ARTIGOSCaféCafé e Mercado

[Marcelo Fraga Moreira] – Mercado do Café – “Depende do Ponto de Vista” (comentário semanal 13 a 17/09 de 2021)

MARCELO FRAGA MOREIRA
É um profissional há mais de 30 anos atuando no mercado de commodities agrícolas,

escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting –
Assessoria em Mercados de Futuros, Opções e Derivativos Ltda.
www.archerconsulting.com.br

Mais uma semana com o mercado lateralizado e respeitando o piso da média móvel dos 50 dias @ 184,50 centavos de dólar por libra-peso. O contrato Dez-21 terminou a semana cotado @ 186,40 centavos de dólar por libra-peso (após ter negociado entre a mínima e a máxima @ 182,50 e @ 189,85 centavos de dólar por libra-peso). Os “fundos + especuladores” voltaram a reduzir a posição comprada no período (liquidando -17.428 lotes) e terminando o período ainda comprados em +38.624 lotes. Mesmo com essa realização e com o mercado respeitando o suporte da média móvel dos 50 dias, o indicador estocástico fechou a semana ainda indicando vendas. Agora o Dez-21 apresenta resistência @ 188,90 e suportes @ 186,40 e @ 177,90 centavos de dólar por libra-peso.

O mercado continua nervoso com a atenção redobrada às condições meteorológicas e às notícias de oferta e demanda ao redor do mundo. O Brasil continua sendo o foco das atenções e a crise hídrica continua! Chegou a chover em algumas regiões produtoras, mas ainda muito pouco! Mesmo com a previsão climática indicando novas chuvas para o período 24-setembro / 10-outubro ninguém sabe como as lavouras irão reagir. Para muitos o estrago para a safra 22/23 já é irreversível. Dependendo do ponto de vista e da posição de cada participante do mercado a safra 22/23 já está causando muita discussão!

A exportação de café no mês de agosto sofreu queda de -25% comparadas ao mesmo mês de agosto de 2020. Segundo a Cecafé* o Brasil exportou apenas 2.674.000 sacas. Comparando com o mês de julho-21 houve também uma redução de -5,38%. As justificativas continuam sendo apenas os problemas logísticos (falta de conteiners e aumento no valor dos fretes) e nenhum comentário ainda referente à falta de produto.

O setor logístico estima que a situação será resolvida apenas no segundo semestre de 2022! E até lá, quem precisar de produto vai ter que pagar o preço do dia! Café spot vai começar a valorizar! Quem tiver produto disponível em trânsito ou nos principais mercados consumidores vai ganhar dinheiro! Os diferencias de preço deverão continuar valorizando e firmes daqui pra frente! “Papai Noel” vai ser muito generoso para alguns!

Para os “baixistas de plantão” cuidado e atenção redobrada! Considerando que na safra 20/21 o Brasil exportou 46 milhões de sacas (aproximadamente 3.830.000 sacas por mês) e que durante os primeiros 2 meses da safra 21/22 o Brasil conseguiu exportar apenas 5.500.000 sacas (2.750.000 sacas por mês) algum destino vai ficar sem café ou vai precisar pagar caro para conseguir originar produto e cobrir suas necessidades de abastecimento.

Considerando uma exportação mensal em 2.500.000 sacas então o Brasil deverá  exportar 30.000.000 sacas entre Julho-21/Junho-22. Com um consumo interno ao redor das 23 milhões de sacas então a produção total brasileira para a safra 21/22 deverá ser de pelo menos 53 milhões de sacas! Será? O estoque de passagem da safra brasileira 20/21 continua sendo uma incógnita (até hoje a Conab ainda não divulgou os dados) e a produção da safra brasileira 21/22 continua com uma divergência enorme, variando entre 44-57 milhões de sacas!

Novamente tivemos a publicação de 2 novas estimativas para a safra brasileira 21/22, sendo 48,90 milhões de sacas pelo IBGE* (sendo 33,60 milhões de sacas para o café tipo arábica e 15.30 milhões de sacas para o café tipo robusta) e novamente o Rabobank mantendo sua estimativa para uma produção total em 56,70 milhões de sacas (sendo 36,00 milhões de sacas para o café tipo arábica e 20,70 milhões de sacas para o café tipo robusta). Por enquanto Rabobank e USDA* são os mais otimistas, praticamente com os mesmos números.

A Conab deverá publicar a sua estimativa na próxima semana, e o mercado continuará divergindo, questionando quem está correto até junho de 2022! Ou até quando o Brasil não tiver mais café para exportar! Ai sim, com estoques finalmente zerados, as estatísticas brasileiras também serão “zeradas” e, quem sabe, os números brasileiros voltarão a refletir a realidade dos estoques, produção, consumo e exportações!

Nesta semana viajei pelas regiões produtoras de café arábica (dirigindo aproximadamente 2.300 km), visitando 15 lavouras na região do cerrado mineiro, sul de minas e região da mogiana. Realmente é incrível como a crise hídrica prejudicou as lavouras. Conversando com os produtores que me receberam e visitando as lavouras in loco a crise hídrica é muito séria e as lavouras estão muito prejudicadas/estressadas/danificadas. Muitos produtores reclamaram dos custos de produção, das dificuldades para honrar os compromissos assumidos, dos problemas com as “travas” realizadas já para os anos 22/23 até 24/25. Mesmo chovendo nas próximas semanas muitos apostam que a safra 22/23 será pior que a safra 21/22.

Nas regiões produtoras do café robusta o desenvolvimento das lavouras para a próxima safra 22/23 continua positivo. Mesmo para as fazendas irrigadas novas chuvas são esperadas para a florada vingar. Os reservatórios estão esvaziando e sem água as lavouras poderão começar a sofrer. Os próximos 5 meses serão acompanhados de perto, e se houver algum veranico nos meses de janeiro/fevereiro-22 a safra do robusta também poderá sofrer novas quebras.

Considerando a área plantada brasileira para a safra 21/22 em 2.200.000 de hectares (sendo 1.800.000 ha para o café arábica e 400.000 ha para o café robusta) e uma produção média em 15,00 sacas/ha para o café arábica e 42,50 sacas/ha para o café robusta, acreditamos que a safra brasileira 21/22 deverá ficar em 44 milhões de sacas!

Já para a safra 22/23, considerando que a área plantada total irá diminuir em 100.000 ha para 2.100.000 ha (em função da geada e mantendo a área do café robusta inalterada) e uma produção média entre 12,50/15,00 sacas/ha para o café arábica e uma produção média entre 45,00/47,50 sacas/ha para o café robusta, a safra brasileira 22/23 ficará entre 40-44,50 milhões de sacas! Dependendo do ponto de vista, das análises de cada um, e dependendo das premissas assumidas por cada participante do mercado com a produtividade de sacas/ha, a próxima safra 22/23 novamente poderá oscilar entre 40-58 milhões de sacas!

Já para a safra 23/24, mantendo a mesma área plantada e considerando a recuperação total das lavouras, e ajustando novamente a produtividade para uma produção média em 30,00 sacas/ha para o café arábica e uma produção média em 50,00 sacas/ha para o café robusta, o Brasil já poderá voltar ter uma produção acima das 70 milhões de sacas.

Mercado interno segue muito firme, com poucos negócios sendo realizados entre 1.050-1.250 R$/saca para café tipo arábica e entre 700-770 R$/saca para café tipo robusta.

“Sugestões da semana”:

Mercado Spot: Seguir vendendo apenas o necessário para pagar as contas do dia/semana, com preço mínimo @ 1.150 R$/saca para o café tipo arábica e 1.250 R$/saca para “cereja descascado” e @ 750/800 R$/saca para o café tipo robusta.

Para a safra 22/23:

No Set-22 – seguir analisando a compra de proteção através da compra da estrutura “Put-Spread” strike +190/-160 e vender a opção de compra “Call” strike -230,00. Essa operação terminou na sexta-feira com um custo “flat” (garantindo um preço mínimo ao produtor ao redor de 1,250 R$/saca – já considerando o custo da operação – e um preço máximo até @ 1.550 R$/saca e desde que o Set-22 feche acima dos 160 centavos de dólar por libra-peso e acima dos 230 centavos de dólar por libra-peso no dia do vencimento das opções do Set-22, no dia 12 de agosto de 2022).

O Produtor ficará exposto ao risco caso o mercado negocie acima 230 centavos de dólar por libra-peso.

Related posts

Empreendedor de Rondônia realiza parceria com Coreia do Sul para exportação de café

Mario

Revolução no Conilon: Produtores adotam sistema de colheita semi-mecanizada com máquinas Pinhalense

Mario

Exportadoras pedem indenização por danos na “Operação Patrícia”, em 1986.

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais