fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Frutas

Nova praga da manga é identificada no Rio de Janeiro

O besouro Sternochetus mangiferae (broca-da-manga ou gorgulho-da-manga) já foi identificado em nove municípios fluminenses, todos na região metropolitana da capital: Belford Roxo, Duque de Caxias, Magé, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Paracambi, Rio de Janeiro e Seropédica. Ainda não há relatos da presença da praga em outros estados brasileiros e a preocupação dos especialistas é evitar que ela se aproxime das regiões de produção comercial para consumo nacional, como São Paulo e Minas Gerais, e daquelas que produzem para exportação, como Bahia e Pernambuco.

A pesquisadora da Embrapa Agrobiologia (RJ) Alessandra de Carvalho explica que a manga é a fruta com maior valor nas exportações brasileiras, tendo a União Europeia como maior cliente, seguida dos Estados Unidos. A presença da broca pode colocar esse setor em risco, pois há restrições à exportação de frutas e vegetais com a presença de pragas quarentenárias, como é o caso do Sternochetus.

“A nossa balança comercial poderia ser afetada se perdêssemos essas exportações por causa da praga”, frisa a cientista que orienta: “Se os produtores notarem sinais da presença do besouro, o ideal é procurar os órgãos de defesa fitossanitária estaduais ou a Embrapa, por meio do Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC). Isso é muito importante,” recomenda a especialista ao informar que a Embrapa lançou uma publicação explicativa para a identificação do inseto.

Atualmente, os municípios onde a praga foi detectada são considerados zona interditada, com trânsito de mangas proibido para áreas livres do problema. Além disso, a movimentação de frutos produzidos no Rio de Janeiro está condicionado à apresentação de permissão de trânsito de vegetais com Certificação Fitossanitária de Origem (CFO), emitido pela Coordenadoria de Defesa Sanitária Vegetal.

 

Monitoramento e controle da praga

A pesquisadora explica que sabendo que a praga está restrita à região metropolitana do Rio de Janeiro, é necessário conhecer o nível de infestação para adotar medidas de contenção e evitar a proliferação da praga para as regiões produtoras de manga no Brasil.

Com esse objetivo, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) firmou um Termo de Execução Descentralizada (TED) com a Embrapa Agrobiologia (RJ) para realizar um levantamento detalhado da ocorrência da praga nos nove municípios, capacitar técnicos dos serviços de defesa vegetal federal, estadual e municipais para reconhecimento da praga em campo, produzir material gráfico para campanhas de educação fitossanitária, avaliar formas de controle, entre outras ações. Esse trabalho está sendo coordenado por Alessandra Carvalho e procura entender o nível de proliferação do besouro, capacitar técnicos, ampliar o conhecimento sobre a presença da praga em território nacional e subsidiar o MAPA com informações para definir a melhor forma de contenção ou erradicação da praga.

A cientista também lidera um projeto da Embrapa que tem como objetivo pesquisar os aspectos da bioecologia desse besouro, além de desenvolver e avaliar táticas de monitoramento e controle sustentáveis para as condições em que a praga ocorre atualmente no Brasil. Tanto o TED como o projeto são formados por pesquisadores e analistas da Embrapa Agrobiologia e da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (DF).

Segundo a pesquisadora, as duas ações se complementam, uma vez que o TED visa ações emergenciais de suporte ao Mapa, enquanto o projeto busca avanços que podem superar os conhecimentos existentes, trazer inovações e a aplicabilidade deles em condições brasileiras “Nesse momento, todo conhecimento adquirido no projeto ou nas ações de campo tem grande validade, pois nada se sabe sobre esse inseto nas condições brasileiras e nem sempre as soluções propostas em outros países podem ser usadas aqui ou são realmente efetivas na contenção do S. mangiferae”, detalha Carvalho. Segundo ela, há carência de informações sobre o controle da praga no mundo todo, mesmo ela já tendo sido detectada em muitos países

 

De acordo com Antônio José de Araújo Moreira, da Superintendência do Mapa no Rio de Janeiro, todo o esforço para contenção, controle e erradicação da praga tem o objetivo de impedir que ela inviabilize a produção de mangas no País e prejudique seu comércio interno e externo. “É uma fruta cultivada em quase todo o Brasil. Um negócio que movimenta mais de US$ 200 milhões por ano”, ressalta. Ele informa que assim que o gorgulho foi detectado no Rio de Janeiro, o Ministério da Agricultura determinou a realização de um levantamento fitossanitário emergencial para conhecer a extensão da área infestada.

De acordo com a pesquisadora da Embrapa, resultados preliminares do levantamento apontam que o nível de infestação é variável nos municípios em que a praga ocorre. “Após saber mais sobre a distribuição da praga na região onde ela está restrita atualmente, será possível determinar a ação mais adequada. Se ela estiver amplamente distribuída, é recomendada uma ação de contenção; se estiver restrita, podemos pensar em erradicação”, informa a pesquisadora.

Enterrar os caroços

Ainda não há registros de produtos químicos ou biológicos que combatam a praga no Brasil, por isso, o controle cultural deve ser adotado. Neste momento, a melhor forma de conter o avanço do Sternochetus é coletar os frutos caídos ou os caroços das frutas consumidas e enterrá-los.

Essa é uma medida preventiva que já é adotada na fruticultura comercial por causa da mosca-das-frutas, e deve ser adotada também nos quintais, uma vez que a praga não ocorre somente em áreas rurais, mas também nas urbanas”, frisa a especialista. Outro alerta feito pela pesquisadora diz respeito ao trânsito de frutos: “Muito cuidado ao levar frutos de mangueiras da região onde a praga ocorre para outros municípios. Existe uma Instrução Normativa (IN 34, de 05/09/2017) que declara como zona interditada os municípios onde a praga ocorre e proíbe o trânsito das mangas neles produzidas para áreas indenes”.

Conscientização e comercialização

O besouro causador da broca-da-manga não voa grandes distâncias, mas ocorre tanto em áreas rurais quanto urbanas, em grandes plantações ou quintais. Por isso, a conscientização da população é primordial no processo de controle, uma vez que a manga cultivada dentro do estado do Rio de Janeiro não pode ser transportada, sob o risco de proliferação da praga para outras regiões.

Em tese, nenhuma mangueira está condenada por conter a praga, mas frutos de árvores que tenham broca não devem ser comercializados. “As medidas de contenção devem ser tomadas com base na localização da propriedade, pois caso ela esteja dentro ou próxima às áreas de produção, os cuidados certamente serão maiores”, explica Carvalho. Por isso, é importante o trabalho da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural fluminense (Emater-Rio) junto aos agricultores e a atuação dos técnicos da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento do Rio de Janeiro (Seappa) na fiscalização nas fronteiras.

Mais de 40 técnicos da Emater-Rio e da Seappa já foram capacitados para reconhecimento da praga. Também foi realizado em 2019 um curso para emissão de CFO no Rio de Janeiro. No estado, esses profissionais estão aptos a orientar produtores e comerciantes sobre o problema, seus riscos e as soluções viáveis para cada caso. “Todos os envolvidos na rede de produção, comercialização e fiscalização devem ficar atentos, pois somente a junção de esforços e expertises poderá garantir os resultados positivos esperados”, ressalta a cientista.

Capacitação em outros estados

No TED estão previstas para 2020 capacitações em Pernambuco, Bahia, São Paulo e Minas Gerais, nos moldes do que já foi realizado para a Emater-Rio em 2019. “Os treinamentos para emissão de CFO também são necessários para que os técnicos possam emitir certificados para unidades produtoras de mangas, atestando a ausência da praga e a possibilidade de comercializar a fruta e um desses estava agendado para março em Pernambuco, mas foi adiado por causa das limitações de trânsito impostas pela pandemia do novo coronavírus”, destaca a pesquisadora da Embrapa.

O que é a broca-da-manga

Conhecido como broca-da-manga, gorgulho-da-semente-da-manga, gorgulho-da-manga, besouro-do-caroço ou besouro-da-manga, o Sternochetus mangiferae é uma praga exclusiva dessa fruta e o seu ciclo de vida engloba três fases: larva, pupa e adulto. As formas jovens se desenvolvem silenciosamente dentro do endocarpo (caroço), o que dificulta muito a sua descoberta.

Fora do fruto, o besouro adulto costuma realizar suas principais atividades, como locomoção, alimentação e acasalamento, durante a noite, o que também reduz as chances de ser encontrado pelo agricultor no campo. Na fase adulta, chega a medir 9,5 milímetros e é capaz de sobrevoar distâncias curtas, se alimentando exclusivamente de folhas, galhos e frutos da mangueira quando não está em repouso (diapausa), sem causar danos expressivos. Durante o dia, fica escondido nos troncos das mangueiras, na copa ou debaixo de folhas caídas no chão. Em períodos em que a planta não produz frutos, o inseto entra em diapausa e nesse período não se locomove e nem se alimenta.

Related posts

Começa colheita da pitaya em Tangará da Serra (MT).

Tereza Cristina quer novos mercados para exportar frutas do Brasil

Livro em formato digital sobre Cultivo do Maracujá é disponibilizado gratuitamente

Deixe um comentário