fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Agroindústrias NOTÍCIAS

Produtora do Campo das Vertentes é a campeã do 13º Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal

O queijo Jacuba, produzido por Maria Teresa Viana Boari, do município de Coronel Xavier Chaves (MG), na região do Campo das Vertentes, foi o vencedor do 13º Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal. O resultado foi anunciado na tarde desta quarta-feira (20/10) em um evento virtual, transmitido ao vivo pelo canal da Emater-MG no YouTube (veja abaixo)

O melhor Queijo Minas Artesanal do Estado em 2021, segundo os jurados do concurso, se destacou pelo aroma agradável e pelo sabor adocicado, além de excelente textura. No julgamento às cegas, realizado no dia 6 de outubro, no Restaurante Escola do Senac Minas, o produto alcançou 1.029,9 pontos no quesito sabor e aroma, de um total de 1.225 pontos. A pontuação total foi de 2.964,8 pontos, de 3.500 pontos distribuídos pelo grupo de 35 jurados. “Muita gratidão, porque é muito trabalho envolvido. É muito difícil chegar aqui, mas a gente conquistou”, comemorou a produtora Maria Teresa.

Os segundo e terceiro lugares da competição foram para queijos da região de Araxá, produzidos, respectivamente, por Reginaldo José Lemos, do município de Santa Juliana (MG), e por Reinaldo Antônio de Lima, do município de Araxá (MG).

Neste ano, disputaram o título de melhor do estado 132 queijos, das oito regiões caracterizadas como produtoras do Queijo Minas Artesanal (Araxá, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serras da Ibitipoca, Serra do Salitre, Serro e Triângulo Mineiro). A comissão organizadora recebeu também inscrições dos municípios de São João Evangelista (MG), Guanhães (MG), Entre Rio de Minas (MG) e Porteirinha (MG), que estão fora das regiões caracterizadas, mas todos são registrados junto ao Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

O Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal é promovido pelo Governo do Estado, por meio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com o objetivo de estimular a produção de queijos de qualidade, promover a divulgação entre consumidores e incentivar a legalização das queijarias.

O diretor-presidente da Emater-MG, Otávio Maia, agradeceu aos produtores inscritos, aos jurados e aos técnicos da empresa, que viabilizaram a realização do concurso. Ele destacou também a parceria do Senac Minas, que ofereceu suas instalações para o julgamento dos mais de 130 queijos, que foram avaliados durante um dia inteiro. De acordo com Maia, o concurso é resultado de um esforço conjunto de todo o sistema de Agricultura do Estado. “Ninguém faz nada sozinho. Temos que ressaltar o trabalho da Empresa de Pesquisa Agropecuária (Epamig) e do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), no desenvolvimento da cadeia produtiva do leite e do queijo, com qualidade e segurança para os consumidores”.

A secretária de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Valentini, participou do evento por meio de um vídeo, em que cumprimentou os participantes e ressaltou a relevância da competição. “Este concurso desempenha um papel fundamental no segmento dos queijos artesanais no Estado. Além de reconhecer o empenho do produtor em preparar um queijo de qualidade, eventos como esse valorizam a importância econômica, social e cultural de produtos com a marca de Minas Gerais”, afirmou.

O governador Romeu Zema, que também enviou um vídeo apresentado durante a live de premiação do concurso. Ele parabenizou os vencedores, que, segundo ele, “mantêm viva uma tradição tão mineira, que é passada de geração em geração”.

Zema se dirigiu também aos profissionais da Emater-MG. “Parabéns também aos técnicos, que seguem lado a lado dos produtores, promovendo o desenvolvimento sustentável do setor agropecuário no Estado”, disse o governador.

O Queijo Minas Artesanal é produzido a partir de leite de vaca cru, ordenhado na mesma propriedade onde fica a queijaria. A iguaria, além de seu sabor especial, se destaca por ser um dos representantes mais típicos da história mineira, com seu modo de preparo sendo passado entre gerações. O modo artesanal da fabricação foi registrado como patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Related posts

Sicredi destaca crescimento do segmento no Dia Internacional das Cooperativas de Crédito

Revista Attalea Agronegócios

BRANDT Inaugura novo escritório na região de Londrina

Revista Attalea Agronegócios

Por dentro das melhores picapes do mercado

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário