Café

Melhores cultivares de café para as Matas de Minas

Embrapa Café e a Epamig estão desenvolvendo pesquisas com 16 tipos de cultivares de café

Escolher a cultivar certa pode garantir o sucesso ou decretar o fracasso dos cafeicultores. Atentos a isso, a EMBRAPA Café e a Empresa Mineira de Pesquisa Agrícola (EPAMIG) estão desenvolvendo pesquisas com 16 tipos de cultivares de café arábica para identificar quais melhores se adaptam a cada região produtora de Minas Gerais.

Os primeiros resultados do trabalho estão sendo apresentados a produtores rurais e técnicos em todo o estado. A região das Matas de Minas tem oito unidades demonstrativas, uma delas fica em Viçosa (MG) e recebeu nesta terça-feira (28/5) cerca de 60 pessoas, entre produtores rurais, técnicos, professores e estudantes, em um Dia de Campo realizado com apoio do Sistema Faemg Senar.

Os pesquisadores da Epamig Gladyston Carvalho e Vinícius Andrade destacaram a importância do melhoramento genético para o avanço da cafeicultura e apresentaram dados que mostram o impacto financeiro, para o produtor, do uso das tecnologias disponíveis nas sementes.

Aumento da produtividade e redução de custos com defensivos agrícolas e outros manejos usados no controle da ferrugem e de nematoides foram destaques. “Com a saca de café custando R$ 900, o produtor pode economizar R$ 7.900 por hectare com a escolha certa da semente. Esse resultado está na genética da planta”, afirmou Vinícius.

Na área visitada em Viçosa, o melhor desempenho em produtividade foi a IPR 103, com uma produção estimada de 132 sacas por hectare. “Essa primeira estimativa é resultado da análise de duas plantas e já mostra o potencial e o primeiro desenvolvimento da cultivar na área”, disse Gladyston. Ele salientou ainda que “o produtor precisa acreditar e apostar na pesquisa e na extensão para evoluir. O futuro nas Matas de Minas é muito promissor”.

O proprietário da fazenda que recebe o experimento, Ernesto Santana, declarou a satisfação em ver o desenvolvimento da pesquisa e, principalmente e “receber pessoas interessadas em evoluir a cafeicultura”.

NOVAS PERSPECTIVAS

O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Viçosa, Carlos Eduardo Andrade, acompanhou o evento com alegria e especial atenção. Com sua experiência como cafeicultor e extensionista, afirmou que esse estudo de cultivares dá novas perspectivas para o aumento da produtividade e da renda dos produtores das Matas de Minas. “A pesquisa de mãos dadas com a extensão é o que o produtor precisa para crescer na atividade”.

O gerente do Sistema Faemg Senar em Viçosa, Marcos Reis, complementou dizendo que a presença da instituição nesses eventos é fundamental para alinhar o conhecimento  dos técnicos de campo e instrutores dos cursos com as pesquisas, tecnologia e inovação que os produtores podem acessar.

Marcos Aurélio da Silva, cafeicultor na cidade de Teixeiras (MG), destacou que a importância da busca pelo conhecimento foi a principal lição aprendida no Dia de Campo. “Os pesquisadores compartilharam muitas informações interessantes, e essa troca com outros produtores e professores abre o leque de possibilidades e amplia a visão sobre o nosso desenvolvimento na cafeicultura”, salientou o produtor, que é atendido pelo programa ATeG Café+Forte e esteve no evento acompanhado pelo técnico de campo Gustavo Nogueira.

Gustavo, que acompanha produtores de Araponga (MG), São Miguel do Anta (MG), Canaã (MG) e Teixeiras (MG), acredita que os profissionais e produtores presentes no evento serão multiplicadores do debate e dos resultados apresentados, que beneficiam a todos. “O café é uma cultura perene. Temos lavouras de 30 anos e o produtor precisa conhecer a melhor variedade para a sua localidade, como essa pesquisa nos mostra”.

O técnico ainda reforçou um importante apontamento dos pesquisadores que reforçou a importância de otimizar a colheita e pós-colheita tendo nas propriedades lavouras de cultivares de maturação precoces, intermediárias e tardias em proporções de 40, 45 e 15%, respectivamente.

Estão sendo avaliadas cultivares desenvolvidas por diferentes instituições participantes do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa. São elas: Catiguá MG2; MGS Paraíso 2; MGS Catucaí Pioneira; MGS Ametista; MGS Aranãs; H-29-1-8-5; MGS Turmalina; Obatã Amarelo IAC 4739; IAC 125RN; IPR 100; IPR 103; Acauã Novo; Arara; Catucaí 2SL; e Guará.

Os resultados da pesquisa serão conhecidos em quatro anos. “O próximo passo é construir junto à extensão rural uma orientação e um sistema de manejo para as novas cultivares”, concluiu Gladyston.

Related posts

[Marcelo Fraga Moreira] – Mercado do Café – “Acenderam o Pavio?”

Mario

[Cristiane Lourenço] – Do campo à xícara: comércio de café no Brasil tem como aliado o uso de inovação digital e economia compartilhada

Mario

[Davi Moscardini] – Considerações sobre o fósforo na implantação do cafezal

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais