Image default
ARTIGOSPolítica Agrícola

[Dilceu Sperafico] – O agronegócio brasileiro e os efeitos das estimativas de safras

DILCEU SPERAFICO

Deputado Federal pelo Paraná licenciado e chefe da Casa Civil do Governo do Estado

 

Como o desempenho do mercado globalizado depende da oferta e demanda de bens de consumo em todo o mundo, é muito importante para o agronegócio brasileiro acompanhar de perto estimativas de cultivo e colheita de grãos nos principais países produtores e exportadores de alimentos, como são os casos da China, Estados Unidos, Índia e Rússia, além do próprio Brasil.

Afinal, após o seu anúncio, tais previsões se refletem imediatamente nas oscilações do mercado, elevando ou reduzindo os preços dos produtos citados, o que se repete na viabilidade e lucratividade da atividade produtiva.

As estimativas de plantio do agronegócio norte-americano para a safra 2018/2019, por exemplo, surpreenderam o mercado internacional e os especialistas do setor, pois incluem decisões que certamente se refletirão no comércio globalizado de alimentos e matérias-primas.

Conforme o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda), as avaliações indicam a intenção de reduzir as áreas de cultivo de soja e milho e ampliar as lavouras de trigo e algodão.

Conforme levantamento do órgão, os produtores norte-americanos deverão plantar 36 milhões de hectares com soja na próxima safra, o que se confirmado, significará a redução de 500 mil hectares em relação à safra anterior.

A decisão surpreendeu o mercado, porque se esperava aumento de 300 mil hectares em relação à área cultiva em 2017. O mesmo ocorreu com relação ao plantio de milho, pois igualmente deverá ocupar espaço menor, de 35,6 milhões de hectares ou 900 mil hectares a menos do que no período anterior. O mercado até esperava redução na área do cereal, mas de apenas 300 mil hectares.

O anúncio da redução de área plantada com soja e milho influiu imediatamente no comportamento do mercado. O valor da oleaginosa,por exemplo, subiu 2,6% na Bolsa de Chicago, na mesma data da informação,  nos contratos de maio. O milho subiu 3,8%.

Como já se esperava, a elevação dos preços da soja e do milho no exterior não demorou a influenciar as cotações dos mesmos produtos no mercado interno. A saca de soja, por exemplo, atingiu valores inesperados no Paraná e no Mato Grosso, alcançando cotações mais altas desde dezembro de 2016.

Efeito semelhante pode acontecer também com a informação sobre o  aumento de 10 milhões de toneladas nos estoques norte-americanos de soja deste ano, em relação ao patamar do início de março de 2017. O país possui 57,3 milhões de toneladas da oleaginosa acumuladas nas grandes safras de 2016/17 e de 2017/18. O Brasil também pode ter outra grande colheita de soja neste ano, compensando a quebra da produção na Argentina.

Já com o trigo e o algodão, deverá acontecer o contrário, pois são previstas ampliações na área de cultivo e na produção. A área cultivada com algodão nos Estados Unidos deverá apresentar elevação de 7%, e a do trigo, de 3%, na nova safra.

Conforme especialistas, o plantio de algodão vai ganhar espaço nos Estados Unidos porque os seus preços estão melhores para os produtores daquele país, enquanto o aumento no cultivo do trigo representa apenas a reposição de área, que havia sido bastante reduzida na safra anterior.

Menos mal é que o acesso à essas previsões está facilitado pelos avanços dos meios de informações, especialmente da internet, hoje presente no campo e nas cidades, com qualquer tempo, 24 horas por dia.

Related posts

[Drº Caius Godoy] – Os produtores rurais podem buscar a Recuperação do ICMS

Mario

Agronegócio e Coronavírus: Economia em estado de alerta

Mario

Ministra visita produção de acerola orgânica do projeto Tabuleiros Litorâneos, no Piauí

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais