Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Café

[Escritório Carvalhaes] – Boletim semanal – ano 85 – n° 44

ESCRITÓRIO CARVALHAES
A mais antiga publicação periódica do café brasileiro –
desde 1933, a melhor fonte de pesquisa sobre o mercado mundial de café.
www.carvalhaes.com.br

 

Santos, quinta-feira, 1 de novembro de 2018

A eleição de Jair Bolsonaro como presidente do Brasil trouxe otimismo aos produtores rurais brasileiros, que em São Paulo também comemoraram a eleição de João Dória para governador do Estado.

A melhora na percepção do risco Brasil no mercado financeiro ao longo de outubro, com o bom desempenho de Jair Bolsonaro nas pesquisas de opinião, levou o dólar a acumular queda frente ao real de 7,80% no mês, resultando também em uma baixa nos juros de longo prazo.

Para o café, a forte valorização do real em relação ao dólar em outubro, a maior em um mês desde junho de 2016, resultou em alta, no mês, de 1025 pontos para os contratos com vencimento em dezembro próximo na ICE Futures US em Nova Iorque. Esses contratos começaram o mês valendo US$ 1,0245 por libra peso e encerraram o período a US$ 1,1270 por libra peso. Mesmo assim, perdem longe do valor em que eram cotados no mesmo dia de 2017: US$ 1, 2510 por libra peso (o dólar era então cotado a R$ 3,2790).

Nesta primeira semana pós-eleições, que no Brasil se encerra hoje devido ao feriado nacional de Finados amanhã, as cotações dos contratos de café na ICE oscilaram forte. Os com vencimento em dezembro próximo caíram 540 pontos na segunda-feira e 185 pontos na terça. Subiram ontem 30 pontos, e hoje, quinta-feira, subiram mais 510 pontos. No balanço da semana a queda é de 185 pontos. Resta saber como se comportarão essas cotações amanhã, dia útil nos EUA.

O mercado físico brasileiro permaneceu calmo. Até ontem, praticamente paralisado. Os cafeicultores recusaram o valor das ofertas dos compradores. Hoje, com o a ICE trabalhando em forte alta, os compradores melhoraram suas ofertas e alguns negócios foram fechados, mesmo assim o volume foi pequeno para esta época do ano, de fortes embarques para nossos compradores em todo o mundo.

De janeiro a setembro de 2018, o Brasil exportou 811,5 mil sacas de café verde e industrializado para outros países produtores de café. Esse volume representa 3,4% do total exportado pelo Brasil. Apesar de pouco expressivo em relação ao total, o volume de exportação para países produtores teve aumento de 57% quando comparado ao mesmo período de 2017, que foi de 517,3 mil sacas. Perto de metade, 47,7%, foi de café verde.

Até dia 31, os embarques de outubro estavam em 2.459.169 sacas de café arábica, 261.630 sacas de café conillon, mais 216.658 sacas de café solúvel, totalizando 2.937.457 sacas embarcadas, contra 2.868.032 sacas no mesmo dia de setembro. Até o mesmo dia 31, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em outubro totalizavam 3.947.081 sacas, contra 3.198.732 sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 26, sexta-feira, até o fechamento de hoje, dia 1, caiu nos contratos para entrega em dezembro próximo 185 pontos ou US$ 2,45 (R$ 9,06) por saca. Em reais, as cotações para entrega em dezembro próximo na ICE fecharam no dia 26 a R$ 578,01 por saca, e hoje dia 1 a R$ 576,09. Hoje, quinta-feira, nos contratos para entrega em dezembro a bolsa de Nova Iorque fechou com alta de 510 pontos.

Escritório Carvalhaes

Powered by Rock Convert

Related posts

Exportação de café do Brasil aos árabes acelera

[Eder Sandy] – Resultados Técnico-Econômico do Manejo de Irrigação em Café (Coffea arabica L.), com lâmina de reposição de água abaixo da ETP, na Região da Alta Mogiana Paulista. (Dados de primeira safra)

Revista Attalea Agronegócios

FEMAGRI 2019: STIHL destaca o derriçador SP-20

Deixe um comentário