HortiFruti

Novas combinações de copa e porta-enxertos aumentam longevidade e produtividade nos laranjais do Amazonas

Melhor qualidade dos frutos, maior produtividade e redução de riscos fitossanitários foram observadas com as combinações de copa e porta-enxerto testadas pela pesquisa.

Novas combinações de copa (parte aérea da planta) e porta-enxertos (base de sustentação da copa) para produção de laranja no Amazonas reduzem a vulnerabilidade da cultura a pragas e doenças, aumentam a produtividade e a qualidade dos frutos e agregam valor à produção. É o que mostram ensaios realizados por pesquisadores da Embrapa Amazônia Ocidental (AM) e Embrapa Mandioca e Fruticultura (BA) com os objetivos de avaliar o comportamento produtivo de variedades e contribuir para a sustentabilidade da citricultura no estado, atividade que vem crescendo e envolve 2.400 produtores nos municípios vizinhos a Manaus. 

Nos experimentos, foram selecionadas novas combinações de copa e porta-enxertos que sejam alternativas à tradicional, formada por laranjeira Pera (Citrus x sinensis (L.) Osbeck) enxertada em limoeiro Cravo (Citrus x limonia Osbeck), largamente utilizada, como única opção, pelos citricultores do Amazonas. A baixa longevidade dos pomares, ocasionada por doenças que afetam o porta-enxerto limoeiro Cravo, vem colocando em risco a produção.

Os estudos, conduzidos dentro do Programa de Melhoramento Genético de Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura, foram iniciados em 2011, com a produção de mudas para a instalação dos ensaios sob as condições de clima e solo locais, em áreas de produtores rurais parceiros da Embrapa.

O pesquisador da Embrapa Marcos Garcia explica que, além de diminuirem a incidência de pragas e doenças (fatores bióticos), as novas combinações de variedades reduzem também a vulnerabilidade da cultura frente aos riscos ocasionados por variações de clima e solo (fatores abióticos).

As variedades de porta-enxertos e copas, avaliadas pela primeira vez no Amazonas, já têm mostrado bom desempenho nas regiões de São Paulo, Minas Gerais, Bahia e Sergipe. Para a avaliação no Amazonas, os experimentos foram instalados em três propriedades de produtores parceiros: Fazenda Panorama e Fazenda Canaã, em Rio Preto da Eva; e Fazenda Brejo do Matão, em Manaus.

Sobrevivência e diversidade genética

Nos experimentos foi avaliada a taxa de sobrevivência e produtividade para 28 combinações de variedades de copa e porta-enxertos. As mais altas produtividades foram observadas nas combinações copa/porta-enxerto Pineapple/Cravo Santa Cruz, Valência Tuxpan/BRS Bravo e Valência Tuxpan/Cravo Santa Cruz, com produtividades de 64 t/ha, 53 t/ha e 50 t/ha, respectivamente.

Produtividades entre 30 e 38,5 t/ha foram obtidas nas combinações Rubi/Riverside, Rubi’/BRS Bravo, Pera/Cravo Santa Cruz, Valência Tuxpan/Índio e Pineapple/BRS Bravo. Produtividades entre 20 e 28 t/ha, superiores à média estadual, compreendem as combinações: Pera/Riverside; Valência Tuxpan/Riverside; Pineapple/Índio; Pineapple/Riverside; Rubi/Cravo, Pera/BRS Bravo; Valência Tuxpan/Sunki Tropical e Pera/Índio.

Verificaram-se ainda, nas diferentes combinações de copa e porta-enxerto, os seguintes atributos de qualidade dos frutos: teor de sólidos solúveis totais (% de açúcares), acidez (% de ácido cítrico) e rendimento de suco.

Os resultados indicam alto potencial de uso comercial dos porta-enxertos Índio, Riverside e BRS Bravo.  As variedades de copa Rubi, Pineapple e Valência Tuxpan são alternativas para a diversificação do pomar, em adição ao uso da laranjeira Pera D6 CPMF, na busca de maior sustentabilidade comercial para a citricultura no Amazonas.

Os porta-enxertos híbridos de Trifoliata (Citrandarins) são opções para aumentar a diversidade genética dos plantios. Em consequência reduzem os riscos fitossanitários e agregam valor ao sistema de produção, com maior longevidade dos pomares e melhor produtividade e qualidade de frutos para o mercado de frutas.

A Embrapa já está divulgando e estimulando o uso dessas novas combinações de copa e porta-enxertos, por meio do Comunicado Técnico 153, que traz os resultados dos ensaios. O documento é assinado por dez pesquisadores que fizeram parte dos estudos e está sendo divulgado por meio de palestras, visitas técnicas, cursos e entrevistas. A intenção é tornar as combinações conhecidas do público-alvo: citricultores, viveiristas, técnicos da extensão rural, prefeituras e órgãos de fomento, promovendo a adoção dessas tecnologias e garantindo mais sustentabilidade ao setor agrícola.

Onde adquirir as mudas enxertadas 

Segundo Garcia, as sementes desses porta-enxertos já estão em uso por alguns viveiristas (produtores de mudas de citros) registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Os produtores de citros devem adquirir as mudas de viveiristas que dispõem dessas variedades de porta-enxertos. “A produção da própria muda para a formação de pomares não é aconselhável, a menos que o produtor tenha estrutura e conhecimento suficiente para tal atividade”, informa o pesquisador.

O agricultor Nilton Passos, viveirista certificado pelo Mapa, acredita que a possibilidade de diversificar as combinações de copas e porta-enxertos será mais uma garantia de qualidade a ser oferecida aos clientes. Ele, que trabalha com citros há 40 anos, na sua fazenda de 25 hectares, localizada na Rodovia AM-010 em Manaus, destaca a importância da pesquisa de novas alternativas para a citricultura regional. “Hoje temos um problema seríssimo, porque a grande maioria dos pomares tem como porta-enxerto apenas o limão-cravo, e ele é um dos mais suscetíveis a pragas e doenças como a gomose,” relata.

Mudas de qualidade, enxertadas, com procedência e alto vigor são o desejo de todo produtor antes de estabelecer seus plantios. Segundo Nilton Passos, as sementes usadas para produzir suas mudas são adquiridas de órgãos inscritos no Registro Nacional de Sementes e Mudas (Renasem), com certificado de origem, que atestam a qualidade do produto. “Quem ganha é o produtor ao adquirir um produto livre de ameaças de doenças”, comenta Passos, que comercializa a muda a R$ 12,00. Uma muda de citros leva um ano para ficar pronta e ser levada ao plantio definitivo no campo.

Informações sobre os viveiristas credenciados podem ser obtidas no site do Renasem. Basta abrir o menu e fazer a busca sobre os agentes inscritos.

Desafios da pesquisa

Na Região Norte do Brasil, a citricultura vem crescendo nos últimos anos, especialmente no Amazonas e Pará, estados que, nas safras 2016/2017 e 2018/2019, apresentaram o maior volume de produção de laranja da região. Considerando-se apenas a laranja, que contribuiu com 92,8% dessa produção, a evolução da citricultura amazonense, avaliada pela Taxa Geométrica de Crescimento (TGC), foi positiva no período de 2010 a 2019 (IBGE, 2019).

O pesquisador José Eduardo de Carvalho, da Embrapa Mandioca e Fruticultura, que trabalhou vários anos no Amazonas, explica que um dos grandes desafios para o crescimento do setor citrícola na região é aumentar a diversificação de combinações de copa e porta-enxerto buscando-se, além da diversidade genética, maior resistência a doenças e eficiência no uso de nutrientes, promovendo o aumento de produtividade e qualidade de frutos, além de maior longevidade dos pomares.

O uso exclusivo da combinação laranjeira Pera (C. x sinensis (L.) Osbeck) enxertada em limoeiro Cravo (C. x limonia Osbeck) torna a citricultura amazonense muito vulnerável às doenças gomose e declínio, pela estreita diversidade genética dos seus pomares. A gomose dos citros, provocada pelo fungo do gênero Phytophthora, é uma doença que ataca das plantas jovens aos pomares em produção e provoca danos irreversíveis, como o apodrecimento do tronco e degradação de raízes. Para o controle dessa praga, a melhor estratégia é a prevenção. O declínio do citros resulta em murchamento e declínio das árvores em pomares. A causa dessa doença ainda não foi bem determinada.

A falta de informações que permitam a diversificação de variedades dos pomares citrícolas nas condições do estado do Amazonas dificulta o acesso do produtor a outras opções de alta produtividade e qualidade de frutos e épocas de maturação distintas, desde as precoces às tardias, o que possibilitaria a ampliação de safras, evitando a atual concentração na variedade Pera.

Amplo projeto de pesquisa

A identificação das novas combinações de copa e porta-enxertos é fruto de um amplo projeto de pesquisa e transferência de tecnologia que está sob a coordenação da Embrapa Amazônia Ocidental e da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). O propósito é viabilizar alternativas de manejo conservacionista e sustentável para pomares cítricos (de laranja, limão e tangerina) no estado do Amazonas. O projeto inclui tanto ações de pesquisa voltadas para gerar e adaptar tecnologias para as condições locais quanto capacitação de produtores em boas práticas agrícolas, com a finalidade de consolidar um sistema produtivo que promova a redução dos riscos de contaminação ambiental, do homem e dos frutos produzidos.

O projeto é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa de Apoio à Consolidação das Instituições Estaduais de Ensino e Pesquisa (Pró-Estado). Estão envolvidos diretamente 35 profissionais das seguintes instituições: Embrapa Amazônia Ocidental (Manaus, AM), Embrapa Mandioca e Fruticultura (Cruz das Almas, BA), Ufam, Agência de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal do Amazonas (Adaf), Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e Secretaria de Estado de Produção Rural do Amazonas (Sepror).

Em um esforço conjunto pretende-se solucionar vários problemas tecnológicos que ameaçam a citricultura no Amazonas. O cultivo de citros é um dos ramos mais promissores da fruticultura no estado, envolvendo 2.400 produtores nos municípios vizinhos a Manaus, como Iranduba, Rio Preto da Eva, Manacapuru, Itacoatiara, Novo Airão, Presidente Figueiredo e Careiro. A pesquisa busca gerar conhecimento científico adaptado ao ecossistema amazônico, principalmente para as condições locais, que ofereça alternativas para manejo adequado do solo, manejo de coberturas vegetais/adubos verdes, manejo e controle de plantas infestantes, nutrição e adubação de citros, entre outras questões.

Essa ação contribui para o alcance dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), mais especificamente para a Erradicação da Pobreza (ODS 1), Fome Zero e Agricultura Sustentável (ODS 2) e Redução das Desigualdades Sociais (ODS 10), Trabalho Digno e Crescimento Econômico (ODS 8), com ações para o desenvolvimento da região.

Related posts

Novos clones de cupuaçuzeiro garantem sanidade e alta produtividade

Mario

Embarques brasileiros de suco de laranja têm alta de 54% entre julho e novembro

Mario

Frutas pouco conhecidas são fontes promissoras de compostos bioativos

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais