fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
ARTIGOS Café

[Marco Libonati] – Crescimento e desenvolvimento da cafeicultura no mercado asiático

MARCO LIBONATI SALES

Gerente de Vendas da Dalla Corte Ásia-Pacífico-Oriente Médio-África

(https://www.dallacorte.com/it/)

 

Nos últimos anos, a região Ásia-Pacífico tem se caracterizado pelo contínuo crescimento regional e internacional das importações e exportações comerciais.

Essa mudança foi provocada pelo pico econômico da economia chinesa e pela contínua consolidação de outras economias no sudeste asiático.

Até recentemente, havia conversas sobre o milagre dos tigres asiáticos, hoje toda a área está crescendo, e não é por acaso que o centro de gravidade do comércio mundial está se movendo em direção a essa parte do mundo.

Quanto ao caso específico do comércio de café, a Ásia representa o terceiro maior mercado, depois da Europa Ocidental e da América do Norte.

Chá vs Café

Populações historicamente e culturalmente próximas da tradição do chá estão se aproximando do mundo do café, revelando todos os seus segredos.

Estes variam de investimentos crescentes em plantações e diferentes métodos de extração, para o aumento do consumo de café moído, para um foco cada vez maior nas máquinas necessárias para transformar a matéria-prima em muitas bebidas que todos conhecemos.

Juntamente com os tradicionais produtores de café, como Vietnã e Indonésia, outros, como China e Birmânia, estão se tornando protagonistas, embora não satisfaçam totalmente a demanda e recorram à importação de café verde do Brasil, Colômbia e Etiópia. Eles estão continuamente alocando recursos para a produção de café.

“Café especial” são aqueles feijões verdes produzidos em microclimas particulares, onde se presta atenção a cada aspecto do crescimento do feijão. Essa atenção leva à criação de um café completamente original e puro. O resultado final do café com uma pontuação mínima de 80 em 100.

Dalla Corte

Cafés especializados estão em toda parte

Atualmente, é muito fácil encontrar lanchonetes especializadas, não apenas na Austrália, mas também caminhando pelas ruas nas principais cidades chinesas, japonesas e coreanas.

É curioso ver que a China, historicamente ligada a um consumo massivo de chá, se tornou um dos maiores consumidores de café. Origem e motor desta tendência é a classe média chinesa, que tem sido cuidadosa em absorver as principais tendências internacionais.

Mais significativamente, o que exacerbou essa tendência é a geração chinesa mais jovem que está cada vez mais curiosa e ansiosa por viver uma verdadeira experiência de café: desde a escolha da bebida até o local onde é comprada e servida.

Um mercado rico e variado

Desse ponto de vista, a oferta chinesa é muito rica e vai de grandes cadeias a cafés especiais, a cafeterias locais. De fato, estes últimos têm um ciclo de vida muito curto, que consiste de aberturas de raios e fechamentos igualmente rápidos.

Embora cadeias como a Starbucks tenham acabado de abrir sua Starbucks Reserve em Xintiandi, no coração de Xangai, Costa e sua contraparte chinesa, o café Luckin é confirmado como um dos principais players com fluxo de clientes muito alto.

A abertura de cafeterias de alta qualidade está crescendo, e é uma novidade irresistível para os jovens clientes chineses.

O início do crescimento dessas cafeterias de alta qualidade está em cidades como Xangai, Pequim, Cantão, Hangzhou, Nanjing e Shenzhen, onde é comum degustar café de alta qualidade.

Uma metamorfose lenta mas implacável

Escusado será dizer que esta lenta e implacável metamorfose cultural e social criou efeitos extremamente positivos para o sector das máquinas de café expresso, onde a qualidade e o design tornaram-se elementos essenciais para os cafés de alta gama.

À luz destas considerações, é claro que nós, como produtores de máquinas de café semiautomáticas de alta qualidade, devemos aproveitar a onda tentando usar tecnologias de ponta e consolidando a presença no território com uma ampla rede de distribuidores locais.

Para tanto, não surpreende que, no último período, Dalla Corte tenha inaugurado novas parcerias na Indonésia e no Vietnã.

Dalla Corte

A situação na península coreana

Uma nota final deve ser feita sobre a situação na península coreana. A Coréia do Sul tem sido historicamente um país capaz de ditar modas em termos de consumo de café, graças à presença de várias cadeias e cafeterias (não é coincidência que países vizinhos, como Taiwan e China, sempre tentaram imitar suas tendências) .

Diametralmente oposta é a situação que caracteriza a Coréia do Norte, onde há forte fechamento, no que diz respeito às “novas tradições”. Dito isto, a situação está mudando.

O interesse e a curiosidade da classe média norte-coreana estão se voltando para a vizinha Coreia do Sul, que se tornou uma fonte irresistível de inspiração.

A pergunta com a qual desejo concluir minha reflexão é, portanto, a seguinte: Pergunto-me, se uma tão esperada reunificação poderá garantir, a curto prazo, a presença, mesmo em Pyongyang, de algum café de qualidade nos moldes daqueles do sul?

Eu sinceramente espero que sim. Para que o maior número possível de pessoas possa saborear e experimentar o verdadeiro café que todos conhecemos e amamos.

Acima de tudo, porque o mercado sul-coreano, nas proximidades, sempre teve uma importância estratégica fundamental para Dalla Corte e uma ampliação da área de influência, incluindo a Coreia do Norte, só melhoraria a nossa presença no território.

Related posts

“Sucessão Familiar”, com Renato Bernhoeft, encerrará o SIMCAFÉ

Revista Attalea Agronegócios

Lambari (MG) realiza FORCAFÉ – Feira dos Fornecedores da Cadeia Produtiva do Café

Revista Attalea Agronegócios

Exportação de café solúvel cresce 35% em maio, diz ABICS

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário