Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Outros Grãos

Novo vírus do Mosaico-do-Trigo no Brasil

Wheat stripe mosaic virus (WhSMV) foi identificado em plantações de trigo no Rio Grande do Sul

O trigo (Triticum aestivum) é uma gramínea cultivada mundialmente, sendo a segunda maior cultura de cereais, ficando atrás apenas do milho. Em 2017, a produção de trigo no Brasil somou 4,2 milhões de toneladas, sendo o Paraná e Rio Grande do Sul os Estados que concentram cerca de 90% da produção nacional.

Um dos principais entraves para a produção e comercialização do trigo são as doenças causadas por bactérias, fungos e vírus. Entre as doenças mais frequentes que afetam o cultivo de trigo no Brasil, destaca-se a mosaico-do-trigo, normalmente ocasionada pelos vírus Soil-borne wheat mosaic virus (SBWMV) e Wheat spindle streak mosaic virus (WSSMV).

Recentemente, pesquisadores brasileiros caracterizaram molecularmente espécies virais associadas a plantas de trigo que apresentavam sintomas de mosaico, como clorose, necrose, limbo foliar deformado, tamanho reduzido, entre outros. A coleta das folhas e hastes sintomáticas foi feita em diferentes cultivares de trigo do município de Passo Fundo (RS).

Os resultados mostraram que a sequência genômica encontrada não se referia aos vírus SBWMV e WSSMV, e sim a um novo membro da família Benyviridae, cujo nome proposto foi Wheat stripe mosaic virus (WhSMV).

Além disso, também foi demonstrado que Polymyxa graminis está associado a raízes de plantas de trigo apresentando sintomas do mosaico-do-trigo, podendo ser um possível vetor dessa nova espécie.

Vale lembrar que P. graminis é uma espécie de solo, parasita obrigatório comum em raízes de gramíneas e, embora não seja patogênico, é responsável pela transmissão de alguns vírus de importância agrícola, incluindo o SBWMV.

Considerando a importância da cultura do trigo, é necessário que sejam feitos estudos mais aprofundados sobre o vírus WhSMV para determinar seu potencial de dano tanto no trigo como em outras culturas e para o estabelecimento de métodos de controle.

Os produtores devem ficar atentos ao aparecimento dos sintomas e à presença do vírus na lavoura, pois pode resultar na redução da produção e comprometer os produtos finais.

Para saber mais: Valente et al. (2018)

Fonte: Defesavegetal.net

Related posts

Parecer da EMBRAPA subsidia autorização do plantio do algodão GM em Rondônia

FMC reforça parceria com cotonicultores no 16º Dia do Algodão

Revista Attalea Agronegócios

Rotam do Brasil lança fungicida líquido para o combate ao Mofo-Branco

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário