CaféCafé e Mercado

[Marcelo Fraga Moreira] – Mercado do Café – “Muita volatilidade à frente – Protejam-se”

MARCELO FRAGA MOREIRA
[Comentário Semanal – 19 a 23/09/2022]
É um profissional há mais de 30 anos atuando no mercado de commodities agrícolas,

escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting –
Assessoria em Mercados de Futuros, Opções e Derivativos Ltda.
www.archerconsulting.com.br

Mais uma semana tensa, com o mercado colocando um pouco d’água no chopp dos produtores!

A semana começou subindo +1.500 pontos com notícias altistas vindas da Colômbia (onde problemas climáticos estariam prejudicando o período final da maturação e consequente reflexo na próxima safra) e com a divulgação da revisão dos números da Conab*. Porém, da quarta-feira em diante, após o fechamento do mercado, o FED* divulgou novo aumento na taxa de juros americanos em +0,75 pontos (o que já era esperado pelo mercado), mas já sinalizando novos aumentos nas 2 próximas reuniões agendadas para novembro e dezembro-22 e terminando 2023 com juros próximo aos +5,00%! No dia seguinte tanto Inglaterra quanto Japão também anunciaram novos aumentos nas taxas de juros, e o medo da recessão global voltou a tomar conta dos mercados/commodities. Petróleo voltou a negociar abaixo dos 85 US$/barril para o petróleo tipo Brent e abaixo dos 80 US$/barril para o petróleo tipo WTI (fechando a semana respectivamente @ 86,65 e 79,43 US$/barril).

Putin voltou a ameaçar o mundo com possível uso de armas nucleares na guerra com a Ucrânia e alistamento forçado para +300.000 reservistas! Com o inverno chegando o risco do apagão na Europa e nas principais economias do continente voltaram a preocupar. E o café veio no embalo. Afinal, com o custo da energia explodindo na Europa (algumas notícias já começaram a pipocar onde estabelecimentos já estão sofrendo aumento nas suas contas de luz/energia em mais de +2.000%) será que a demanda pela bebida mais consumida no mundo vai ser impactada? O café realmente tem demanda “inelástica”? O cafezinho virou uma bebida cativa no paladar/consumo diário da população mundial? Ou a inflação/recessão global também vai também colocar “água no café” ?

A Conab* publicou seus novos números para a safra 22/23, confirmando a correção tão aguardada pelos produtores (se bem que muitos ainda esperavam números bem menores, próximos aos +45,00 milhões de sacas).

Segundo a Conab* houve uma redução na safra 22/23 para +50,38 milhões de sacas x última estimativa em +53,43 milhões de sacas – uma queda total estimada em -5,88%, ou -3.050.000 sacas! A quebra ocorreu no café tipo arábica (como era esperado) sendo agora +32,41 milhões de sacas x +35,71 milhões de sacas – uma quebra em -9,24% (ou -3.300.000 sacas – aproximadamente -23% do que seria a safra colombiana). E um leve incremento no café tipo robusta em +300.000 sacas (para +18,00 milhões de sacas x +17,70 milhões de sacas).

Segundo a Conab* a área destinada à cafeicultura nacional em 2022 foi +2.242 mil hectares, dos quais 1,84 milhão de hectares são de lavouras em produção e 401 mil hectares em formação. Dos 1,84 milhões de sacas +1.452.000 hectares foram dedicados ao café tipo arábica (com produtividade média em 22,30 sacas/ha) e 389 mil hectares foram dedicados ao café tipo robusta (com produtividade média ao redor dos 46,20 sacas/ha).

Como o mercado já está de olho na safra 23/24, com todos de olho nas previsões meteorológicas diárias e muitos praticando a “dança da chuva”, e considerando a safra 23/24 “cheia”, com os 2.242.000 ha produzindo, então a safra 23/24 poderá sim voltar a ser recorde! As chuvas voltaram a cair nas principais regiões produtores (entre +10/+50 mm) e novas chuvas já estão previstas até primeira semana de novembro. O déficit hídrico continua, porém as chuvas sempre serão bem vindas. Será que virão a tempo para recuperar as lavouras e vingar as próximas floradas?

Para a próxima safra 23/24 muitos já estão apostando em produção para o café tipo arábica entre +38/+48 milhões de sacas e entre +17/+25 milhões de sacas para o café tipo robusta (totalizando uma safra 23/24 “piso/teto” entre +57 / +73 milhões de sacas).

Considerando que dos +401.000 ha em formação +316.000 ha serão destinados ao café tipo arábica e +84.558 ha em formação serão destinados ao café tipo robusta (considerando a proporção atual), então na safra 23/24 o Brasil estará colhendo uma área para o café tipo arábica em +1.768.000 ha e +473.558 ha para o café tipo robusta. Com produtividade média estimada em +27,00 sacas/ha para o café tipo arábica e +50,00 sacas para o café tipo robusta então a próxima safra 23/24 poderá voltar produzir +71,42 milhões de sacas (sendo +47,74 milhões de sacas tipo arábica e +23,68 milhões de sacas tipo robusta).

Considerando a produção brasileira acima e considerando a demanda mundial crescendo ao ritmo dos +2% ao ano, então o índice “estoque x consumo” no final da safra 23/24 voltará a patamares “seguros”, acima dos +18%. Se o consumo mundial (em função da recessão global) cair para 1% ou +0,00, então o índice “estoque x consumo” voltará a ficar ainda mais confortável e acima dos +20% – aproximadamente +34,00 milhões de sacas, derrubando os preços!

Desta forma, seguimos recomendando a compra de seguro para os produtores para a safra 23/24 em diante através das compras de opções de venda “put*” e/ou estruturas “put-spread”, contra o vencimento Set-23, comprando o seguro através da estrutura “put-spread” com vencimento/”strike” +200 / -175 vendendo a opção de compra “call*” strike +255 a custo zero.

Essa estrutura permite ao produtor realizar uma venda mínima ao redor dos +1.250 R$/saca e uma venda máxima ao redor dos +1.650 R$/saca desde que o Set-23 feche acima dos +200 centavos de dólar por libra-peso ou acima dos +255 centavos de dólar por libra-peso no dia do vencimento das opções no próximo dia 11 de agosto de 2023. Caso o Set-23 termine abaixo dos +175 centavos de dólar por libra-peso o produtor estará “a mercado” abaixo dos +1.030 R$/saca, porém estará protegido entre +1.250/+1.030 R$/saca.

No médio prazo sigo positivo. Os estoques certificados terminaram a semana em +472.006 sacas! As exportações brasileiras continuam fortes, mesmo com o mercado invertido. Segundo as projeções da Cecafé* em set-22 o Brasil deverá exportar entre +3,20/+3,50 milhões de sacas! Os próximos 3 meses serão cruciais para o mercado sentir o apetite da demanda e a disponibilidade da oferta!

O Dez-22 encontra agora suporte importante @ 219/210/200 centavos de dólar por libra-peso e resistências @ 221 / 224 / 230 / 234 centavos de dólar por libra-peso.

Aproveitem as oportunidades que o “mercado” oferece! E protejam-se!!

Se o “cisne negro” voltar poderemos ver o café Set-23 buscar os +160/+150 centavos de dólar por libra-peso (Particularmente não acredito. Porém, se as chuvas voltarem, as próximas floradas vingarem, a demanda mundial estagnar/cair, o R$ voltar a desvalorizar, e o próximo inverno for tranquilo novamente sem geadas, então apertem os cintos e PROTEJAM-SE!).

Ótima semana a todos!

-x-x-x-x-x-

** “Call” = opção de Compra

** “Put” = opção de Venda

** “Compra Call-Spread” = compra e venda simultânea de 2 Opções de Compra comprando a Opção com preço de exercício mais baixo vendendo a Opção com preço de exercício mais alto);

** “Venda Call-Spread” = venda e compra simultânea 2 Opções de Compra vendendo a Opção com preço de exercício mais baixo e comprando a Opção com preço de exercício mais alto);

** “Compra Put-Spread” = compra e venda simultânea 2 Opções de Venda comprando a Opção com preço de exercício  mais alto e vendendo a Opção com preço de exercício mais baixo);

** “Venda Put-Spread” = venda e compra simultânea 2 Opções de Venda vendendo a Opção com preço de exercício  mais alto e comprando a Opção com preço de exercício mais baixo);

** “CFTC” = Commodity Futures Trading Commission – agência independente do governo dos Estados Unidos que regula os mercados de futuros e opções das commodities;

** “IBGE” = Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

 ** “Cecafé” = Conselho dos Exportadores de Café do Brasil

** “USDA” = Departamento da Agricultura dos Estados Unidos

** “FAS” = Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA*

** “OIC” = Organização Internacional do Café

** “GCA” = Green Coffee Association

** “ABIC” = Associação Brasileira da Indústria de Café

** “Sincal” = Associação dos Produtores do Brasil

** “Pib” = Produto Interno Bruto

** “FED” = Banco Central Americano

** “OPEP” = A Organização dos Países Exportadores de Petróleo

** “COOXUPÉ” = Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé

** “Coccamig” = Cooperativa Central de Cafeicultores e Agropecuaristas de Minas Gerais

** “PIB” = Produto interno Bruto de um país

** “COPOM” = Comitê de Política Monetária, é um órgão do Banco Central. Ele foi criado em 1996 com o objetivo de traçar e acompanhar a política monetária do país. Esse é o órgão responsável pelo estabelecimento de diretrizes a respeito da taxa de juros

** “Bandas de bollinger” = do inglês bollinger bands, é um indicador de volatilidade bastante utilizado para prever se um ativo está sobre-comprado, estável ou sobre-vendido. Ele é formado por duas médias móveis, uma superior e outra inferior que indicam tal informação. São alguns atributos desse indicador:

  • Antever os níveis de preço de um ativo
  • Antecipar topos e fundos de preço no gráfico
  • Mostrar a intensidade de valorização ou desvalorização de um ativo

Portanto, este indicador tenta mostrar se uma ação está barata ou cara, em um determinado período de tempo.

Desse modo, ele é indicado para operações de curto prazo,  ou .

O autor da técnica é o americano John Bollinger (nascido em 1950), analista financeiro e colaborador da área de análise técnica. John lançou o seu livro Bollinger on Bollinger Bands em 2001, mas essa técnica começou a ser desenvolvida por ele ainda na década de 1980. As bandas são derivadas das médias móveis e mostram que, independente de qualquer movimento que o preço faça, ele tende a voltar a um equilíbrio. Portanto, temos aí um “estreitamento das bandas”.

** “PMI” = A sigla PMI significa, em inglês, Purchasing Manager’s Index e é um indicador que mede a atividade econômica de um país a partir de pesquisas mensais realizadas por uma empresa privada.

Assim, o PMI também é conhecido como Índice de Gerentes de Compra e seu principal objetivo é fornecer informações sobre a temperatura de alguns setores da economia e orientar os diversos profissionais do mercado.

Related posts

Começam as inscrições para o Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais de 2019

Mario

[Tatiane Duarte Magalhães] – “O potencial da cafeicultura nacional no mercado de crédito de carbono”

carlos

Palini & Alves recebe a visita das mulheres do projeto “Flores do Café”

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais