fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Café

Projeto Comprador da Apex-Brasil: Região do Cerrado Mineiro recebe 20 compradores de café, de 12 países diferentes

A Denominação de Origem Região do Cerrado Mineiro, única origem produtora brasileira chancelada como D.O. recebeu na última semana, um grupo de torrefadores de café de 12 países diferentes. O grupo de 20 compradores, esteve na Região através de um projeto com a Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimento que mobilizou os escritórios de Miami (Estados Unidos), Dubai (Emirados Árabes Unidos), Moscou (Rússia), Bruxelas (Bélgica); além do escritório de Brasília (Brasil).

Representantes da Suécia, Grécia, Romênia, Holanda, Reino Unido, Finlândia, Egito, Emirados Árabes, Jordânia, Canadá, Estados Unidos e Rússia puderam conhecer o Cerrado Mineiro, seu terroir, seus produtores, cooperativas, exportadores e o que faz desta uma Região reconhecida: a qualidade, a diversidade e consistência de fornecimento dos seus cafés, a rastreabilidade a garantia de origem e qualidade da Denominação de Origem. A ação, denominada Origin Trip Cerrado Mineiro Region, percorreu quatro cidades em cinco dias de imersão.

A viagem começou com uma apresentação sobre a Denominação de Origem e o papel da Federação dos Cafeicultores do Cerrado como entidade que promove, controla e representa o Cerrado Mineiro e seus produtores. A barista oficial da Região do Cerrado Mineiro, Paula Dulgheroff apresentou os perfis sensoriais mais encontrados no Cerrado Mineiro, que vão além, do caramelo, chocolate e nozes; passando por vinhados, frutas vermelhas, amarelas e especiarias.

Em cada uma das propriedades credenciadas e entidades filiadas, os convidados puderam conhecer o que faz o café do Cerrado Mineiro ser conhecido como o “Café Produzido com Atitude”! Marcos Miaki e família, em Patrocínio (MG), encantaram com cafés da microrregião do Chapadão de Ferro e tradição da família na cafeicultura. José Carlos Grossi e os filhos apresentaram seu trabalho através de seus lotes especiais, o patriarca contou como foi ser um dos pioneiros do Cerrado Mineiro e juntos mostraram uma bem sucedida sucessão familiar.

Gabriel Nunes, uma nova geração de produtores, mostrou a influência dos processos na qualidade dos lotes e o porquê já foi recordista mundial, com o café mais caro do mundo. Seus microlotes encantaram.

Jamie Boland, da Ancoats Coffee Co. comemorou em suas redes sociais a compra de lotes de café nesta viagem, dos produtores Gabriel Nunes e Danilo Barbosa. “Todas as amostras e lotes da fazenda de Gabriel Nunes foram excelentes! Estou muito animado com as 18 sacas que comprei, um café que pontou facilmente os 88 pontos. O café da Fazenda Cachoeira, que compramos em março, foi memorável e já selecionamos outro café de Danilo Barbosa, que será lançado no próximo ano.” – vibrou o torrefador.

Ana Cecília Velloso, em Carmo do Paranaíba (MG), apresentou a estrutura da fazenda da família e o criterioso dos pós-colheita, que já os levaram ao primeiro lugar do Prêmio Região do Cerrado Mineiro, duas vezes. Evanete Peres, em Araguari (MG), em parceria com a cooperativa Coocacer Araguari mostraram o trabalho dos cooperados produtores de Araguari (MG) e região, na última parada da TRIP pelo Cerrado Mineiro, fechando em grande estilo, com ótimos lotes.

Segundo Piotr Jezewki, da 49th Parallel Coffee Roaster, no Canadá a experiência foi incrível. “Uma semana de experiências incríveis no Cerrado Mineiro. É emocionante encontrar tantos cafés deliciosos, com alta pontuação nesta origem. Processamentos como fermentações anaeróbicas e cafés lavados, além dos cafés naturais muito limpos. Técnicas modernas de agricultura, enorme dedicação e motivação para produzir ainda melhor ano após ano. Obrigada pela hospitalidade incrível.” – finalizou o Canadense.

Para a produtora credenciada, Ana Cecília Velloso, da São Luiz Estate Coffee, a Denominação é um grande diferencia para os compradores: “A D.O. garante a qualidade dos cafés produzidos no Cerrado Mineiro, além de assegurar sua autenticidade. Apresentar cafés de origem controlada para o mercado mundial, que tem ofertas do mundo todo, é um diferencial da nossa Região.” – afirmou a produtora.

As também cooperativas filiadas Expocaccer, Carpec, Carmocer e monteCCer receberam os visitantes e apresentaram suas estruturas de processamento, preparo e padronização dos lotes. Através de cupping mostram o grande valor de seus cooperados, lotes exclusivos e de alta qualidade. A Cafebras, exportador credenciado também foi uma das anfitriãs e juntamente com a Ally Coffee, importador credenciado, promoveu uma sessão de cuppings com os perfis dos cafés do Cerrado Mineiro prontos a serem exportados.

Para Juliano Tarabal, Superintendente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado a ação veio em um grande momento para o Cerrado Mineiro. “Esta ação com APEX foi algo inédito para a Federação dos Cafeicultores do Cerrado, sendo nossa primeira ação em conjunto, o que para nós veio em um momento muito oportuno, pois estamos trabalhando o desenvolvimento da Geração de Demanda por cafés Cerrado Mineiro D.O, o que se liga diretamente a um dos pilares de nossa estratégia de marca, que é de conectar os produtores aos compradores. Para isso, nada como uma viagem a origem onde os torrefadores têm a oportunidade de viver uma experiência em nossa Região, conhecendo de perto o processo de produção, a estrutura das propriedades e cooperativas da Região e provando nossos cafés, além é claro, de entender a importância da Denominação de Origem para toda a cadeia envolvida na cafeicultura”- finalizou Tarabal.

Na avaliação da Apex-Brasil, a Trip pode ser considerada um grande sucesso, com os objetivos alcançados. “O evento teve seu foco nos cafés especiais. Embora o Brasil seja líder mundial nas exportações de cafés, quando se fala em cafés de qualidade, a concorrência internacional é muito acirrada e demanda permanentes investimentos para a promoção junto aos compradores desse nicho. Nesse sentido, a viagem permitiu convencer compradores selecionados de 12 diferentes países acerca da qualidade dos cafés produzidos na região do Cerrado Mineiro, que validaram seus processos produtivos e padrões de sustentabilidade, bem como testaram a bebida e a ela atribuíram as altas notas que a permitem distingui-las como especiais. Tivemos boas encomendas de cafés e muitas amostras dos cafés selecionados pelos compradores enviadas para decisão de compra após testes finais nas sedes das empresas” – explicou o COO do escritório da Apex em Moscou, Almir Américo.

A conexão e a troca de contatos entre os participantes, também foi destaque para os convidados. ““Tenho muita sorte de ter aprendido com um grupo profissional com bastante experiência no setor cafeeiro e ser escolhido como representante do Egito é ótimo para minha experiência profissional. Tive a oportunidade de fazer contatos no Brasil que me podem me ajudar a escolher os melhores cafés para minha empresa, além de fornecedores confiáveis” – explicou Mostafa Elsaid, da Al Fayrouz for Trade.

Sobre a Apex-Brasil 

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira.

Para alcançar os objetivos, a Apex-Brasil realiza ações diversificadas de promoção comercial que visam promover as exportações e valorizar os produtos e serviços brasileiros no exterior, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais, visitas de compradores estrangeiros e formadores de opinião para conhecer a estrutura produtiva brasileira entre outras plataformas de negócios que também têm por objetivo fortalecer a marca Brasil.

 

FONTE: Federação dos Cafeicultores do Cerrado Mineiro

Related posts

Sindicato dos Produtores Rurais de Itabela (BA) lança a 12ª Festa do Café

Revista Attalea Agronegócios

Encontro de produtores de café apresenta selo de procedência Mantiqueira de Minas

Revista Attalea Agronegócios

Exportação de café do Brasil aos árabes acelera

Deixe um comentário