Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
ARTIGOS

[Henrique Dornelles] – Da monocultura para a unicultura

HENRIQUE DORNELLES
Presidente da FEDEARROZ – Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul
(www.fedearroz.com.br)

 

Arrozeiros gaúchos são conhecidos pelas lamúrias relacionadas às frequentes baixas da atividade. Cerca de 90% da produção de arroz do Brasil é comercializada no mercado doméstico, submetendo produtores às nuances da concentração do atacado e varejo, sem prejuízo a relação danosa do Mercosul. A soja vem desbancando várias atividades no Brasil, da pecuária no Mato Grosso do Sul e São Paulo, até o arroz de sequeiro no Mato Grosso.

A recente e longa crise que atravessa a orizicultura, especialmente gaúcha, tem ignorado os principais fundamentos de mercado relevantes, atual baixo estoque de passagem e perspectiva de menor produção, inclusive no Mercosul. Vários acreditam que surpreendentemente o brasileiro deixou de consumir arroz. Entretanto, dificilmente um encarte de supermercado não possui promoção de determinada marca.

Maior preocupação são os níveis de preços, abaixo de qualquer razão econômica, conclusão que o produto perdeu valor. Como agravante, o Rio Grande do Sul possui ICMS do arroz em casca de 12%, enquanto o importado é 4%. O setor industrial arrozeiro gaúcho ganhou competitividade com a redução das alíquotas de ICMS, comemorada por todos os elos da cadeia.

Entretanto, não houve incremento significativo de produção do beneficiado objetivando eliminar excedentes dentro do Estado. Assim, criou-se “reserva de mercado” para determinado setor, o que agrava a crise dos produtores e permite que os demais Estados, que industrializam arroz, prefiram o grão paraguaio.

Não é novidade a soja em solos arrozeiros como forma de rotação de cultura. Primeiramente foi estabelecida nas áreas com limitação de produtividade por invasoras resistentes. Entretanto, devido à pesquisa do Irga, Embrapa e UFSM e extensão do Irga, aliado a vocação dos arrozeiros em trabalhar solos de difícil drenagem, soja deverá ser a responsável por uma mudança considerável na Metade Sul do Estado. Já há vários arrozeiros com maior rentabilidade na soja do que no arroz. Assim, a tão refutada monocultura do arroz deverá ceder espaço, aumentando eventual sentimento da unicultura da soja no Brasil.

A atual crise é diferente! Possuindo a segunda maior produtividade mundial, hoje o produtor de arroz poderá optar por soja. Entretanto, arrecadação de ICMS do Rio Grande do Sul tende a ser impactada, pois o arroz isolado representa 2% da arrecadação, “extremamente relevante”, e desemprego deverá aumentar nas regiões arrozeiras, arroz emprega 20 pessoas por mil hectares e soja 1,7 pessoa pela mesma área.

Related posts

[APTA/SP – IEA] – Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro de Janeiro a Novembro de 2018

Revista Attalea Agronegócios

[Fernando Morales de la Cruz] – “O preço ideal do café”

[NECAF-UFLA] – Utilização de Compostos Orgânicos na Fertilidade e Nutrição de Cafeeiros

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário