CaféCafé e Mercado

hEDGEpoint: Quais são os desafios climáticos para a safra de café 24/25 do Brasil?

O atual balanço hidrológico no Sudeste reflete as condições de 2020, que precederam a quebra na safra 21/22, resultando em uma redução de 3% na produtividade média em comparação com o ano anterior de bienalidade negativa (19/20).

O ponto central atual no mercado de café gira em torno das condições climáticas no Brasil, especialmente em relação ao desenvolvimento da safra 24/25. É o que mostra o recente relatório da hEDGEpoint Global Markets.

“Esta fase é crucial, pois marca o estágio de enchimento, e dados históricos indicam que a precipitação inadequada durante este período pode afetar significativamente os rendimentos. Um ponto de atenção é evidente na região de Três Pontas em Minas Gerais, onde os níveis acumulados de chuva de outubro até a terceira semana de dezembro estão alarmantemente 30% abaixo da faixa normal. Essa região depende fortemente da precipitação, tornando a situação preocupante”, diz Natália Gandolphi, analista de Café da companhia.

Enquanto isso, no Espírito Santo, especificamente na região de São Mateus, a situação se agrava. Apesar da maioria das áreas do estado ser equipada para irrigação, a região de São Mateus recebeu apenas 20% da chuva esperada durante o mesmo período.

O balanço hidrológico no Sudeste se assemelha ao registrado em 2020, que gerou a quebra de safra do ciclo 21/22. Durante esse período, a produtividade média do café caiu 3% em comparação com o ano anterior de bienalidade negativa (19/20), resultado de condições climáticas desfavoráveis. Agravando as preocupações, os modelos de previsão indicam uma contínua redução no balanço hidrológico até a primeira semana de janeiro.

“As chuvas previstas podem não ser suficientes para repor o impacto recente. Projeções apontam que as regiões no Sul de Minas Gerais, Mogiana e Paraná podem receber apenas até 80% dos níveis normais de precipitação. Essa previsão levanta preocupações sobre o potencial impacto na produção de café nessas áreas”, explica a analista.

Em resumo, o mercado de café está acompanhando de perto as condições climáticas no Brasil, especialmente nas regiões Sul de Minas Gerais e Espírito Santo, representadas aqui por Três Pontas e São Mateus, respectivamente. Os níveis de precipitação abaixo do normal representam uma ameaça significativa para a safra 24/25, evocando os desafios enfrentados em 2020, que resultaram em uma queda na produção de café. A continuidade prevista de padrões climáticos desfavoráveis​aumenta as preocupações, sendo necessário manter este ponto no radar nos próximos dias.

Acesse o relatório completo clicando AQUI.

Sobre a hEDGEpoint Global Markets

A hEDGEpoint Global Markets é uma empresa especializada em inteligência de mercado, consultoria, gestão de risco e soluções de hedge para a cadeia de valor global de commodities, com larga experiência nos mercados agrícolas e de energia. Está presente em cinco continentes e oferece aos clientes produtos de hedge baseados em tecnologia e inovação, mantendo o cliente como ponto central de todos os processos. A companhia trabalha com mais de 60 commodities e mais de 450 produtos de hedge em sua plataforma. Visite o site.

Related posts

[Rodrigo Corrêa da Costa] – Mercado de Café – 30/04 a 05/05/2018

Mario

[Marcelo Fraga Moreira] – Mercado do Café – “Um erro não justifica o outro”

carlos

Semana Internacional do Café 2018: Concurso Coffee of The Year 2018 bate recorde!

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais