fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Milho e Soja

[Jefferson Silva] – Manejo dos invasores na cultura da soja

JEFFERSON SILVA
Engenheiro Agrônomo e Pesquisador do Falcon Team da UPL Brasil
www.uplbrasil.com.br

O plantio na nova safra que iniciou em setembro ocorreu em tempo recorde em todo o país e as perspectivas para o desenvolvimento das lavouras de soja são muito otimistas. Em algumas regiões do país, as lavouras já se encontram em pleno desenvolvimento vegetativo e próximo do início do ciclo reprodutivo da cultura, período onde se inicia as detecções dos percevejos fitófagos e posteriormente da mosca-branca.

Mas, há de se ficar atento, afinal, nos últimos anos, tivemos um grande aumento na produção mundial de alimentos. Impulsionado por novas tecnologias, avanços científicos e por ter todas as estações do ano bem definidas, o Brasil vem se firmando como protagonista desse crescimento. Em algumas regiões do país, cultiva-se até três safras anuais e, a cultura da soja é responsável pela maior parte da produção de grãos do país como estima a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), serão cultivados até 36,1 milhões de hectares da oleaginosa no ciclo 2018/19.

O aumento da área plantada, a intensificação dos cultivos durante todo o ano, a ponte verde que se forma entre as culturas subsequentes e a disponibilidade de plantas hospedeiras e alimentos quase que ininterruptos favorecem a multiplicação de pragas polífagas.

Nas últimas safras, são recorrentes as reclamações dos sojicultores em relação ao aumento das infestações e danos das pragas nas lavouras de soja. Dentre as pragas que mais ocorrem e causam danos na cultura, podemos citar os percevejos e a mosca-branca.

As primeiras populações de percevejos são identificadas ainda na metade da fase vegetativa da cultura e posteriormente se multiplicam rapidamente podendo chegar até três gerações ao longo do ciclo da soja. As principais espécies que ocorrem nessa cultura são: o Euschistus heros e o Piezodorus guildinii, estes podem representar mais de 80 % dos percevejos fitófagos que ocorrem na soja. Eles se alimentam de hastes, vagens em formação, grãos e sementes em pré e pós-colheita. Quando ocorre na fase de formação de grãos as perdas podem alcançar cerca de 30% da produção, já quando o mesmo ocorre em grãos já formados em pré ou pós-colheita os prejuízos podem ser maiores e até inviabilizar sua utilização como sementes.

A mosca-branca, Bemisia tabaci biótipo b, é outra praga se beneficia do sistema intensificado de produção brasileiro. Por ser um inseto polífago, pode se reproduzir nas principais culturas cultivadas do país inclusive, em plantas daninhas. É um inseto sugador, que se alimenta da seiva das plantas e durante a sucção dos nutrientes pode introduzir agentes tóxicos nas plantas que podem causar mal desenvolvimento das mesmas e afetar a produção. Também, ao se alimentar, excreta uma solução açucarada que beneficia a reprodução de fungos, causando a “fumagina”. Doença essa que reduz a taxa fotossintética das plantas favorece a queda precoce das folhas e consequentemente, causa grandes perdas produtivas. Além disso, esta praga pode transmitir viroses e causar grandes danos às culturas subsequentes, principalmente ao feijão, para o qual transmite o vírus do mosaico dourado e do mosaico anão.

Para qualquer que seja o vetor, a base para um bom manejo integrado de pragas é o monitoramento frequente, feito por pessoas bem treinadas que possam realizar a correta identificação dos insetos, bem como suas fases de desenvolvimento. O ideal, é que um talhão seja vistoriado no mínimo uma vez por semana. Através do monitoramento das pragas, os produtores identificam os níveis de danos econômicos e realizam a intervenções necessárias para o controle das mesmas.

O Sperto é um inseticida multiculturas, com formulação, combinação e balanço único de ativos, que proporciona efeito de knock-down, ou seja, o efeito de choque, rápida paralisação do inseto, no controle de percevejos adultos e com residual para o controle de ninfas. Como possui um amplo espectro de controle, age também no combate à mosca-branca. Além disso, não causa desequilíbrio a população de ácaros. Sperto é uma inovação da UPL que proporciona facilidade ao homem do campo no combate às pragas e proporciona um melhor manejo de resistência dos insetos aos inseticidas.

Recomenda-se realizar no máximo duas aplicações de Sperto ao longo do ciclo da cultura da soja, e fazer rotação com inseticidas que possuam diferentes mecanismos de ação, evitando-se a o aparecimento de populações resistentes.

Related posts

México possui 64 variedades nativas de milho

Revista Attalea Agronegócios

Projeto da APTA avalia cultivares de soja para interior paulista

Revista Attalea Agronegócios

Circuito de palestras discutiu manejo da silagem de milho de alta qualidade no Paraná

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário