fbpx
Revista Attalea Agronegócios
ARTIGOS Bovinos de Corte

[Henrique Casagrande] – Bem-estar animal: como a tecnologia voltada aos cuidados animais impactará a pecuária brasileira

HENRIQUE CASAGRANDE
diretor da unidade de Ruminantes da MSD Saúde Animal

Quando falamos sobre inovação pensamos, geralmente, em uma ideia genial que revoluciona toda a maneira de fazer algo. De certa forma essa visão está correta, mas não está completa. As tecnologias das quais usufruímos hoje são possíveis porque muitos investimentos em pesquisa e desenvolvimento foram feitos ao longo dos anos, porque as pessoas começaram a construir alternativas às coisas que as cercavam, e que hoje dão frutos.

O Brasil há muitos anos recebe a alcunha de “o celeiro do mundo” porque aprendeu a valorizar e utilizar seus recursos naturais de forma a se tornar um País extremamente competitivo quando o assunto é a exportação de commodities, por exemplo. Mas ter os recursos apenas não bastam, é preciso geri-los para se tornar indispensável e saber atender a mercados cada vez maiores e mais exigentes, como é o caso da China, por exemplo.

Tomo como outro modelo as mudanças de mentalidade que as pessoas têm apresentado nos últimos anos em relação aos alimentos que consomem: elas têm se voltado às origens, para saber de onde vem o produto, como a cadeia de produção é estruturada e quais as condições que propiciam que aqueles alimentos cheguem às suas mesas.

De acordo com uma pesquisa feita pela Innova Market Insights, consultoria holandesa especializada em estudos no setor de alimentos e bebidas, as pessoas estão cada vez mais exigentes com a transparência de informações em embalagens e rótulos. E por mais que existam diferenças econômicas, sociais e culturais, os brasileiros, dentro de sua realidade, também expressam uma tendência semelhante a essa. Um estudo feito pela IBM em 2019 sobre tendências globais de consumo – que inclui o Brasil – mostra que um terço dos consumidores deixa de comprar produtos mesmo de suas marcas favoritas caso percam a confiança nelas. Os entrevistados afirmaram também que têm priorizado empresas que são transparentes e alinhadas com os propósitos que pregam; eles estão dispostos a pagar mais e até mudar seus hábitos de consumo, pelas marcas que acertam nisso.

Portanto, essa tendência é mundial e deverá ganhar ainda mais espaço ao longo dos próximos anos, e não adiantará lutar contra isso, pois as pessoas têm a tecnologia como aliada nessa mudança de comportamento: mecanismos de buscas, bancos de dados integrados que informam os processos e origens de tudo que é fabricado. Um clique e a informação sobre o alimento está disponível.

Quando olhamos para esse exemplo com cuidado, observamos diversas iniciativas que podem ser definidas como estratégias de promoção do bem-estar animal, como o diagnóstico precoce e a predição de doenças de forma progressiva, que evitam que o animal passe por desgastes provenientes de enfermidades que podem ser prevenidas e, consequentemente, também garantem a maior produtividade, garantindo um retorno do investimento feito pelo produtor.

É fato: práticas mais racionais na rotina de cuidados com os animais, além de reduzirem o estresse, melhoram a produtividade. Por isso, temos visto no campo o crescimento da aliança agropecuária com a tecnologia, como as startups totalmente voltadas para tecnificar o campo e os próprios produtores que têm buscado por ferramentas que possibilitam monitorar até mesmo o humor desses animais – além de condições de abrigo, níveis de alimentação e comportamentos destoantes etc. – o que permite ainda que os pecuaristas possam gerenciar suas produções e fazer projeções de ganhos para saber no que investir para aumentar sua rentabilidade com segurança.

As demandas do mercado também estão mais voltadas a fatores relacionados ao bem-estar animal: compradores de mercados mais exigentes, como os asiáticos, a exemplo de Hong Kong, China, priorizam fornecedores que ofereçam a chamada “grass-fed beef“, a carne produzida sobre pastagens. Esse fator acaba sendo um grande diferencial apresentado pelo agronegócio brasileiro, que é capaz de atender a essas demandas de forma bastante efetiva, pois possui recursos naturais – como pasto, água, grande produção de grãos e um clima favorável para que esses recursos sejam gerenciados ao longo de todo ano, ao contrário de países que precisam enfrentar estações muito frias que tornam a produção muito mais desafiadora. Ótima oportunidade para produtores brasileiros, que, em sua maioria, já fazem isso, trabalham com animais no pasto e, em alguns casos, só precisam aprimorar as técnicas de manejo e manutenção de suas criações.

Como o maior exportador de proteína animal do planeta e com um crescimento do ramo pecuário, entre janeiro e outubro de 2020, de 21,95% e quando comparado ao mesmo período de 2019, de acordo com dados do Cepea Esalq/USP, a pecuária bovina brasileira une a experiência da lida diária do produtor com a modernidade que se apresenta e mostra a sua resiliência. É a isso que se deve o constante crescimento da oferta de soluções que permitem ao produtor ter melhor controle da prevenção de doenças em seus animais e, consequentemente, trazer mais qualidade de vida aos seus animais. Sem dúvidas, esse é um grande avanço para a pecuária, já que contribui e muito para uma melhor gestão de produção e para um manejo mais assertivo e cuidado com os animais. O que antes era visto como a pecuária do futuro, hoje já é a pecuária do presente.

O emprego dessas tecnologias vai ao encontro da visão de saúde única, tão importante para o fortalecimento do nosso mercado. Temos sempre que pensar que, os cuidados com os animais impactam não somente no seu bem-estar, mas em toda a cadeia em que ele está inserido, inclusive na qualidade do alimento que nos é oferecido e na gestão sustentável de produção. Tudo está diretamente conectado, e esse equilíbrio é imprescindível para o avanço da nossa pecuária em todo o mundo.

Esse entendimento não está apenas no tratamento de doenças ou no manejo, mas está em toda interação com animal a fim de proporcionar prevenção para os rebanhos e segurança para o restante da cadeia. Esses itens vão ser cada vez mais decisivos para os clientes, o que certamente levará a mudanças na cadeia produtiva.

Temos de ter em mente que a qualidade do produto começa no nascimento do animal e está atrelado à toda sua condição de vida, passando por todas as fases de criação e transporte.
É no conhecimento que está a chave para que todos os níveis da cadeia de produção estejam cientes do trabalho cuidadoso que é feito ao longo de todo o processo. A democratização da informação é uma das heranças que teremos desse momento que estamos vivendo e a tecnologia é uma das principais aliadas. Já existem soluções inovadoras sendo aplicadas no campo para garantir que as melhores práticas de manejo e sanidade animal sejam cumpridas.

Finalizo essa reflexão reforçando que, prezar pelo bem-estar animal é um caminho que só traz benefícios para todos os envolvidos na cadeia produtiva. Sabemos que a tecnologia pode ser uma ferramenta importante na pecuária, mas para que ela trabalhe a favor de mudanças positivas nós precisamos garantir que o propósito da companhia acolha e reforce o propósito das pessoas que fazem parte da cadeia produtiva, garantindo uma produção mais eficiente. Nós estamos aqui para ajudar a impulsionar o bem-estar animal, com tecnologia e informação ao mercado. É assim que caminharemos cada vez mais longe.

Related posts

[Maurício Antônio Lopes] – Insumos biológicos e o impacto na produção

É seguro utilizar sementes de pastagem da safra passada?

Revista Attalea Agronegócios

[Rodrigo Corrêa da Costa] – Mercado do Café – 05 a 09 de Novembro de 2018

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário