fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Frutas

Pesquisa propõe controle regional de vetores de insetos para melhorar o combate ao HLB de citros

Um estudo da Embrapa e parceiros internacionais deve informar mudanças na regulamentação do MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para melhorar o controle do Huanglongbing (HLB), ou Greening, atualmente a doença cítrica mais grave identificada no Brasil, em os estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná. Neste trabalho de pesquisa, os cientistas recomendam a adoção de medidas para o controle do inseto vetor, o psilídeo cítrico asiático ( Diaphorina citri ).

Instrução Normativa do Mapa nº. 53, de 16 de outubro de 2008 (http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sanidade-animal-e-vegetal/sanidade-vegetal/arquivos-prevencao/IN53_2008HLB.pdf ), estabelece medidas para conter a doença, mas não aborda, por exemplo, o controle do inseto vetor, que é essencial para que o HLB não se espalha em escala regional.

“A pesquisa é fundamental para gerar conhecimento técnico para a tomada de decisões do Mapa. Nós concordamos completamente com este estudo. Controlar o vetor HLB é essencial para conter a doença. Temos que encontrar os meios legais para incluir essa ação durante a revisão do IN 53/2008 ”, afirma o coordenador geral de Proteção de Plantas do Departamento de Saúde Vegetal da Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa, Pablo Parizzi. 

Psilídeo adulto. (Créditos: Fundecitrus)

Ele acrescenta que a revisão do IN 53/2008 é uma prioridade da Coordenação de Proteção Vegetal. “Esperamos que este ano um grupo de trabalho seja formado por instituições envolvidas em pesquisa e controle do HLB, como o MAPA, a EMBRAPA, o Fundecitrus) e órgãos estaduais de defesa agropecuária, que podem iniciar os trabalhos de revisão da norma, e certamente os resultados desta pesquisa serão discutidos ”, afirma o coordenador do ministério.

A pesquisa é o tema de um artigo recentemente selecionado pelo Journal of Applied Ecology, periódico inglês focado na divulgação de resultados de pesquisa que são aplicados em intervenções relacionadas a aspectos ecológicos. 

Ovos de psilídeo cítrico. (Créditos: Paulo Lanzetta)

“[Este estudo] é um ótimo exemplo de trabalho ecológico aplicado que se relaciona diretamente a regulamentação específica”, afirma o editor sênior do periódico Phil Stephens em sua análise do artigo “ Conflito entre cultivadores e reguladores no manejo da doença cítrica Huanglongbing no Brasil : Um estudo de modelagem ”.

Depois de estabelecer um panorama dos impactos da doença em vários países, Stephens relata que, em 2008, o governo brasileiro emitiu uma instrução regulatória que determina a remoção de árvores sintomáticas em intervalos trimestrais e que qualquer unidade de produção com pelo menos 28% de árvores com sintomas deve ser completamente removido. Ele também ressalta que o regulamento causou conflito com os produtores, porque mesmo as árvores sintomáticas podem produzir, e assim muitos produtores prefeririam não removê-los.

Ninfa de Psilídeo cítrico (Créditos: Paulo Lanzetta)

Com base em ferramentas de biomateriais, os autores do trabalho, que incluem o pesquisador da Embrapa Mandioca e o de Frutas Francisco Laranjeira, coordenador do portfólio de Fitossanidade, demonstram que os aspectos da instrução regulatória, voltados para pomares individuais, não funcionariam em escala regional . Eles propõem melhores tipos de manejo para reduzir infecções de plantas e assim evitar perdas de renda para os produtores.

Remover a planta doente não é suficiente

“Com este trabalho, conseguimos mostrar que há um conflito em determinar a remoção de todas as plantas dos pomares com mais de 28% de plantas sintomáticas de tempos em tempos, conforme estabelece a instrução reguladora. Porque se você remover uma planta sintomática que ainda esteja produzindo, isso pode não ser bom para os produtores, mas deixando-a no campo, ela se tornará uma fonte de propagação de HLB na região. Ou seja, também não é bom para o controle da doença. Apesar disso, no caso de plantas mais jovens, elas valem a pena ser removidas. Em escala regional, demonstramos que isso não é suficiente [para controlar a doença]. Reduzir a população de insetos-vetores é necessário. A instrução normativa só discute a planta e é omissa em relação ao vetor ”, explica Laranjeira.

No artigo, os autores fazem várias considerações visando melhorar a instrução regulatória, como, por exemplo, incentivos à implementação de áreas de gestão regional. Os cientistas estão contra o limite para remover uma unidade de produção inteira. Em vez disso, eles defendem uma combinação de pulverização da área (para reduzir a população do vetor) com a remoção de árvores sintomáticas. Se a pulverização resultar em infecção reduzida, menos árvores terão que ser removidas, uma situação mais aceitável para os produtores.

Psilídeos na folha de citros. (Créditos: Francisco Laranjeira)

“Digamos que a doença chegue ao estado de Sergipe. De acordo com a instrução reguladora, a agência de defesa da fábrica estatal deve aconselhar os produtores a remover as plantas. Eles teriam que removê-los rapidamente e perder tudo, se a população de insetos-vetores na área não fosse reduzida ”, explica Laranjeira.

Segundo ele, o estudo demonstrou que não há uso de um cultivador fazendo isso em sua área se outros na região não o fizerem. “Portanto, é preciso um grupo muito bem organizado de fazendeiros cítricos ou uma estrutura regional onde haja um grande proprietário do agronegócio ajudando os pequenos proprietários a realizar o controle, ou alguma ação pública para organizar o setor”, detalha o pesquisador.

Laranjeira explica que a pesquisa também mostrou a necessidade de ações de controle de implementação da autoridade pública em tais áreas de gestão. “Os citricultores não conseguem controlar a doença isoladamente”, enfatiza Laranjeira.

História do HLB BioMath

O embrião desta pesquisa foi o trabalho de pós-doutorado de Laranjeira na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, com o mesmo grupo de pesquisadores que criaram o artigo. Isso deu origem ao projeto HLB BioMath, que integra o portfólio de pesquisa em saúde vegetal da Embrapa e já teve duas etapas. Desenvolveu diversos modelos que foram aplicados para a análise de critérios legislativos para amostragem e controle e para a análise de cenários de disseminação em nível regional, entre outras ações.

Segundo Laranjeira, o artigo fornecerá as bases para uma terceira etapa proposta do HLB BioMath. “Uma das ideias é justamente o esboço das áreas de gestão regional. Eu posso brincar que vamos desenvolver ‘armas’ contra o HLB. ‘Armas’ são a tradução das iniciais das ‘áreas regionais de manejo’, em português, para combater a doença. Espero que este seja um bom processo agrícola a ser aplicado pelos citricultores, que também pode apoiar políticas públicas, e que as agências de defesa da saúde vegetal possam elaborar melhores planos de contingência ”, diz ele.

Além de Laranjeira, os cientistas Andrew Craig, Nik Cunniffe e Christopher Gilligan, da Universidade de Cambridge (Reino Unido), e Matthew Parry, da Universidade de Otago (Nova Zelândia), participaram da pesquisa.

Related posts

Safra de laranja 2018/19 é reestimada em 273,34 milhões de caixas

25ª HORTITEC: Rigrantec apresenta linha de combinação de nutrientes e bioestimulantes.

mkt

25ª HORTITEC: Biocross lança durante a feira os produtos Indurre e Impacto

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário