Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
NOTÍCIAS

Salinidade do solo: uma ameaça aos microrganismos e à produtividade agrícola

Os solos se constituem de um delicado balanço entre microrganismos e nutrientes, e o uso de fertilizantes com alta concentração salina, como o Cloreto de Potássio (KCl), torna os solos menos produtivos e desfavoráveis à atividade dos microrganismos que nele vivem. Em “Influence of Salinity and Water Content on Soil Microorganisms”[1], publicado no jornal “International Soil and Water Research”, YAN (2015) e demais pesquisadores analisaram o efeito salino do solo nos microrganismos.
Os pesquisadores afirmam que “a salinidade afeta plantas e microrganismos através de dois mecanismos primários: efeito osmótico e efeitos de íons específicos” (p. 317). Os microrganismos do solo constituem menos que 0,5% de massa do solo, mas são essenciais por participarem da oxidação, nitrificação, amonificação, fixação de nitrogênio, além de outros processos que levam à decomposição da matéria orgânica e à transformação de nutrientes. Eles também atuam no combate a patógenos e doenças às plantas.
Você pode ler mais aqui.
Através destes processos, nutrientes essenciais são liberados ao solo. Nitrato, sulfato e fosfato, por exemplo, estão presentes no solo, primariamente, graças a ação de microrganismos. O uso do KCl, fertilizante com concentrações de potássio mais comumente utilizado no Brasil, leva a morte microbiana no solo. Ele possui alta concentração de cloro (47%) e sal. O índice salino do KCl é um dos maiores do mercado, atingindo 116%. Para fins comparativos, esse número se aproxima ao do sal de mesa (ou cloreto de sódio), com 153%.
Qualquer distúrbio ao ambiente do solo pode afetar as comunidades microbianas e afetar diretamente a ciclagem de nutrientes. “Os solos afetados pelo sal podem ser classificados de acordo com a forma como a salinidade se desenvolveu: salinidade primária, que ocorre naturalmente, e a salinidade secundária, que é a salinização da terra e dos recursos hídricos devido às atividades humanas, incluindo o mau manejo da irrigação; drenagem insuficiente; padrões e rotações de cortes inadequados; contaminação química”. (YAN et al, 2015, p.318)
O sal solúvel afeta o potencial osmótico da água no solo de maneira que retire o H2O de dentro das células, o que leva a morte microbiana e de raízes através da plasmólise (perda de água). Baixo potencial osmótico também torna mais difícil a retirada da água do solo por parte das raízes e micróbios, o que leva a redução de atividades e potencial de crescimento reduzido.
Efeito salino do KCl nas raízes das plantasEfeito salino do KCl nas raízes das plantas
Fonte: Mateus Gama Terra
YAN et al. (2015) lista diversos estudos que indicam que a salinidade reduz a atividade e biomassa microbiana, além de mudar a estrutura da mesma. Outros estudos indicam que a respiração do solo foi reduzida em até 50% por conta da alta concentração de sais; algumas atividades enzimáticas foram inibidas pela salinidade e, por último, um estudo que comprova que fungos são mais sensíveis ao estresse salino do que as bactérias, afetando assim a distribuição de ambos no solo.
Uma forma de combater a salinidade do solo é com o uso de produtos com baixo índice salino. O K Forte®, da Verde, possui um dos menores índices salinos do mercado. Apenas 0.17%. Além disso, o produto não possui concentrações de cloro, permitindo que haja maior diversidade microbiana no solo. É um produto natural com concentrações de potássio, silício e magnésio, além de 70 elementos-traço de liberação gradual. O silício (Si), inclusive, atua diretamente na resistência das plantas ao estresse hídrico e salino. Leia mais sobre a atuação do Si nas plantas.
Índice salino
% Cloreto de Potássio…………………116
Nitrato de Sódio…………………………100
Sulfato de Amônia……………………….69
Sulfato de Potássio……………………..46
MAP……………………………………………30
DAP…………………………………………….34
K Forte®…………………………………..0.17
A salinidade dos solos é uma ameaça à agricultura e ao ecossistema por reduzir o crescimento das plantas e atividade microbiana. Através de práticas mais sustentáveis e o uso de melhores produtos para o solo, é possível recuperá-los de forma que possam produzir alimentos mais nutritivos por mais tempo.
Mais informações sobre o K Forte, acesse: https://www.verdeagritech.com.br/
Sobre o K Forte
O K Forte é um remineralizador de solos fonte de macro e micronutrientes, incluindo potássio, magnésio e silício. No total, ele possui cerca de 70 elementos-traço de liberação gradual. O produto é uma alternativa eficaz e mais econômica em relação ao Cloreto de Potássio (KCl), fertilizante químico amplamente utilizado pelo agricultor brasileiro. K Forte não contém sal nem cloreto em sua composição; aumenta a capacidade do solo de reter nutrientes e água (1:1); aumenta a disponibilidade de fósforo no solo, sem alterar o pH; diminui as perdas de nitrogênio por volatilização e lixiviação. Devido à sua alta concentração de silício, aumenta a resistência da planta contra pragas, doenças, mudanças bruscas de temperatura e falta de água.
Sobre a Verde
A Verde AgriTech é uma empresa fundada e controlada por brasileiros. Desde 2007, está listada na bolsa de valores de Toronto, Canadá. Trabalhamos para melhorar o meio ambiente, aumentar o valor nutricional dos alimentos e capturar CO2 através de uma agricultura mais sustentável. Desde 2005, já investimos mais de R$200 milhões em pesquisa e tecnologia. Criamos o primeiro marketplace gratuito para que fazendeiros e empresas possam oferecer alimentos mais saudáveis e sustentáveis. Também operamos a maior mina de potássio do Brasil, onde produzimos soluções inovadoras para a agricultura sustentável: K Forte®, Super Greensand® e Silício Forte®.
[1] Yan, N., et al. International Soil and Water Conservation Research (2015), http://dx.doi.org/10.1016/j. iswcr.2015.11.003
FONTE: Blog Verde Agritech

Related posts

Agronegócio paulista fatura R$ 27 a cada R$ 1 investido em pesquisa

Área utilizada com cultivo do café robusta no Brasil ocupa apenas 375 mil hectares em 2018

Revista Attalea Agronegócios

Circuito de palestras discutiu manejo da silagem de milho de alta qualidade no Paraná

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário