fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
ARTIGOS HortiFruti

[José Luiz Tejon Megido] – Saúde Vegetal é uma boa alternativa para a produção de hortifruticultura

José Luiz Tejon Megido

Conselheiro Fiscal do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing

https://www.tejon.com.br

 

Surge uma 3ª via nos processos da produção da hortifruticultura no país, e seu nome é Produção Saúde Vegetal.

São produtores que assumem processos de rastreabilidade com procedimentos inteligentes, com fortificação das sementes, biosoluções e preparo de recursos humanos para uma consciência de sustentabilidade.

Os outros caminhos são os orgânicos, os biodinâmicos, assim como a produção convencional.

Esse novo modelo que significa praticamente um novo design, um verdadeiro design innovation. Essa temática vem sendo trabalhada. Na semana passada (23/08) ocorreu em São Paulo o primeiro evento reunindo as experiências de produtores, dos quais alguns já receberam o Certificado Global G.A.P. – Good Agricultural Practices, em inglês, ou Protocolo Privado de Certificação Voluntária, com reconhecimento internacional de Boas Práticas Agrícolas.

Edson Trebeschi, fundador da Trebeschi Tomates, apresentou o seu caso e contou sua brilhante ideia do uso de licenciamento da turma da Mônica, do Maurício de Souza, na sua produção de tomates. Ele disse que melhorou os custos e a produtividade, e assegura qualidade dentro de todo o máximo da legislação exige (sem resíduos).

Esse procedimento chama-se gestão, e ali se inicia uma nova via, um novo modelo, o de produtores da saúde vegetal. Essa saúde para ocorrer no ser humano, precisa existir primeiro nas próprias plantas, hortaliças e frutas.

O caso do produtor Altair, da AP Frutas, está no mesmo caminho; da mesma forma, o produtor Hasegawa, de Mogi das Cruzes/SP, mostrou todos os seus novos procedimentos para a busca da certificação.

A iniciativa Saúde Vegetal tem rastreabilidade pela Paripassu, com apoio do programa RAMA da Associação Brasileira de Supermercados, da Ibrahort com a Confederação Nacional da Agropecuária, da Arysta e da Abcsem.

Essa 3ª via é um autêntico design innovation aplicado no campo, e que reúne o uso de uma série de conhecimentos transformando a nova agropecuária numa autêntica montadora agrotecnológica de sustentabilidade intensiva.

Conhecimento aplicado desde a semente para a saúde humana, passando pela saúde animal, com tudo tendo início no conceito da saúde vegetal. Um brinde a saúde empreendedora!

Related posts

Novo fungo do guaranazeiro pode afetar outras plantas de importância econômica

Revista Attalea Agronegócios

Qualidade da pele da batata depende de cuidados no enraizamento

Revista Attalea Agronegócios

[Cleidiane de Andrade Ferreira] – Sistemas de integração lavoura, pecuária e floresta e seus benefícios

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário