Direito no Agronegócio

Entenda por que a MP que reonera a folha e limita compensações afeta a segurança jurídica e a legalidade

“Alterar o regime da desoneração da folha nesse momento é uma virada de mesa inoportuna, gerando caos nos orçamentos das empresas”, diz especialista

O autor da proposta de desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia, que teve o veto do presidente Lula derrubado pela maioria na Câmara e no Senado, senador Efraim Filho (União Brasil-PB), classificou a MP 1.202/23 como uma tentativa do Governo de fazer a derrubada da derrubada de veto.

A MP editada dia 29/12, último dia útil de 2023, traz a reoneração gradual da folha de pagamento, a revisão do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse) e a limitação das compensações de créditos tributários.

Para Eduardo Natal, sócio do escritório Natal & Manssur, mestre em Direito Tributário pela PUC/SP, a MP contém ilegalidades e inconstitucionalidades.

“Mudanças nas compensações de créditos que superem R$ 10 milhões são ilegais, pois se trata de locupletamento ilícito da União, tendo em vista que os valores a serem compensados já foram pagos indevidamente pelos contribuintes. E é inconstitucional, pois fere o princípio da igualdade na medida em que trata desigualmente quem mais sofreu com o pagamento indevido”, entende o tributarista.

No lugar da desoneração da folha, a MP editada pelo governo propõe que as empresas paguem uma alíquota de 10% ou 15% até o valor de um salário mínimo. O que passar, vai pagar uma alíquota normal, de 20%. Além disso, a desoneração passa a ser concedida de acordo com a principal atividade econômica, divididas em dois grupos: 10% para as atuais 17 categorias e 15% para as novas 25.

Eduardo Natal, sócio do escritório Natal & Manssur.

Para Eduardo Natal, “é o ‘bode na sala’ do Governo Federal para negociar mais aumento de carga tributária em outros tributos, inclusive o Imposto de Renda. Mas, por se tratar de medida provisória, poderá ser questionada a falta de relevância e urgência”.

De acordo com a medida editada, fica reestabelecida, já a partir de janeiro de 2024, a cobrança do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) sobre as receitas das atividades de produção de eventos. Já a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e as contribuições ao PIS e à Cofins, de acordo com princípio da anterioridade nonagesimal, serão cobradas a partir de 1° de abril.

“Tal revogação fere o artigo 178 do Código Tributário Nacional que determina expressamente que as isenções concedidas por prazo certo – como no caso do Perse, concedida por sessenta meses – não podem ser revogadas por lei”, diz Natal.

O tributarista lembra ainda a conversão da MP 1185/23 na Lei n° 14.789/23, que altera sensivelmente o regime de subvenção para implantação ou expansão de empreendimento econômico, que passa a ser calculado à alíquota de 25% relativa ao IRPJ tributadas pelo lucro real.

“Cabe ressaltar a redução do benefício, que antes também abarcava a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), a 9%, bem como as contribuições ao PIS e à Cofins, à alíquota conjunta de 9,25%”, diz ele.

Natal destaca que além de reduzir o benefício aos contribuintes, a lei definiu os critérios de implantar e expandir empreendimento econômico, as condições para as empresas receberem o benefício e as formas de apuração e de compensação.

“Todas essas medidas tomadas pelo Governo, durante o recesso parlamentar e do judiciário, no apagar das luzes de 2023, contribuem para a insegurança jurídica e certamente serão judicializadas”, conclui Natal.

Related posts

[Bruna Gonçalves] – Como evitar um crime ambiental em confinamento e semiconfinamento bovino?

Mario

[Djonatha de Souza e Vitória Cerron] – Dívidas do produtor rural e a impenhorabilidade da pequena propriedade rural

Mario

[Gabriel Faraco] – As inovações trazidas pela Nova Lei do Agro em relação à Cédula de Produto Rural (CPR)

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais