. “Os produtores catarinenses entenderam a importância da certificação internacional para valorizar os produtos e tem sido o esforço e a colaboração de cada um que permitiu que chegássemos até aqui e permanecêssemos há 25 anos sem nenhum caso de febre aftosa no estado”, ressalta o secretário Spies.

Em Santa Catarina os esforços para manter o status sanitário diferenciado são imensos. A CIDASC – Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina mantém 63 barreiras sanitárias fixas nas divisas com Paraná, Rio Grande do Sul e Argentina que controlam a entrada e a saída de animais e produtos agropecuários. Além disso, em Santa Catarina todos os bovinos e bubalinos são identificados e rastreados e é proibida a entrada desses animais provenientes de outros estados.

O Governo do Estado mantém ainda um sistema permanente de vigilância para demonstrar a ausência do vírus de febre aftosa em Santa Catarina. A iniciativa privada também é uma grande parceira nesse processo, por meio do ICASA – Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária.

Related posts

Solos saudáveis, plantas saudáveis

Seminário do setor produtivo debate impactos negativos do tabelamento do frete

Revista Attalea Agronegócios

Terminal de Grãos do Maranhão anuncia investimentos para segunda fase

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário