Image default
ARTIGOSCaféMáquinas e Implementos

[NECAF – UFLA] – Regulagens para Colhedoras de Café

  • João Pedro Miranda Silvestre,
  • Joana Caroline D’arc de Oliveira,
  • Maurício Antônio de Paula Santos,
  • Brener Lorenzon Bottega e
  • Artur José Lima Guedes.

(Graduandos em Agronomia pela UFLA – Universidade Federal de Lavras/MG)

  • Larissa Cocato da Silva e
  • Giovani Belutti Voltolini

(Mestrandos em Fitotecnia – pela UFLA – Universidade Federal de Lavras/MG)

https://www.facebook.com/necaf.ufla/

A colheita do café é responsável por cerca de 40% dos custos de produção, apresentando grande importância econômica no processo produtivo da cultura, desta forma é de grande importância que o produtor tenha mais informações sobre esta etapa, visando um cultivo com menor custo de produção, maior sustentabilidade e maior rentabilidade.

O tipo de colheita a ser feito pode variar de acordo com a declividade do local, nível tecnológico, cultivar plantada, entre outros fatores. A mecanização é um caminho sem volta no cenário atual da cafeicultura, desta forma o produtor deve conhecer qual o melhor tipo de colheita a ser feito para garantir um maior aproveitamento do potencial produtivo de sua lavoura.

A hora de iniciar a colheita está intimamente ligada à uniformidade e porcentagem de maturação e não menos importante a força de desprendimento dos frutos, que podem indicar o tipo e a hora da colheita a ser feita, podendo ser seletiva ou plena.

A colheita seletiva é feita com duas passadas da colhedora, sendo que a primeira passada é feita com aproximadamente 50% a 60% da carga pendente no estádio cereja, e a segunda passada em média 30 dias após a primeira, com o restante dos frutos no estádio cereja, desta forma conseguindo uma eficiência de colheita superior a 95%.

Figura 1. Colheita Mecanizada por meio de colhedora de arrasto. Créditos: Aislan Henrique da Silva

A colheita plena é aquela que é feita com apenas uma passada da colhedora com intuito de colher a carga pendente em sua totalidade, com eficiência em torno de 85%. Para uma boa regulagem da colhedora existem 3 variáveis que devem ser observadas pelo produtor, Velocidade, Vibração e a regulagem dos Freios dos osciladores:

1ª REGULAGEM – VELOCIDADE

A velocidade está relacionada ao desempenho da colhedora e ao tempo de ação das varetas na planta, pois, quanto maior a velocidade menor a ação da colhedora na planta. Quanto menor a velocidade maior o tempo de ação da colhedora na planta, desta forma quanto menor a velocidade maior a quantidade de café colhido, variando de 800 a 1600 metros/hora.

2ª REGULAGEM – VIBRAÇÃO

A vibração é o movimento que os osciladores empregam nas varetas da colhedora, de forma a vibrar os ramos da planta. Com o aumento da vibração, pode-se retirar maiores volumes de café na colheita, mas devemos levar em consideração a integridade da planta, pois quanto maior a vibração maior o estrago na planta, variando de 750 a 950 ciclos/minuto.

Conhecendo os efeitos da velocidade e da vibração sobre a planta do café e definindo o tipo de colheita, o produtor pode regular a colhedora por meio do índice I de colheita:

I = VIBRAÇÃO/ VELOCIDADE

Este índice varia entre 0,5 e 1,0, onde os valores encontrados entre 0,50 e 0,75 sendo utilizados para colheita seletiva e 0,76 e 1,0 para colheita plena, estando desregulada a colhedora que apresentar índice abaixo de 0,50 e acima de 1,0.

3ª REGULAGEM – FREIOS DOS OSCILADORES

Após regulado o índice de colheita, o produtor ainda deve regular os freios dos osciladores da colhedora, que vão fazer o ajuste fino da colheita, ajustando a agressão da colhedora na planta, os quais vão variar entre 8 e 10 kg. Desta forma, com uma regulagem correta pode-se fazer uma colheita seletiva com um máximo de 4% de frutos verdes (fazendo mecanicamente o que os colombianos fazem a dedo), o que aumenta consideravelmente a quantidade de frutos cerejas e consequentemente uma maior possibilidade de produzir cafés com maior qualidade final,ou então, fazer uma colheita plena com boa eficiência de colheita.

Portanto, a mecanização da cafeicultura se mostra como um caminho sem volta (principalmente para regiões com pouca declividade). Cabe ao cafeicultor conhecer bem suas máquinas para poder extrair o máximo que elas têm a oferecer, otimizando assim os processos produtivos, reduzindo custos e trazendo maior lucratividade.

Related posts

Café solúvel cria marca setorial para o mercado nacional e internacional

Mario

Unifran prepara curso de pós-graduação em cafeicultura para 2021

Mario

[ATLANTICA COFFEE] – Relatório Semanal 26 Jan 2024

carlos

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais