CaféCafé e Mercado

[Marcelo Fraga Moreira] – Mercado do Café – “Um Olho no Céu e o Outro nos Custos das Lavouras”

MARCELO FRAGA MOREIRA
[Comentário Semanal – 04 a 08/12/2023]
É um profissional há mais de 30 anos atuando no mercado de commodities agrícolas,

escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting –
Assessoria em Mercados de Futuros, Opções e Derivativos Ltda.
www.archerconsulting.com.br

Mais uma semana com o mercado trabalhando bem volátil, tentando negociar “novas máximas e novas mínimas” (Set-24 fechamento sexta-feira semana anterior / mínima / máxima / mínima / máxima / mínima / máxima e fechamento respectivamente @ +182,90 / +175,50 / 184,15 / +175,10 / +182,70 / +175,60 / +179,10 / +177,25 centavos de dólar por libra-peso). A variação diária ao redor dos +/- 500 pontos está sendo ótima apenas para os “especuladores de plantão” deixando os produtores inseguros e reduzindo a liquidez nas negociações do “mercado físico real”.

Alguns lotes para o café arábica tipo 6 foram novamente negociados acima dos +1.020 R$/saca; cereja descascado entre +1.050 / +1.100 R$/saca e café “varrição” entre +740 / +870 R$/saca; o café robusta conseguiu se segurar e firmar entre +680 / + 720 R$/saca.

Notícias frescas vindas do Vietnam contribuem e confirmam o cenário complicado e o aperto na oferta para o café tipo robusta na safra atual 23/24 do Vietnam. Segundo a analista Judie Ganes a situação por lá está bem difícil com um dos principais produtores locais tendo problemas graves nas suas lavouras e uma produção agora prevista entre +27 / +28 milhões de sacas. Na China rumores que a empresa Luckin vem “abrindo novos pontos de venda para impressionar os investidores porém não estão divulgando o número das lojas/franquias que estão sendo fechadas”. Segundo alguns observadores essa operação da Luckin esta sendo muito similar ao “esquema de pirâmide financeira” e em breve deveremos ter “notícias não tão boas assim”…

Na semana também tivemos a quebra da empresa Mercon. Não sabemos detalhes sobre a quebra da empresa mas novamente está relacionado aos “problemas com pandemia, logísticos, custos financeiros, chamada de margem e restrições de crédito junto aos bancos”. Infelizmente apenas alguns poucos saberão a verdade e as razões que levaram a quebra dessa empresa que já foi referência no setor. Uma pena pois, novamente, quem sai mais afetado é o elo mais fraco (produtor, funcionários diretos e empresas prestadoras de serviço). Especulações à parte, será que tinham alguma operação alavancada, com os famosos “acumuladores” nos livros? Dificilmente uma empresa de trading, operando no “papai x mamãe” quebra. Sabemos hoje que “recuperação judicial” virou um “modus operandi” onde os “donos saem ricos e os credores muito machucados”. Felizmente muitas empresas sérias irão ocupar esse espaço / oportunidade rapidamente.  

Voltando ao mercado interno brasileiro, reportado no mercado interesse comprador “firme” para lotes acima das +1.000 sacas (com alguns lotes de até +5.000 sacas) sendo negociados em um único negócio (onde o comprador pede para não ser identificado, entrando no mercado, “fazendo uma limpeza” nas ofertas e saindo sem ser notado)! Ou seja, a demanda continua firme e as ofertas também!

A onda de calor continuou preocupando os produtores. Muitos produtores continuam “tocando o terror” nos grupos de whatsapp reportando uma visão “catastrófica” para o desenvolvimento da safra 24/25 com a queda excessiva de chumbinhos e lavouras “secas”. Nas regiões do norte do Espirito Santo e sul da Bahia aparentemente os problemas climáticos estão sim afetando a produtividade da próxima safra 24/25 do café tipo robusta. Porém em outras regiões outros produtores rebatem esse quadro “catastrófico” dizendo que essa queda dos chumbinhos para essa época do ano é normal e “faz parte do jogo”!

Desde a última quinta-feira boas chuvas voltaram a cair em muitas regiões e esse “alívio” deverá trazer nova pressão vendedora já na próxima semana. Se as chuvas voltarem com abundância nos próximos 15 dias muitas lavouras ainda poderão se recuperar e apresentar resultados positivos na próxima colheita. O grande risco agora já começa a ser a ocorrência de uma nova geada entre maio-agosto-24 podendo, aí sim, afetar a safra 25/26.

Vale a pena assistir o comentário do Gustavo Rennó referente “Os chumbinhos estão caindo” no youtube:

O Itaú-BBA realizou um seminário onde apresentou sua estimativa para a próxima safra 24/25 similar a projeção do USDA* para a safra atual 23/24 (ao redor dos +66,40 milhões de sacas). Aparentemente, após o posicionamento da CNC* na semana passada questionando a estimativa da Hedgepoint (próxima safra brasileira 24/25 recorde em +74,24 milhões de sacas) as próximas estimativas publicadas serão bem mais “conservadoras” e poucos irão querer se expor. Novamente, qual será o “note de corte” aceitável pela CNC*? Já sabemos que +74,24 milhões de sacas é um “número absurdo”. Uma projeção entre +69/+71 milhões de sacas (segundo a Safras e Mercado) deve ser aceitável pois a CNC* não contestou! E essa agora do Itaú-BBA em +66,40 milhões de sacas?

O IBGE* ajustou a projeção para a safra 23/24 em +56,30 milhões de sacas (+38,90 milhões de sacas para o café tipo arábica e +17,40 milhões de sacas para o café tipo robusta) x +54,36 milhões de sacas segundo a CONAB* (+38,16 milhões de sacas para o café tipo arábica e +16,20 milhões de sacas para o café tipo robusta).

As estimativas dos custos de produção continuam variando muito. Durante minha participação em um seminário nessa semana no sul de Minas, e visitando alguns produtores na região de Franca-SP, a estimativa é que o custo de produção atualmente oscila entre +15.000 R$/hectare até +40.000 R$/hectare para uma produção estimada entre +25 até +45 sacas por hectare para o café tipo arabica e entre +60 até +120 sacas por hectare para o café tipo robusta. Para alguns produtores “grandes”, com produção acima dos +10.000 sacas do café tipo arábica, o custo está estimado ao redor dos +22.000 R$/hectare para uma produção ao redor dos +30/+35 sacas/hectare. Então, tomando por base essa premissa do produtor “mais eficiente”, temos hoje um “custo de produção Brasil” para o café arábica ao redor dos +735 R$/saca! Os números / resultados são muito sensíveis e claro, 100% atrelados ao rendimento/hectare. Se no exemplo acima, o mesmo produtor conseguir colher +40 sacas por hectare então o seu custo irá reduzir para +550 R$/hectare. Porém, se o seu rendimento cair para +23 sacas por hectare, então seu custo irá explodir para +956 R$/saca!

Para o café tipo robusta, estimando o custo médio ao redor dos +30.000 R$/hectare porém com uma produtividade entre +80 / +120 sacas por hectare, então hoje o custo para o produtor do café tipo robusta estaria entre +375 / +250 R$/saca. Para o produtor trabalhar no “break-even” (nesse custo estimado em +30.000 R$/hectare) então o produtor estaria colhendo apenas +45 sacas por hectare – o que é muito pouco provável para o produtor do café tipo robusta! Aparentemente o produtor do café tipo robusta não tem muito do que reclamar pois ainda está conseguindo comercializar com um resultado “bem interessante” (salvo os que realmente estão tendo problemas reais com a seca). Infelizmente poucos produtores do café tipo robusta mitigaram seus riscos realizando a compra dos seguros clássicos contra problemas climáticos oferecidos pelos principais bancos e corretoras de seguros agrícolas!

Considerando que +70% / +80% da produção brasileira vem do “pequeno” produtor com uma área plantada ao redor dos +10 hectares, então, extrapolando para um custo ao redor dos +30.000 R$/hectare e uma produção média ao redor dos +25 sacas/hectare para o produtor do café tipo arábica e +60 sacas/para o produtor do café tipo robusta, então o “produtor médio brasileiro” do café tipo arábica e do café tipo robusta está tendo um custo médio estimado ao redor dos +1.200 R$/hectare para o café tipo arábica e +500 R$/hectare para o café tipo robusta!

Se os custos e as premissas acima estiverem corretos, próximos da realidade de +70/+80% dos produtores brasileiros, então o mercado do café tipo arábica deveria estar negociando “mais próximo” dos +1.100/+1.200 R$ por saca para a próxima safra 24/25 e 25/26 e não abaixo dos +1.000/+950 R$/saca. E acima dos +650 / +700 R$/saca para o café tipo robusta!

Na semana tivemos reportado alguns negócios para o café arábica tipo 6 para a próxima safra 25/26 para, entrega julho-agosto-25 @ +1.000 R$/saca! Para esse produtor do café tipo arábica “+1.000 R$/saca está ótimo”!

O “pequeno produtor” precisa investir em tecnologia, em conhecimento, em gestão para poder crescer, virar um “médio / grande” produtor. Caso contrário não terá como competir com um vizinho / “concorrente” que consegue produzir pela metade do seu custo!

Infelizmente a Cecafé* nessa semana não atualizou os dados diários das “emissões/embarques” do mês de dezembro-23. A última e única atualização nessa primeira semana de dezembro-23 foi no dia 04 de dezembro (segunda-feira da semana) indicando uma projeção inicial para a exportação no mês de dezembro-23 ao redor dos +3.250.000 sacas. Os números finais referentes ao mês de novembro-23 deverão ser publicados nos próximos dias (segunda/terça-feira).

Segundo última publicação do CFTC* os fundos + especuladores estão agora comprados em +17.751 lotes (aumentaram a posição em +2.753 lotes).

No curto prazo o “mercado virou” com os indicadores de curto prazo indicando possibilidade para novas realizações (ainda mais agora com a confirmação das chuvas desse final de semana) com os principais contratos/vencimentos devendo “buscar” a média-móvel dos +200 dias em todos os próximos vencimentos! Isso representa uma queda para a próxima semana entre -800/-1.200 pontos (aproximadamente entre -50/-80 R$/saca)!

No curto prazo creio que poderemos ver o Março-24, Julho-24 e Set-24 voltando a negociar abaixo dos +168 centavos de dólar por libra-peso com um piso ao redor dos +160 centavos de dólar por libra-peso.

Caso o produtor decidir realizar vendas através de “trava futura” para entregar seu produto nos meses de julho-agosto-24 e/ou julho-agosto 25 acima dos +950/+1.000 R$/saca não esquecer de comprar proteção /seguro para sua lavoura através da compra de opção de compra “call*” ou estrutura “call-spread*” para se proteger contra eventual quebra na sua produção com risco do calor e/ou geadas.

Sugestão: analisar a compra da estrutura “call-spread*” +190 / -220 centavos de dólar por libra-peso no vencimento Dez-24. Dessa forma, o produtor ficará “vendido” @ +950 R$/saca e se o mercado subir em função de algum fator climático / macro o produtor voltará a participar do mercado entre o intervalo +1.033 / +1.233 R$/saca.

Produtor, como sempre, proteja-se!

O preço poderá cair? SIM!

O preço poderá subir? SIM!

boa semana a todos!

-x-x-x-x-x-x-x-

** “Call” = opção de Compra

** “Put” = opção de Venda

** “Compra Call-Spread” = compra e venda simultânea de 2 Opções de Compra comprando a Opção com preço de exercício mais baixo vendendo a Opção com preço de exercício mais alto);

** “Venda Call-Spread” = venda e compra simultânea 2 Opções de Compra vendendo a Opção com preço de exercício mais baixo e comprando a Opção com preço de exercício mais alto);

** “Compra Put-Spread” = compra e venda simultânea 2 Opções de Venda comprando a Opção com preço de exercício  mais alto e vendendo a Opção com preço de exercício mais baixo);

** “Venda Put-Spread” = venda e compra simultânea 2 Opções de Venda vendendo a Opção com preço de exercício  mais alto e comprando a Opção com preço de exercício mais baixo);

** “CFTC” = Commodity Futures Trading Commission – agência independente do governo dos Estados Unidos que regula os mercados de futuros e opções das commodities;

** “IBGE” = Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

 ** “Cecafé” = Conselho dos Exportadores de Café do Brasil

** “SECEX” = Secretaria comércio exterior

** “CNC” = Conselho Nacional do Café

** “USDA” = Departamento da Agricultura dos Estados Unidos

** “FNC” = Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia

** “FAS” = Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA*

** “OIC” = Organização Internacional do Café

** “GCA” = Green Coffee Association

** “ABIC” = Associação Brasileira da Indústria de Café

** “Sincal” = Associação dos Produtores do Brasil

** “NDF” = (Non-Deliverable Forward), um contrato a termo de moeda com liquidação financeira, com vencimento para aquele mês

** “Pib” = Produto Interno Bruto

** “FED” = Banco Central Americano

** “NOAA” = Departamento Nacional da Atmosfera e Oceanos dos Estados Unidos

** “EUROSTAT”  = Serviço de Estatística da União Europeia responsável pela publicação de estatísticas e indicadores de elevada qualidade a nível europeu que permite a comparação entre países e regiões

** “OPEP” = A Organização dos Países Exportadores de Petróleo

** “COOXUPÉ” = Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé

** “Coccamig” = Cooperativa Central de Cafeicultores e Agropecuaristas de Minas Gerais

** “PIB” = Produto interno Bruto de um país

** “COPOM” = Comitê de Política Monetária, é um órgão do Banco Central. Ele foi criado em 1996 com o objetivo de traçar e acompanhar a política monetária do país. Esse é o órgão responsável pelo estabelecimento de diretrizes a respeito da taxa de juros

** “BASIS” = O basis é a disparidade de preço causada pela diferença geográfica entre os pontos de entrega da commodity. Ele é calculado subtraindo o valor da commodity no mercado físico em determinada praça, pelo preço do mesmo produto no mercado futuro.

** “Bandas de bollinger” = do inglês bollinger bands, é um indicador de volatilidade bastante utilizado para prever se um ativo está sobre-comprado, estável ou sobre-vendido. Ele é formado por duas médias móveis, uma superior e outra inferior que indicam tal informação. São alguns atributos desse indicador:

  • Antever os níveis de preço de um ativo
  • Antecipar topos e fundos de preço no gráfico
  • Mostrar a intensidade de valorização ou desvalorização de um ativo

Portanto, este indicador tenta mostrar se uma ação está barata ou cara, em um determinado período de tempo.

Desse modo, ele é indicado para operações de curto prazo, day trade ou swing trade.

O autor da técnica é o americano John Bollinger (nascido em 1950), analista financeiro e colaborador da área de análise técnica. John lançou o seu livro Bollinger on Bollinger Bands em 2001, mas essa técnica começou a ser desenvolvida por ele ainda na década de 1980. As bandas são derivadas das médias móveis e mostram que, independente de qualquer movimento que o preço faça, ele tende a voltar a um equilíbrio. Portanto, temos aí um “estreitamento das bandas” no gráfico de candlestick.

** “PMI” = A sigla PMI significa, em inglês, Purchasing Manager’s Index e é um indicador que mede a atividade econômica de um país a partir de pesquisas mensais realizadas por uma empresa privada.

Assim, o PMI também é conhecido como Índice de Gerentes de Compra e seu principal objetivo é fornecer informações sobre a temperatura de alguns setores da economia e orientar os diversos profissionais do mercado.

Related posts

II Fórum Mundial de Produtores de Café acontece no Brasil

Mario

EXPOCAFÉ 2023 tem abertura programada para esta quarta-feira (17)

Mario

YaraRega®: Grupo Bolsa e Yara lançam fertilizante desenvolvido para fertirrigação

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais