fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
ARTIGOS Café

[Grupo Vittia – Biosoja] – Fertilizantes organominerais fosfatados na cultura do cafeeiro

CÁSSIO RICARDO RODRIGUES GOMES

RTV de Franca (SP) – E-mail: cassioagrogomes@hotmail.com

RENATO PASSOS BRANDÃO

 Gestor Agronômico – E-mail: renatobrandao@biosoja.com.br

EDER DE PAULA GUIRAU

Coordenador Agronômico – E-mail: ederguirau@biosoja.com.br

RODRIGO CHIARELI

 Coordenador Regional de Vendas – E-mail: rodrigochiareli@terra.com.br

 

GRUPO VITTIA = https://www.vittia.com.br

BIO SOJA = https://www.biosoja.com.br

 

Os solos cultivados com o cafeeiro, normalmente, possuem baixos teores de fósforo (P). Além disso, são solos com alta capacidade de retenção deste nutriente diminuindo a sua disponibilidade ao cafeeiro.

O P atua no armazenamento e transferência de energia no cafeeiro sendo crucial no desenvolvimento da cultura e no pegamento da florada e grãos no cafeeiro. Atua também no desenvolvimento das raízes do cafeeiro, aumentando a eficiência da absorção de água e nutrientes.

Neste artigo e no próximo serão abordadas práticas culturais que podem melhorar a eficiência da adubação fosfatada na cultura do cafeeiro.

  1. Funções do fósforo no cafeeiro

O fósforo é imprescindível ao crescimento e a reprodução do cafeeiro, as quais não alcançam o seu máximo potencial produtivo sem um adequado suprimento deste nutriente.

O principal papel do fósforo nas plantas é o armazenamento e a transferência de energia (MALAVOLTA, 2006). É componente dos nucleotídeos utilizados no metabolismo energético das plantas e está presente nas moléculas dos açúcares intermediários da respiração e fotossíntese (TAIZ; ZEIGER, 2004).

Atua diretamente na multiplicação e ativação das raízes do cafeeiro, refletindo diretamente na produtividade do cafeeiro (TIBAU, 1984).

Uma nutrição adequada de fósforo no cafeeiro minimiza a bienalidade da cultura, permitindo maior uniformidade na maturação dos frutos, colheita com baixa incidência de grãos defeituosos e chochos e plantas mais vigorosas mesmo após altas produtividades (GUERRA et al., 2007).

  1. Dinâmica e disponibilidade do fósforo ao cafeeiro

O fósforo é um dos nutrientes mais limitantes à cultura do cafeeiro. A maioria dos solos cultivados com o cafeeiro possuem baixos teores de fósforo e necessitam de altas doses do nutriente para um adequado desenvolvimento adequado do cafeeiro.

O fósforo no solo encontra-se na fase líquida ou na solução do solo e na fase sólida (RAIJ, 1991). O fósforo da solução do solo (P solução) está em equilíbrio com o fósforo da fase sólida (P lábil e o P não lábil), Figura 1.

Figura 1. Dinâmica do fósforo no sistema solo-planta. Fonte: Adaptado de Goedert & Sousa (1984).

O cafeeiro absorve o fósforo da solução do solo, cujo teor é muito baixo, com valores da ordem de 0,1 mg de P/kg de solo. A camada arável do solo com 25% de umidade possui apenas 50 g/ha de P2O5, quantidade insuficiente para atender as necessidades das culturas (RAIJ, 1991).

Portanto, a maior parte do P do solo encontra-se na fase sólida e é dividida em P-lábil e P-não lábil (Figura 1).

O P-lábil é aquele que está adsorvido nos coloides minerais e orgânicos do solo mas em equilíbrio com o P da solução do solo, podendo ser considerado como disponível às plantas. O P-não lábil é o fósforo precipitado em compostos insolúveis (comumente com Ca, Fe e Al) ou adsorvido por sítios de elevada energia e deste modo, o seu aproveitamento pelas plantas é incerto (GOEDERT; SOUSA, 1984).

A aplicação do P proveniente dos fertilizantes fosfatados solúveis aumenta momentaneamente o teor de P na solução do solo. Entretanto, mais de 90% do P aplicado ao solo é adsorvido na primeira hora de contato com o mesmo, formando, inicialmente, o P lábil e, posteriormente, com o passar do tempo, o P não lábil (NOVAIS et al., 2007), conforme equação abaixo.

P fertilizante → P solução do solo = P não lábil = P lábil

  1. Fixação do fósforo

A retenção do fósforo nos solos reduzindo a disponibilidade deste nutriente ao cafeeiro é conhecida como “fixação”. Nos solos ácidos, a reação do fósforo ocorre com os óxidos de ferro e alumínio formando fosfatos com baixa solubilidade em água. Em solos alcalinos, a reação do fosfato ocorre com o cálcio formando fosfato tricálcio de baixa solubilidade em água.

Várias propriedades do solo afetam a fixação do fósforo nos solos, sendo as mais importantes: textura, tipo e quantidade de coloides (minerais de argilas e húmus), pH do solo e quantidade de outros ânions que podem competir com o íon fosfato por sítios de adsorção, por exemplo, sulfato e silicato (GOEDERT; SOUSA, 1984).

3.1. Efeito do teor de argila

A fixação do fósforo é influenciada pelo teor de argila do solo.  Quanto maior o teor de argila do solo, maior é a fixação do fósforo (Tabela 1).

Tabela 1. Teores de argila e a capacidade máxima de fixação de fósforo em dois solos tropicais.

Características dos solos Latossolo
Monte Santo, MG Patrocínio, MG
Teor de argila (%) 14 59
Adsorção de fósforo (mg/cm3) 0,33 0,94
Retenção estimada de P2O5 (kg/ha) 1.518 4.324
 Fonte: Dias (1992) citado por Favarin et al., (2010).

3.2. Efeito do pH do solo

A fixação do fósforo também é afetada pelo pH do solo (Figura 2). A faixa de pH do solo mais adequada para a redução da fixação do P situa-se entre 6,0 e 6,5.

Figura 2. Efeito do pH na disponibilidade do fósforo. Fonte: Instituto de Potassa & Fosfato (1998).

 

3.3. Efeito da compactação do solo

A compactação do solo reduz a difusão do fósforo no solo e pode induzir a deficiência deste nutriente no cafeeiro mesmo em solos com teor adequado.

Quanto maior a compactação do solo, maior é a sua densidade do solo e menor a taxa de difusão do fósforo nos solos. O deslocamento do fósforo no solo é muito mais difícil e lento em solos com alta densidade.

Portanto, o cafeicultor deve adotar práticas culturais que reduzam a compactação do solo, tais como:

  • Aumentar o teor de matéria orgânica no solo;
  • Evitar o trânsito de máquinas agrícolas em solos úmidos;
  • Realizar a avaliação da presença de camadas compactadas e se houve necessidade, realizar a descompactação ou a escarificação dos solos.

Entretanto, a mecanização das práticas culturais, dentre as quais, a colheita do cafeeiro, tende a aumentar o tráfico de máquinas e aumentar a compactação dos solos.

3.4. Adubação no solo com magnésio

O magnésio é um carreador de fósforo às plantas melhorando a eficiência das adubações fosfatadas no cafeeiro (FAVARAIN et al., 2010). A saturação do magnésio na CTC dos solos cultivados com cafeeiro deve estar entre 13 e 18%. A relação Ca/Mg e Mg/K nos solos deve ser de 1,5 a 3,5 e 3 a 6, respectivamente.

Portanto, o cafeicultor tem que manter o teor de magnésio no solo na faixa adequada ao cafeeiro e em equilíbrio com o cálcio e potássio. Realizar a aplicação do Gran Boro Mag ou Gran Mix Visão na dose de 150 a 200 kg/ha no início do florescimento do cafeeiro.

  1. Manejo da adubação fosfatada no cafeeiro

O solo é um sistema heterogêneo e ocorrem reações complexas envolvendo os nutrientes adicionados pelos fertilizantes que, muitas vezes, embora em quantidades adequadas, não estão disponíveis às plantas (MARTINEZ et al., 1999).

A eficiência da adubação fosfatada em solos tropicais é muito baixa. De maneira geral, a eficiência dos fertilizantes fosfatados no primeiro ano após a sua aplicação situa-se entre 5 e 20% (FAVARIN et al., 2010).

O cafeicultor precisa conhecer e levar em consideração os fatores que afetam a eficiência agronômica dos fertilizantes fosfatados no solo.

Na prática, pouco se pode fazer para modificar a textura e o tipo dos coloides do solo. Entretanto, o cafeicultor pode alterar os demais fatores do solo, dentre os quais, o pH, a umidade do solo, teor de matéria orgânica e a densidade do solo.

As características do sistema radicular do cafeeiro também são importantes no manejo da adubação fosfatada. A eficiência da adubação fosfatada será tanto maior, quanto maior for o volume do solo explorado pelo sistema radicular do cafeeiro.

Portanto, a adubação com os fertilizantes organominerais é uma alternativa viável agronômica e economicamente para o aumento da produtividade e rentabilidade da cafeicultura.

  1. Fertilizantes organominerais

São produtos resultantes da mistura física ou combinações de fertilizantes minerais e orgânicos.

A fração orgânica é constituída pelas substâncias húmicas (ácidos fúlvicos, ácidos húmicos e huminas). As substâncias húmicas são o estágio final da humificação dos resíduos orgânicos e é a fração mais ativa da matéria orgânica responsável pelos inúmeros processos químicos, físicos e físico-químicos que ocorrem nos solos. Os fertilizantes minerais fornecem os nutrientes em quantidades suficientes para atender as necessidades do cafeeiro.

  1. O que é o Fertium® Phós?

É um fertilizante organomineral com altos teores de substâncias húmicas e enriquecido com nitrogênio e fósforo. Os nutrientes são provenientes de fertilizante solúvel em CNA+água (Tabela 1).

Tabela 1. Dados técnicos do Fertium® Phós.

Parâmetros Garantias
Nitrogênio (N total) 3%
Fósforo (P2O5 sol. CNA+água) 15%
Carbono orgânico total (COT) 11%
Capacidade de troca catiônica CTC 500 mmolc/dm3
Umidade máxima 20%
Odor Inodor
Cor Escura
Natureza física Farelado
  1. Benefícios do Fertium® Phós

O Fertium® Phós possui maior eficiência agronômica no fornecimento do P ao cafeeiro.

As substâncias húmicas do Fertium® Phós aumentam a eficiência das adubações fosfatadas através de três mecanismos:

  • Reduzem os locais de “fixação” do fósforo no solo recobrindo estes locais com radicais orgânicos, formação de complexos organofosforados e substituição de íons fosfatos por íons orgânicos nos sítios de adsorção;
  • Estimulam o maior desenvolvimento das raízes do cafeeiro aumentando o volume explorado do solo e a absorção do fósforo;
  • Liberação de parte do fósforo fixado (P lábil).

No plantio do cafeeiro, o cafeicultor deve realizar a aplicação do Fertium® Phós no sulco de plantio e em lavouras em formação e produção, aplicá-lo na projeção da copa.

Em lavouras com fertirrigação, realizar a aplicação de substâncias húmicas líquidas (Fertium® Humic) no bulbo de irrigação iniciando as aplicações com as primeiras fertirrigações. O Fertium® Humic também podem ser aplicados em lavouras sem irrigação na projeção da copa do cafeeiro.

  1. Ensaios com Fertium® Phós em café arábica
  1. Implantação de uma lavoura de café arábica

Foi instalado um ensaio de campo com o Fertium® Phós na cultura do café arábica sequeiro em Boa Esperança (MG), em lavoura da cultivar Mundo Novo IAC 379-19, plantada em janeiro de 2013, no espaçamento de 3,5 x 0,7 m, com 4.081 plantas/ha.

O solo da área experimental é um Latossolo Vermelho distrófico, classe textural argilosa com 45% de argila, 15% de silte e 40% de areia. O teor de P no solo era muito baixo (P Mehlich-1 = 1,5 mg/dm3).

Foram avaliadas duas fontes de fósforo (superfosfato simples e o Fertium® Phós) na dose de 60 g de P2O5 por metro linear de sulco e duas doses de composto orgânico (0 e 3 L por metro linear de sulco). O composto orgânico é uma mistura de esterco bovino e de aves na proporção de 1:1 (peso/peso), equivalente a aproximadamente 1,8 kg de composto por metro linear de sulco.

Antes do plantio do cafeeiro, foi realizada uma calagem com 2 t/ha de calcário dolomítico. Os demais tratos culturais foram definidos de acordo com o Manual de Recomendações da Fundação Procafé. A primeira safra comercial foi colhida em junho de 2015.

A produtividade do café foi influenciada pela fonte de fósforo e pelo composto orgânico (Figura 3). O Fertium® Phós proporcionou aumento na produtividade do café. A aplicação do composto orgânico no sulco de plantio aumentou ainda mais a produtividade do café.

Figura 3. Efeito de duas fontes de fósforo e do composto orgânico na produtividade do café. Fonte: Deptº Agronômico da Bio Soja, 2015.

 

  1. Lavoura do café arábica em produção

Foi instalado um ensaio de campo com o Fertium® Phós na cultura do café sequeiro em produção em Jeriquara (SP), em lavoura da cultivar Catuaí Vermelho IAC 144, plantada em 15 de dezembro de 2011, no espaçamento de 3,5 x 0,7 m com 4.081 plantas/ha.

O solo da área experimental é um Latossolo Vermelho Escuro distrófico, classe textural argilosa. O teor de P no solo era médio (P resina = 24 mg/dm3). Foram avaliadas duas fontes de fósforo (superfosfato simples e o Fertium® Phós) na dose de 400 kg/ha do produto comercial. Os fertilizantes fosfatados foram aplicados em 15 de outubro de 2014 na projeção da copa do cafeeiro. A colheita do café foi realizada em 19 de junho de 2015.

O Fertium® Phós proporcionou maior pegamento da florada e grãos do café (Figura 4). O aumento na produtividade do cafeeiro foi de 6 sacas/ha de café beneficiado (Figura 5). As substâncias húmicas do Fertium® Phós reduziram a fixação do P e aumentaram a disponibilidade do nutriente ao cafeeiro. Além disso, as substâncias húmicas promovem maior desenvolvimento das raízes do cafeeiro, aumentando a absorção de água e nutrientes, dentre os quais o fósforo.

Figura 4a. Efeito do Fertium® Phós no pegamento da florada e grãos do cafeeiro:- cafeeiro com Fertium® Phós
Figura 4b. Efeito do Fertium® Phós no pegamento da florada e grãos do cafeeiro:- cafeeiro com Superfosfato Simples.
Figura 5. Efeito do Fertium® Phós na produtividade do cafeeiro arábica

 

  1. Considerações finais

O fósforo, ao lado do nitrogênio, é um dos nutrientes mais limitantes à cultura do cafeeiro. A eficiência da adubação fosfatada no cafeeiro no primeiro ano após a aplicação no solo é muito baixa.

O cafeicultor tem que adotar práticas culturais que possam melhorar a eficiência agronômica das adubações fosfatadas otimizando os investimentos realizados com este insumo agrícola. Basicamente, são práticas que reduzem o contato do P com o solo e aumentam o volume do solo explorado pelas raízes do cafeeiro.

A utilização do Fertium® Phós, um fertilizante organomineral, reduz as perdas do nutriente por fixação, aumentando a eficiência da adubação fosfatada.

Entretanto, atualmente, a utilização dos fertilizantes organominerais na cultura do cafeeiro está relegada a um segundo plano. Um dos grandes obstáculos à utilização destes fertilizantes em escala comercial é a premissa que o custo dos fertilizantes organominerais é superior aos minerais.

Conforme observado em vários ensaios de campo com o Fertium® Phós, a lucratividade da cultura do cafeeiro com este tipo de fertilizante fosfatado é superior aos minerais, dentre os quais o superfosfato simples.

Não sabendo que não era impossível, foi lá e fez.

(provérbio chinês)

 

 

  1. Literatura consultada

FAVARIN, J.C.; TEZOTTO, T.; NETO, A.P. & PEDROSA, A.W. Cafeeiro. In: PROCHNOW. L. I.; CASARIN, V. & STIPP, S.R. (Eds.). Boas práticas para uso eficiente de fertilizantes: culturas. v.3. Piracicaba, IPNI. 2010. p.411-467.

GOEDERT, W.J. & SOUSA, D.M.G. Uso eficiente de fertilizantes fosfatados. In: ESPINOZA, W.; OLIVEIRA, A.J. de (Ed.). Anais do Simpósio sobre fertilizantes na agricultura brasileira. Brasília, DF, EMBRAPA. 1984. p.255-289.

GUERRA, A.F.; ROCHA, O.C.; RODRIGUES, G.C.; SANZONOWICZ, C.; RIBEIRO FILHO, G.C.; TOLEDO, P.M.R.; RIBEIRO, L.F. Sistema de produção de café irrigado: um novo enfoque. ITEM, Brasilia, n.73, p.52-61, 2007.

INSTITUTO DA POTASSA & FOSFATO. Manual internacional de fertilidade do solo. 2 ed. Piracicaba, Potafos 1998. 177p.

MALAVOLTA, E. Manual de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Agronômica Ceres, 2006. 631p.

MARSCHNER, H. Mineral nutrition of higher plants. New York: Academic, 1995. 887p.

MARTINEZ, H.E.P.; GUIMARAES, P.T.G.; GARCIA, A.W.R.; ALVAREZ, V., V.H.; PREZOTTI, L.C.; VIANA, A.S.; MIGUEL, A.E.; MALAVOLTA, E.; CORRÊA, J.B.; LOPES, A.S.; NOGUEIRA, F.D.; MONTEIRO, A.V.C.; OLIVEIRA, J.A. Cafeeiro. In: COMISSAO DE FERTILIDADE DO SOLO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: 5ª aproximação. Viçosa, MG, 1999. p.143-168.

NOVAIS, R.F.; SMYTH, T.J.; NUNES, F.N. Fósforo In: NOVAIS, R.F.; ALVAREZ V., V.H.; BARROS, N.F.; FONTES, R.L.F.; CANTARUTTI, R.B.; NEVES, J.C.L. (Ed.). Fertilidade do solo. Viçosa, MG; SBCS, 2007. p.471-550.

RAIJ, B. van. Fertilidade do solo e adubação. São Paulo: Ceres/Potafos, 1991. 343p.

SHARPLEY, A. manejo de fósforo en sistemas de producción agrícola ambientalmente sustentables: desafios y oportunidades. IPNI International Plant Nutrition Institute. Acassuso, Argentina, p.1- 9, 2010.

SOUSA, D.M.G. Manejo da adubação fosfatada. In: PROCHNOW. L. I.; CASARIN, V. & STIPP, S.R. (Eds.). Boas práticas para uso eficiente de fertilizantes. v.2. Piracicaba, IPNI. 2010. p.411-467.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 719p.

TIDAU, A.C. Matéria orgânica e fertilidade do solo. 3. ed., São Paulo. Ed. Nobel. 1984. 220 p.

Related posts

Convênio fortalece cadeia produtiva da Região Vulcânica de Poços de Caldas

Revista Attalea Agronegócios

Mudas de Café: Entidades e Cafeicultores pleiteiam ao secretário Itamar Borges alterações na Resolução SAA nº 49

Revista Attalea Agronegócios

O impacto da gestão profissional no sucesso do negócio será tema de painel no ENCOFEE 2019

Deixe um comentário