CaféEVENTOS - DESTAQUES

EXPOCAFÉ: Vice-governador apresenta desempenho de sustentabilidade da cafeicultura em Minas

Com 99% de propriedades sustentáveis, Minas Gerais, que é o maior exportador de café do país, atende às demandas de responsabilidade ambiental e rastreabilidade dos maiores compradores do mundo.

Mais de 99% das propriedades mineiras de café não apresentam evidências de desmatamento. Este é um dos destaques do desempenho de sustentabilidade da cafeicultura em Minas, apresentado pelo vice-governador, Professor Mateus, na solenidade de abertura da EXPOCAFÉ 2023, em Três Pontas (MG), no Sul de Minas.

Os números estão disponíveis na plataforma SeloVerde MG, desenvolvida pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), por meio de Acordo de Cooperação Técnica com o Instituto Estadual de Florestas (IEF).

A partir do cruzamento das informações inseridas no banco de dados da plataforma, foi possível analisar a situação das propriedades em relação à sustentabilidade da produção cafeeira no estado. O estudo envolveu 115.028 propriedades e evidenciou que nenhum tipo de desmatamento foi feito a partir de 22 de julho de 2008, data-limite estabelecida pelo Código Florestal para autuações de infrações ambientais.

Liderança verde

O vice-governador afirmou que a maior alegria é poder dizer que Minas não é só o principal produtor de café do mundo, responsável por 20% da produção mundial, mas também produtor de café sustentável, verde.

“Além de termos a certeza de que mais de 99% da cultura cafeeira não apresentam evidências de desmatamento, Minas Gerais tem mais de 300 mil hectares excedentes em área de preservação nas fazendas de café. Isso é motivo de muito orgulho”, comemorou.

De acordo com Professor Mateus, os resultados alcançados geram inúmeros benefícios para toda a cadeia. “O produtor rural será melhor remunerado, movimentando a economia de Minas Gerais. Hoje, o café não está presente apenas no Sul do estado, ele está em todas as regiões”, explicou.

A solenidade marca também a assinatura da Portaria Conjunta 1/2023, reconhecendo a ferramenta desenvolvida em parceria com a UFMG – plataforma SeloVerde MG – como instrumento para subsidiar políticas públicas de rastreabilidade e transparência das cadeias produtivas agropecuárias. O documento é assinado pelo secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Thales Fernandes, e da secretária executiva da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Valéria Cristina Rezende.

Repercussão

Os resultados demonstram que o café produzido em Minas Gerais não é oriundo de desmatamento, além de apresentar outros indicadores de sustentabilidade, como o excedente de mata nativa nas propriedades.

Toda a cadeia do café, do produtor ao consumidor final, deve se beneficiar dessa análise sobre a origem sustentável e livre de desmatamento do café produzido em Minas Gerais, em um contexto de novas exigências para a importação de commodities agrícolas aprovadas pelo Parlamento Europeu, mais restritivas em relação à compra de produtos oriundos de áreas desmatadas.

“Esse resultado, de 99% de propriedades legalizadas, é muito importante. A sustentabilidade da cafeicultura mineira tem que ser divulgada para o mundo, que precisa saber que nosso café é sustentável porque nós temos um café realmente verde.  Isso deve fortalecer ainda mais as exportações”, afirmou o secretário Thales Fernandes, lembrando que os embarques internacionais de café bateram novo recorde em 2022.

As análises podem ser acessadas na plataforma SeloVerde MG, de forma individualizada, a partir do número do Cadastro Ambiental Rural (CAR) da propriedade.

Certifica Minas Café

Outro destaque da abertura da Expocafé é a entrega de selo de certificação a sete cafeicultores e uma cooperativa, por meio do programa estadual Certifica Minas Café. A política pública do Governo de Minas estimula a adoção de boas práticas na produção de café, seguindo critérios de sustentabilidade socioeconômica e ambiental, além de trabalhar melhorias na produtividade e na qualidade do grão.

Coordenado pela Secretaria de Agricultura e executado pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) e pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), o programa é o primeiro selo de certificação de propriedades cafeeiras no Brasil emitido por uma instituição governamental.

Expocafé

Em sua 26ª edição, a Expocafé é promovida pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), sendo considerada a maior feira de cafeicultura do país. A expectativa é de R$ 300 milhões de negócios gerados e prospectados. Neste ano, participam 139 expositores em 200 estandes dos ramos de insumos, maquinários e tecnologias para a cafeicultura.

Com entrada gratuita, a Expocafé segue com programação diversificada de 17 a 19/5, com feira aberta ao público, incluindo exposição e dinâmicas de máquinas, palestras e plantões técnicos, Expocafé Mulheres, Espaço de Inovação e Espaço Aromas e Sabores.

Também estão presentes as instituições do sistema da Agricultura (Emater-MG e IMA) e o IEF com estandes próprios, divulgando seus respectivos trabalhos e oferecendo atendimento ao cafeicultor. A programação completa pode ser conferida no site oficial do evento (expocafeoficial.com.br). 

Hub Conecta Day

Os cafés especiais são o destaque do Hub Conecta Day, evento realizado neste primeiro dia da Expocafé, pela Secretaria de Agricultura, em parceria com a Epamig, a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA, na sigla em inglês) e o Novo Agro Ventures, da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg).

A iniciativa integra as ações do Hub MG Agro, programa do Governo de Minas que auxilia médias e grandes empresas mineiras na busca por soluções tecnológicas para desafios coletivos. 

O Hub Conecta Day Cafés Especiais conta com ciclo de palestras com representantes da BSCA e especialistas do setor, além de debate e rodada de negócios entre os empreendedores e as startups.

De acordo com o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), os cafés que possuem qualidade superior ou certificados de práticas sustentáveis responderam por quase 20% do total exportado pelo Brasil entre janeiro e março deste ano, com o envio de 1,6 milhão de sacas ao exterior. O preço médio alcançou US$ 248,70 por saca, proporcionando uma receita de US$ 414 milhões nos três meses, o que corresponde a 23% do obtido com os embarques totais.

O café em Minas

O café é cultivado em 451 municípios mineiros, ocupando área de 1,3 milhão de hectares. Em 2022, a produção do estado foi de 22 milhões de sacas, representando 43% da safra nacional. Para 2023, a estimativa é de 27,5 milhões de sacas, totalizando 50% da safra nacional. 

Principal produto da pauta de exportação do agronegócio de Minas, no ano passado, o café apresentou recorde histórico tanto em relação ao volume quanto receita. O segmento alcançou US$ 6,9 bilhões (45% do valor exportado pelo agro mineiro), com o embarque de 28,5 milhões de sacas. Neste ano, no período de janeiro a abril, a receita com as exportações alcançou US$ 1,7 bilhão, com o envio de 7,7 milhões de sacas.

Related posts

AGRISHOW 2023: Tarcísio de Freitas realiza entrega de tratores e títulos de regularização fundiária

Mario

INTERCORTE SÃO PAULO: Seguro Pecuário será novidade durante o evento.

Mario

INPI acata depósito de marca para o Café do Caparaó

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais