EMPRESASNOTÍCIAS

Mercado de adjuvantes quadruplica em nove safras

Levantamento mostra que adjuvantes adicionados à calda dos defensivos agrícolas ganham tração na agricultura; mercado cresce 19% ao ano no país.

Os chamados adjuvantes agrícolas movimentaram R$ 2,9 bilhões no país em 2023. O segmento de produtos complementares à formulação da calda dos defensivos agrícolas, tendo em vista a melhora da mistura e da aplicação -, quadruplicou em nove safras.

Em 2015, os adjuvantes totalizaram R$ 734 milhões em vendas. A informação provém do levantamento FarmTrak, estudo da Kynetec Brasil que captura o manejo do produtor e abrange mais de 20 culturas.

Segundo a Kynetec, a soja liderou a demanda por adjuvantes, com R$ 1,6 bilhão em negócios ou 56% do total. O milho ocupa a segunda posição, 18% ou R$ 522 milhões. Trigo e algodão, em terceiro, corresponderam cada um a 5% das transações, R$140 milhões e R$136 milhões, respectivamente, seguidos da cana-de-açúcar, 4% ou R$ 113 milhões, e dos demais cultivos analisados.

Por região, o Centro-Oeste puxou a receita da indústria, com 41% das compras ou R$ 1,2 bilhão em 2023, ao passo que o Mato Grosso segue à frente na série histórica, perfazendo 56%: R$ 666 milhões. Os estados do Sul, vice-líder, adquiriram R$ 835 milhões, 28% da cifra nacional.

De acordo com a especialista da Kynetec, Raquel Ribeiro, o emprego de adjuvantes nas lavouras brasileiras cresce de maneira expressiva. Nas áreas de soja, ela salienta, a adoção dos produtos subiu de 87% (2015) para 98%. No milho safrinha, a mesma relação passou de 59% para 95% e, no verão, de 43% para 80%, enquanto na cana-de-açúcar foi de 39% para 71%.

Outras culturas também ajudam a impulsionar os adjuvantes, a exemplo do eucalipto, cuja adoção saltou de 10% para 28%, além da uva, na qual o indicador era de 33% e agora chegou a 83%, segundo Raquel Ribeiro.

Conforme a executiva, a adição de adjuvantes à calda dos defensivos agrícolas, na prática, permite a melhora da qualidade da solução e consequentemente do tratamento da lavoura. “Adjuvantes potencializam o espalhamento e a aderência do defensivo, além de favorecer sua absorção pela planta”, explica Raquel. Outros efeitos benéficos dos adjuvantes, ela frisa, são a diminuição da ‘deriva’ e o fomento ao bom desempenho de moléculas importantes, como 2,4-D e glifosato. 

FONTE: Kynetec

Related posts

Variedades de cana de açúcar são responsáveis diretas pelo aumento de produtividade

Mario

Livro sobre nematoides e pragas na cana de açúcar tem apoio da Stoller

Mario

BNDES apoia expansão de cooperativas agrícolas do Paraná

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais