fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
ARTIGOS Café

[Grupo Vittia – Samaritá] – Importância do Cobre no Cafeeiro

MARCOS SILVA

Engº Agrônomo, Gerente Técnico Samaritá – Grupo Vittia

LUIZ ANGELO MARIN

Engº Agrônomo, Gerente Técnico Samaritá – Grupo Vittia

GRUPO VITTIA = https://www.vittia.com.br

SAMARITÁ = https://www.samaritá.com.br

 

Conforme descrito por MATIELLO et al. (2017) o cobre é um micronutriente importante para o cafeeiro. Ele atua em vários processos fisiológicos das plantas, como a fotossíntese, a respiração, no metabolismo de proteínas e entra em processos de ativação de resistências das plantas (fito-alexinas).

Os micronutrientes têm papel fundamental na resistência das plantas às doenças, através da atuação nas barreiras de defesa. O cobre, boro e manganês influenciam na síntese de lignina e fenóis simples; zinco, ferro e níquel têm efeitos possivelmente relacionados à síntese de fitoalexinas; silício e lítio com a barreira física à invasão de patógenos (GRAHAM, 1983).

Sintomas de deficiência de cobre em folhas do cafeeiro. (Créditos: Fundação PROCAFÉ).

MATIELLO et al. (2017) descreve que o cobre possui três funções importantes no cafeeiro, através do seu efeito:

  1. ) – Como micronutriente, exigido para os processos de crescimento e produção do cafeeiro;
  2. ) – Como fungicida e bactericida, protegendo as plantas contra as suas duas principais doenças, a Ferrugem e a Cercosporiose, além de sua atividade, também, contra eventuais ataques de Pseudomonas, Colletotrichum e outros fungos;
  3. ) – Como efeito tônico, atuando na supressão do efeito do etileno, produzido nos processos de necrose da folhagem ou pela morte de fungos epífitas que vivem sobre o cafeeiro. Com isso, o cobre evita queda das folhas, promovendo maior retenção foliar.

Com seu conjunto de efeitos, o uso do cobre, melhora o desenvolvimento e a produtividade nos cafezais e beneficia, ainda, a qualidade dos frutos do café. As fontes de cobre devem ser adequadas para atender a uma ou mais destas funções:

  • Sais de cobre, prontamente solúveis, principalmente o sulfato; outros como quelato, cloreto, etc;
  • Produtos de cobre onde o elemento é liberado lentamente, compreendendo, principalmente, o oxicloreto, o hidróxido, o óxido cuproso, a calda bordaleza (trioxisulfato de cobre).

Para a função nutricional, ambas as formas podem ser usadas. Para o efeito fungicida e bactericida é necessária a liberação lenta e constante de partículas (íons) de cobre e para efeito tônico parece ser preciso a combinação das funções nutricionais e protetora.

O suprimento de cobre nutricional deve ser feito, preferencialmente, via foliar, através de pulverizações. Pode-se usar no solo somente no sulco ou na cova de plantio, em mistura com a terra, pois, quando usado em cobertura, o cobre não se aprofunda no solo (semelhante ao zinco).

Segundo PATRÍCIO (2015) os fungicidas cúpricos são muito importantes para a cultura do café, pois atuam sobre várias doenças que incidem na cultura e também têm um efeito tônico muito interessante, que promove o vigor das plantas e a retenção foliar, mesmo depois da colheita.

Referências Bibliográficas

GRAHAM, R.D. Effects of nutrient stress on susceptibility of plants to disease with particular reference to the trace elements. Advances in Botanical Research, v. 10, p. 221-276, 1983.

MATIELLO J.B.;  ALMEIDA S.R.; GARCIA A. W. R.  O cobre na nutrição do cafeeiro. Publicação On Line. Disponível em: http://fundacaoprocafe.com.br/downloads/Folha015Cobre.pdf. Acesso em: 09 de junho de 2017.

PATRICIO F. R. A.; ALMEIDA I. M. G.; BERIAM L.O. S.; BECKER  C. A. V.  Cobre na cultura do cafeeiro. Publicação Comunicados técnicos do Instituto Biológico. Nº 208. 2015. Disponível em: http://www.biologico.agricultura.sp.gov.br/artigos_ok.php?id_artigo=208#. Acesso em: 09 de junho de 2017.

Related posts

[Marco Antônio Jacob] – Um Brasil sem políticas públicas cafeeiras

Revista Attalea Agronegócios

Agronegócio e Coronavírus: Economia em estado de alerta

[Dayana Almeida] – Panorama geral da Tributação do Agronegócio no Brasil (ITR, ICMS e FUNRURAL)

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário