ARTIGOSCafé

[Marco Antônio Jacob] – Carta aos Membros do CDPC – Conselho Deliberativo da Política do Café

MARCO ANTÔNIO JACOB
Corretor e produtor de café em Espírito Santo do Pinhal (SP).
Especialista pelo Centro de Formazione e Assistenza allo Sviluppo – Viterbo – Itália
marcoantoniojacob@gmail.com

 

Aos
Membros do
CONSELHO DELIBERATIVO DA POLÍTICA DO CAFÉ – CDPC
 
Exmo. Sr. BLAIRO BORGES MAGGI, Ministro de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento-MAPA
Sr. EUMAR ROBERTO NOVACKI, Secretário-Executivo do Ministério da Agricultura ,Pecuária e Abastecimento -MAPA
Sr. NERI GELLER, Secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura ,Pecuária e Abastecimento -MAPA
Sr. IVANDRÉ MONTIEL DA SILVA – representante do Ministério da Fazenda-MF
Sr. ALEXANDRE GUIDO LOPES PAROLA– representante do Ministério das Relações Exteriores-MRE
Sra. RITA DE CÁSSIA M.T. VIEIRA, representante do Ministério do Desenvolvimento , Indústria e Comércio-MDIC
Sr. ELDER LINTON ALVES DE ARAÚJO, representante do Ministério do Planejamento , Orçamento e Gestão -MPOG
Sr. CARLOS ALBERTO PAULINO DA COSTA, representante do Conselho Nacional do Café- CNC
Sr. SILAS BRASILEIRO, representante do Conselho Nacional do Café – CNC
Sr. BRENO DE MESQUITA, representante do Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil  – CNA
Sr. JOSÉ SILVANO BIZI, representante do Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil  – CNA
Sr. NELSON F. CARVALHAES, representante do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil  – CECAFÉ
Sr. RICARDO DE SOUSA SILVEIRA, representante da Associação Brasileira da Industria de Café  – ABIC
Sr. PEDRO GUIMARÃES FERNANDES, representante da Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel – ABICS

Ref.: I Fórum Mundial de Produtores de Café – Colômbia

           Política de Estoques Estratégico

           Política de Preços Mínimos 

Senhora e Senhores Conselheiros,

Conselho Nacional do Café – CNC, em seu último Balanço Semanal de 10 a 13 de abril de 2017 , divulgou a realização do I Fórum Mundial de Produtores de Café, em Medellín, na Colômbia, na data de 10 a 12 de julho deste ano , e  , também divulgou que no último dia 7 de abril , o CNC recebeu a delegação que representa os cafeicultores da Colômbia , Federación Nacional de Cafeteros – FNC,  para uma reunião técnica e de ajuste de posicionamento entre as duas maiores nações produtoras de café arábica do mundo.

CNC também divulgou que o Sr. Roberto Vélez, Gerente Geral da Federación Nacional de Cafeteros – FNC, destacou que a parceria entre Brasil e Colômbia é fundamental para a produção cafeeira internacional e frisou que, graças aos esforços realizados pelos produtores brasileiros para aumentar a produtividade, atualmente o mundo possui produto suficiente para suprir o abastecimento.

Nesta reunião, os colombianos e os brasileiros detectaram algumas ameaças futuras para o setor cafeeiro mundial, como as mudanças climáticas, a volatilidade de preços, a concentração da indústria e a sucessão familiar.

Um dos temas a ser discutido no I Fórum Mundial de Produtores de Café, é a sustentabilidade econômica dos cafeicultores no mundo, pois de acordo com o Sr. Juan Esteban Ordu, diretor executivo da Federación Nacional de Cafeteros – FNC; as cotações do contrato Coffee “C” Futures, negociado na ICE – Intercontinental Exchange, em Nova York, deveriam estar em torno de US$ 3,50 (três dólares e cinquenta centavos ) por libra peso se fossem corrigidas pela inflação acumulada dos Estados Unidos desde os anos 80.

Porém, embora em muitos países o câmbio desvalorizado contribua para uma melhor remuneração dos cafeicultores na moeda local, os preços diminuíram nas últimas décadas, situando-se, em 2016, no mesmo valor nominal da década de 80 (entre US$ 1,20 e US$ 1,40 por libra-peso).

Também foi citado que dos US$ 173 bilhões de valor agregado na cadeia café até o consumidor final, em média os países produtores recebem apenas US$ 11,3 bilhões.

Conselho Nacional do Café – CNC informou que coordenará, junto às cooperativas e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA , a composição e a participação da delegação do Brasil no Fórum. Os contatos com o Governo Federal já foram iniciados nesse sentido e há a possibilidade que o Presidente Michel Temer compareça ao evento, demonstrando sua preocupação com o setor que mais gera emprego no País, que é a cafeicultura.

A intenção da organização do I Fórum Mundial de Produtores de Café, é possibilitar que sejam encontradas as respostas para duas perguntas:

1)   “hoje, a cafeicultura mundial é sustentável sob o ponto de vista do produtor?”

2)   “o que podemos fazer coletivamente para corrigir os problemas que se apresentam?”

Diante destes dois questionamentos, como cidadão brasileiro e no intuito colaborativo, venho apresentar algumas sugestões afim de contribuir para que o Brasil, líder mundial dos produtores de café, responda com soluções que contribuam para sanar estas duas perguntas do setor cafeeiro mundial.

Inicialmente é necessário informar que as reservas internacionais brasileiras, na data de 13 de Abril de 2017 atingem o expressivo valor de US$ 375,99 bilhões, lembrando que atualmente estão inclusos nestas reservas internacionais um estoque de ouro no montante de US$2,7 bilhões.

Conforme mencionado, as mudanças climáticas é um dos fatores que causam grandes preocupações e ameaças na produção mundial de café, e, frente a qualquer inesperado intempérie climático, é essencial um estoque estratégico de café para dar tranquilidade de suprimento ao mercado mundial, evitando as volatilidades expressiva dos preços.

Como o Brasil é o maior produtor mundial de café, sendo a maioria de sua produção pelo método de secagem natural, tendo uma bianualidade expressiva, e também é o 2° (segundo) maior consumidor do mundo, caberá ao Brasil ser o responsável por este estoque estratégico com os propósitos abaixo:

  1. i) quando ocorrer qualquer problema climático que impacte na produção mundial de café, haver produto suficiente para abastecer os mercados interno e externo.
  2. ii) nas safras de ciclo abundantes do Brasil, retirar do mercado uma parcela de café, visando a manutenção do equilíbrio entre a oferta e demanda de café

Porém , como o orçamento federal brasileiro não comporta a formação destes estoques de café, sugiro que seja criado o FUNDO SOBERANO DE CAFÉ DO BRASIL – FSCB , vinculado as Reservas Internacionais e administrado pelo Banco Central do Brasil,  e , que sejam usados ínfima parte das reservas internacionais, um por cento (1%) no máximo, aproximadamenteUS$3,75 bilhões , e , estes recursos sejam alocados neste  FUNDO SOBERANO DE CAFÉ DO BRASIL – FSCB , para serem  usadas na compra de café brasileiro para a formação deste  estoque estratégico de ambas as variedades, conilon e arábico, em armazém alfandegado dentro do território brasileiro , como se de fato exportado fosse o café.

Esta modalidade de compra e estoques não impactará em nossas reservas internacionais, pois ao mesmo tempo que se faz o uso de reservas para a efetiva compra de café, em contrapartida foi gerado uma exportação de café, gerando o mesmo valor para a balança comercial.

Caso haja e necessidade de se fazer alguma política usando OPÇÕES DE VENDA, donde os cafeicultores brasileiros vão comprar esta OPÇÃO, pagando-se um prêmio, estes prêmios serão creditados ao FSBC-Banco Central do Brasil. 

As compras destinadas a formação deste estoque estratégico se iniciariam em Maio de 2018, e, se estenderá até Maio de 2022, assim poderemos fazer o estoque regulador com os possíveis  excedentes de produção da colheita brasileira de café , desde que hajam vendedores ao FSCB ; pois no mesmo período haverá uma demanda permanente e mensal próxima de 4,5 milhões de sacas para abastecer o mercado interno e as exportações ,  e, esta medida ajudará a mitigar a volatilidade nas cotações, impedindo que os produtores brasileiros vendam seu café a preço vil, atendendo assim o disposto no Decreto n° 4.623, de 21 de Março de 2003 , que reproduzo abaixo.

Art. 2º   Ao Conselho Deliberativo da Política do Café – CDPC compete:

 IV – regulamentar ações que visam a manutenção do equilíbrio entre a oferta e a demanda do café para exportação e consumo interno;

VI – aprovar políticas de estocagem e de administração dos armazéns de café;

 Os preços de compra pelo FSCB, obedecerá os Preços Mínimos estabelecidos pela legislação brasileira, e servirão como suporte de preços aos cafés brasileiros, não permitindo que o fruto do esforço dos cafeicultores seja vilipendiada, pressionando as cotações internacionais.

Nossa Carta Magna, a Constituição Federal, em seu capitulo III, que trata da Política Agrícola, ordena:

Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolvendo produtores e trabalhadores rurais, bem como dos setores de comercialização, de armazenamento e de transportes, levando em conta, especialmente:

II – os preços compatíveis com os custos de produção e a garantia de comercialização;

O Estatuto da Terra, Lei n° 4.504, de 30 de Novembro de 1964, que é a legislação que regula a promoção da Política Agrícola, em seu Capitulo III, Da Assistência e Proteção à Economia Rural, diz:

Art. 73. Dentro das diretrizes fixadas para a política de desenvolvimento rural, com o fim de prestar assistência social, técnica e fomentista e de estimular a produção agropecuária, de forma a que ela atenda não só ao consumo nacional, mas também à possibilidade de obtenção de excedentes exportáveis, serão mobilizados, entre outros, os seguintes meios:

 VII   – assistência à comercialização;

XII   – garantia de preços mínimos à produção agrícola

 Neste mesmo diploma legal, também no Capitulo III, Da Assistência à Comercialização, determina:

Art. 85. A fixação dos preços mínimos, de acordo com a essencialidade dos produtos agropecuários, visando aos mercados interno e externo, deverá ser feita, no mínimo, sessenta dias antes da época do plantio em cada região e reajustados, na época da venda, de acordo com os índices de correção fixados pelo Conselho Nacional de Economia.

  • 1° Para fixação do preço mínimo se tomará por base o custo efetivo da produção, acrescido das despesas de transporte para o mercado mais próximo e da margem de lucro do produtor, que não poderá ser inferior a trinta por cento.
  • 2º As despesas do armazenamento, expurgo, conservação e embalagem dos produtos agrícolas correrão por conta do órgão executor da política de garantia de preços mínimos, não sendo dedutíveis do total a ser pago ao produtor.

Também encontra-se dentro de nosso ordenamento jurídico outras legislações que embasam o estoque estratégico e política de preços mínimos, cito o Decreto Lei 79, de 19 de Dezembro de 1966 e a Lei Nº 8.171, de 17 de Janeiro de 1991.

Assim sendo, com a implementação das medidas propostas, estaremos em consonância com ao ordenamento jurídico que rege a Nação Brasileira, pois estaremos praticando na integra a Política de Preços Mínimos estabelecidas pelos nossos legisladores em defesa da cafeicultura nacional.

Desta forma, nos 4 anos da implementação do estoque estratégico pelo FSBC, período de Maio de 2018 até Maio de 2022, outros benefícios para Nação Brasileira ocorrerão, cito os abaixo:

  •  Ingressos de no mínimo US$8 bilhões na balança comercial brasileira, devido ao maior valor alcançado nas exportações de café do Brasil.
  •  Aumento da renda dos cafeicultores brasileiros em no mínimo US$12 bilhões, que irão irrigar a atividade econômica nas cidades brasileiras produtoras de café, contribuindo com a melhora da economia brasileira.
  • Geração aproximada de US$5 bilhões de impostos para a União Federal, Estados e Municípios, devido a melhora da atividade econômica nas diversas regiões cafeeiras do Brasil.
  •  O Fundo Soberano de Café do Brasil, poderá ser o princípio de um modelo de uso de parte das reservas internacionais para solucionar alguns problemas de outros setores agrícolas, tais como Soja, Milho, Citros, Cacau, Cana de Açúcar e etc.

Aplicando estas sugestões de estoque estratégico, o Brasil estará colaborando com o desenvolvimento social dos outros Países Produtores de Café, propiciando que adquiram uma maior renda, mitigando o desequilíbrio social e econômico entre Nações.

Aproveito para registrar a importante observação do Sr. Roberto Velez   – ” que graças aos esforços que os produtores brasileiros realizaram para aumentar a produtividade, o mundo possui produto suficiente para suprir o abastecimento” , assim , temos que alertar ao mundo cafeeiro que os cafeicultores brasileiros não podem ser penalizados ao garantir o abastecimento mundial , sendo que o JUSTO  é os cafeicultores brasileiros receberem um prêmio nos preços de seu café em função da garantia de abastecimento mundial.

Sem mais para o presente momento, agradeço a vossa atenção e estou à disposição para maiores esclarecimentos.

Atenciosamente,

Marco Antonio Jacob

Espírito Santo do Pinhal , 18 de Abril de 2017.

Related posts

EXPOCAFÉ 2022: Encontro Técnico da Cafeicultura abre a programação da feira

Mario

[Rodrigo Corrêa da Costa] – Mercado do Café – 10 a 15/09/2018

Mario

[Natália Grigol] – Por que mudar a metodologia de cálculo do preço do leite ao produtor?

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais