Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Aves e Suínos

Leitões em Creche: Principais manejos da fase de rápido crescimento

A fase de rápido crescimento, também conhecida como inicial 2, é a fase da creche onde os leitões apresentam um maior potencial de ganho de peso, podendo representar até 60% de todo o período.

Para o melhor aproveitamento da fase de creche, os leitões devem estar fisiologicamente preparados, da mesma forma o ambiente e manejo necessitam ser adequados para que os leitões desenvolvam seu potencial fisiológico.

O alinhamento de uma nutrição adequada junto ao objetivo de saída de creche de cada propriedade, seja ele um peso de saída maior ou um melhor custo por quilo produzido, são fundamentais para alcançar o planejado.

INÍCIO DOS LEITÕES NA FASE DE RÁPIDO CRESCIMENTO

O início do consumo da fase de rápido crescimento ocorre por volta dos 40 dias de vida. Neste momento, os leitões devem estar aptos a receber uma dieta menos complexa, com maior adição de milho e soja. Eles necessitam apresentar um desenvolvimento enzimático importante para que o alimento ingerido seja melhor digerido, absorvido e utilizado eficientemente para ganho de peso.

E para que isso ocorra, o consumo adequado das fases anteriores deve ser respeitado, visto que nelas a nutrição auxilia na preparação do leitão, tanto fisiologicamente, quanto imunologicamente, para receber uma dieta apta na fase de rápido crescimento desenhada pelo nutricionista de confiança.

MANEJO DO AMBIENTE DOS LEITÕES

Somado a isto, o manejo do ambiente dos animais nesta idade é relevante, visto que o frio reduz o consumo, desviando a energia utilizada para ganho de peso em produção de calor. Da mesma forma, o acúmulo de gases no ambiente aumenta a apatia dos animais, propiciando redução no consumo e, além disso, tende a aumentar os problemas sanitários, sejam eles respiratórios ou entéricos.

Portanto, é importante considerar o manejo de cortinas de acordo ao comportamento, como, por exemplo, leitões amontoados ou dispersos é indicativo de frio ou calor respectivamente. Gases como NH³ acima de 10ppm, CO acima de 35ppm, assim como CO² acima de 3000ppm, são indicativos de que as cortinas devem ser abaixadas e o ar renovado. Da mesma forma, a umidade deve estar controlada, entre 50% e 70%.

Os manejos de eleição nesta fase visam, principalmente, aumentar o consumo de ração e água. No que tange estes itens, a densidade ideal por baia, cerca de 0,33m²/animal, o manejo de cocho, de acordo com o recomendado pelo fabricante, como por exemplo, 1 cocho para 40 leitões ou respeitando um espaço linear, a quantidade de chupeta por leitão, cerca de 1/10 animais, são fundamentais para garantir uma boa ingestão de ração e água por leitões.

Em conclusão, leitões que passaram pela fase de forma adequada apresentam aparelho gastrointestinal mais desenvolvido e preparado para digerir dietas com ingredientes convencionais. Assim, uma correta nutrição alinhada a um bom manejo, ambiência e sanidade garantem que os leitões possam ter um melhor desenvolvimento ajustado aos objetivos do produtor.

 

FONTE: BLOG DA NUTRON – http://blog.nutron.com.br
Lucas Torido (Consultor Técnico de Sanidade e Manejo da Cargill Nutrição Animal – Nutron) e
Everton Daniel (Gerente de Tecnologia em Suínos para Latam Sul da Cargill Nutrição Animal – Nutron)

Related posts

[Felipe Ceolin] – Desafios no período de creche na produção suína

No caminho do frango não tem hormônio, tem Zootecnia

Revista Attalea Agronegócios

Surtos de Febre Suína Africana na China e Romênia mobilizam autoridades

Deixe um comentário