Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Café Irrigação

Especialista dá dicas para o manejo de irrigação pré-florada

A primavera é um dos períodos mais cruciais para os cafeicultores, pois é nela que ocorre a florada que vai definir o potencial produtivo do cafezal. O volume de flores produzidas é decisivo, uma vez que são elas que dão origem ao fruto do cafeeiro e consequentemente ao grão.

Superar esses desafios, no entanto, exige cuidados se iniciam antes mesmo da floração: na pré-florada. Neste período, o produtor rural precisa estar atento a todas as necessidades que vão garantir o maior o nível de pegamento das flores possível. No caso da irrigação, é preciso considerar alguns pontos fundamentais, como por exemplo, a técnica de irrigação deficitária na pré-florada.

O engenheiro agrônomo da Netafim/Amanco e especialista em café, Iuri Santos, dá algumas dicas para realizar o correto manejo de irrigação pré-florada:

  1. Irrigação deficitária: a técnica consiste em oferecer um volume limitado de água às plantas, que garantirá a uniformização da florada e da produção dos frutos, facilitando a colheita e aumentando a qualidade da bebida.
  1. A planta necessita estar sob déficit hídrico, não estressada: no processo de irrigação deficitária, é fundamental manter o equilíbrio da umidade do solo na camada superficial, entre capacidade de campo (água facilmente disponível) e o ponto de murcha permanente (PMP), que é o teor de umidade no qual a planta não consegue mais retirar água do solo.
  1. Sintomas de mucha: embora o que queiramos seja deixar as plantas em condição de déficit, o produtor precisa estar atendo para não permitir sintomas de murcha, amarelecimento e quedas de folhas.
  1. Também é fundamental monitorar a tensão de água no solo (Tensiometria), para garantir o nível ideal da umidade do solo.
  1. Manter a planta sem estímulos vegetativos, em dormência, para sincronização floral e uniformidade da produção dos grãos.
  1. Não induz floração (antese), pois são necessárias mudanças significativas no clima.
  1. Monitorar a temperatura, umidade relativa do ar, radiação e umidade do solo.

E para ajudar em safras mais produtivas, a Netafim/Amanco, desenvolve os mais modernos e eficientes sistemas de irrigação por gotejamento para o café. A solução atende produtores de todos os portes, e o retorno do capital investido pode ocorrer em até dois anos após a implantação.

Em Ibiraci (MG), interior de Minas Gerais, o cafeicultor Fernando Ribeiro, proprietário do Sítio Santo Antônio, adotou o sistema de irrigação inteligente em 2011. Ele conta que os 22 hectares da fazenda eram praticamente improdutivos, devido ao solo extremamente arenoso.

“Durante três anos tentei levar a produção de café arábica no sequeiro, mas a produtividade era muito baixa, por contato do solo extremamente arenoso. Depois que adotei a irrigação por gotejamento passei a produzir uma média de 50 sacas por hectare. Consegui sair de uma condição lavoura ineficaz, para uma realidade de produção economicamente viável e em menos de dois anos paguei o investimento que fiz”, ressalta Ribeiro.

A irrigação inteligente também foi a tecnologia escolhida pelo cafeicultor Ricardo Santos, da Fazenda Bela Vista. Na propriedade a proposta era implantar um cafezal com as melhores soluções disponíveis e garantir uma produção precoce.

“A instalação da lavoura de arábica já com o sistema de gotejamento possibilitou antecipar em um ano a colheita da primeira safra”, conta. Além disso, a produtividade de 56 sacas por hectare, já nos primeiros anos, permitiu o pagamento rápido do investimento na irrigação. “Estou a cinco anos produzindo na área e já obtive o retorno total dos investimentos tanto de infraestrutura da fazenda, quanto de implantação do cafezal”, destaca Santos.  

Também em Minas Gerais, a Fazenda São Manoel, no município de Serra do Salitre (MG), adotou a irrigação por gotejamento subterrâneo e nutrirrigação em 2013, conseguindo aumentar em 30% a produtividade, com uma média atual de 55 scs/ha. Mesmo nos períodos de menor preço do grão, os ganhos na produção refletiram em maior rendimento na atividade, como conta o cafeicultor José Antônio Vitral.

“Quando o café está em baixa, pensar na produtividade torna-se ainda mais essencial para rentabilidade da atividade. Investir na irrigação inteligente é um passo importante nessa direção. Os ganhos de produtividade e as economias que tive me permitiram pagar o investimento em apenas quatro safras, sendo que terei mais de 15 anos para usufruir da tecnologia”, diz.

Sobre a Netafim/Amanco

As duas marcas líderes em irrigação no mercado se uniram e formam a maior e mais completa marca comercial de irrigação no mundo: Netafim/Amanco. Pertencentes a Orbia, uma das maiores empresas do mundo nos setores químico e petroquímico.

A união das duas marcas no setor de irrigação garante um portfólio completo de produtos e soluções inovadoras de irrigação inteligente e digital farming, que visa contribuir com a produtividade da água na agricultura, oferecer a melhor experiência ao produtor e alavancar o mercado de irrigação no país.

FONTE: Larissa Albuquerquer – Alfapress Comunicações
larissa.albuquerque@alfapress.com.br

Powered by Rock Convert

Related posts

23º Simpósio de Cafeicultura de Manhuaçu (MG) será em Outubro

[Celso Vegro] – Um Governo Desindustrializante

Revista Attalea Agronegócios

[Marco Antônio Jacob] – O momento de discutir uma verdadeira politica cafeeira

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário