Image default
AbelhasEventosMeio Ambiente

IV Encontro Regional de Apicultores discute as inovações e os desafios do setor

Santa Catarina é referência para a apicultura brasileira. Com a melhor produtividade, associativismo forte, boas indústrias de equipamentos, o Estado conta com os maiores exportadores de mel do País e experimenta um crescimento expressivo nos últimos anos. Isso porque diversas ações vêm sendo desenvolvidas para fortalecer esse setor que é essencial para a sustentabilidade do planeta. Entre as atividades mais recentes esteve o IV Encontro Regional de Apicultores, realizado nessa semana, em Xanxerê (SC). A promoção foi da Epagri, Sebrae/SC e Federação das Associações de Apicultores e Meliponicultores de Santa Catarina (FAASC) em parceria com o La Salle, SINTRAF e Unoesc.

O presidente da FAASC, Nésio Fernandes de Medeiros, realça que em 2013 iniciou o processo denominado “choque tecnológico” visando melhorar a produtividade por meio de um mutirão entre Epagri, Sebrae/SC, Senar e universidade com articulação da FAASC. “A apicultura hoje é muito forte no planalto e na região de transição entre planalto e litoral, mas a tendência é transferir para o oeste. O produtor rural daqui é dedicado e busca implementar melhorias e tecnologia. Esse evento com mais de 300 participantes é uma prova disso”.

Programação contemplou palestras e oficinas

Medeiros ressaltou, ainda, a importância que a apicultura exerce no planeta. “Quando o assunto é mel estamos falando de um subproduto. A principal função da abelha é o serviço de polinização que presta à humanidade. O oxigênio que respiramos vem do vegetal que precisa da abelha para fazer sua perpetuação. Abelha é muito mais que mel, é acima de tudo, meio ambiente e serviço de polinização gratuito. Ela é responsável pela produção de maçã, soja, melão, morango, melancia, entre outros”.

Com relação à produção de mel, Medeiros observou que a FAASC com apoio da Epagri, do Senar/SC, Sebrae/SC e Fundação do Banco do Brasil fez um levantamento da apicultura catarinense em 2015 e 2016. Os dados apontaram que o Estado tem 9 mil apicultores (com mais de 6 colmeias) e 323 mil colmeias que em anos normais produzem 6.500 toneladas de mel. “Todos os dias há um evento de apicultura em Santa Catarina. A soma das ações contabiliza mais de 400 iniciativas em grupo por ano, o que justifica a evolução do segmento. No entanto, ainda existem alguns entraves para superar, como por exemplo, a questão do agrotóxico, a entrada do mel da Argentina, o mel falsificado e a complexa legislação”.

O coordenador de apicultura da Epagri, vice-presidente da Confederação Brasileira de Apicultura e vice da FAASC, Ivanir Cella, complementou que os desafios para superar a questão da mortalidade das abelhas e baixa produtividade das colmeias trouxeram a necessidade de aperfeiçoamento. “Esse tipo de encontro aliado ao trabalho das instituições comprometidas com o setor e com a sociedade proporcionaram um choque de tecnologia aos produtores, o que contribuiu para melhorar a produtividade e a qualidade, aumentando a competitividade do segmento”.

Segundo ele, a crise dos polinizadores e a questão do desaparecimento das abelhas ensinou que era necessário mudar. “Isso contribuiu não só para diminuir a questão da mortalidade e para aumentar o uso da tecnologia na atividade, o que proporcionou aumento de produção de cerca de 12 kg para mais de 20 kg de colmeia/ano no Estado, mas também para melhoria da qualidade do mel, tanto que SC conquistou pelo 4º ano consecutivo o prêmio entre os melhores mels do mundo. A região oeste é referência no cenário catarinense e o Estado é destaque no cenário nacional. SC teve desenvolvimento interessante, mas o oeste vem obtendo crescimento acelerado. Em poucos anos será referência para outras regiões do Estado”.

O engenheiro agronômo da Epagri e responsável pelo setor apícola na região da Associação dos Municípios do Alto Irani (AMAI), Denis da Silva, assinalou que o segmento conta com alguns municípios altamente desenvolvidos que é o caso de Xaxim, porém, outros com a apicultura ultrapassada. “Um evento como esse mostra que existe uma cadeia produtiva formada e que investir em tecnologia e melhorar a produção garante um retorno econômico. Nosso principal desafio é elevar a produtividade para despertar interesse econômico. Para quem já é altamente produtivo e eficiente, os maiores desafios incluem a legalização fiscal e sanitária e para quem tem pouca produtividade e menos tecnologia de campo, o foco é manejo e técnicas de produção”.

O palestrante Robson Raad, da Epagri, abordou o tema “Alimentação suplementar de abelhas: quando, como e por quê” e apresentou aos apicultores da região os resultados das ações desenvolvidas no Rio Grande do Norte, Mato Grosso e Minas Gerais, entre outros Estados. O objetivo é a tecnificação da apicultura, ou seja, olhar para o segmento como atividade profissional, preparar os enxames, alimentar e discutir a melhor maneira de produção. “Provocamos uma revolução nos grupos que querem aprender e os resultados apontam melhoria de produtividade expressiva. Temos um panorama no País de uma apicultura muito extrativista. O bioma é farto para a apicultura, mas nós perdemos, pois exploramos apenas de 5 a 10%  dele”.

A programação também contemplou palestra sobre a “Situação atual da apicultura no contexto nacional”, com Vimar Franzen e Ivanir Cella, da Epagri e oficinas sobre meliponicultura, troca de cera e produtos para apicultura com Gustavo Krahl e Rodrigo Vilani(empresas Sulmel, Agroapis e Prodapys).

O encontro integrou a programação da Jornada Técnica de Apicultura que ocorre em diversas cidades de Santa Catarina até 20 de agosto, por meio de parceria entre Sebrae/SC, Epagri e FAASC. O objetivo é capacitar cerca de 1.200 produtores e lideranças da apicultura catarinense.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO DOS PRÓXIMOS EVENTOS

Campos Novos

O que: Seminário de apicultores com aproximadamente 150 produtores

Quando: 10 de agosto

Onde: Centro de Treinamento da Epagri de Campos Novos – Cetrecampos

Orleans

O que: Oficina com apicultores

Quando: 11 de agosto

Onde: Propriedade da apicultora Fabrícia W. W. Wernk, Taipa, Orleans. Fone: (48) 99964-3323

São Joaquim

O que: Curso para apicultores líderes

Quando: 14 de agosto e 15 de agosto, das 8h às 17h30

Onde: Centro de treinamento da Epagri de São Joaquim – CETREJO

O que: Seminário regional de apicultura para 100 produtores

Quando: 16 de agosto

Onde: Centro de treinamento da Epagri de São Joaquim – CETREJO

Tubarão

O que: Seminário regional de apicultura para 120 produtores

Quando: 17 de agosto

Onde: Centro de treinamento da Epagri de Tubarão – CETUBA

Canelinha

O que: Seminário regional de apicultura para 300 produtores

Quando: 18 de agosto

Onde: Centro Cultural, Social e Recreativo Arthur Adolfo Jachowicz, Av. Joaquim José de Santana, Centro

Agronômica

O que: Seminário regional de apicultura para 120 produtores

Quando: 20 de agosto

Onde: Centro de Treinamento da Epagri de Agronômica – CETRAG

 

Fonte: Marcos Bedin – MB Comunicação Empresarial

mb@mbcomunicacao.com.br

Related posts

Syngenta e Netafim realizam em Franca (SP) palestra sobre Tecnologia e Manejo na Cultura do Milho

Mario

Própolis de Abelhas-Europeias inibe fungo que ataca milho, citros e tomate

Mario

Polén da Samburá, abelha do Amazonas, reduz diabete, aponta pesquisa.

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais