Image default
Bovinos de Corte

Descobertos os genes que tornam a carne do boi mais gostosa e saudável

O Brasil é o maior exportador mundial de carne bovina (em volume). Sua vantagem competitiva deve-se, principalmente, ao custo de produção do bovino brasileiro, que é um dos mais baixos do mundo. Para ampliar ainda mais a sua participação no mercado internacional, os pecuaristas brasileiros precisam adequar sua produção de carne aos padrões estabelecidos pelos importadores.

Entre os quesitos de qualidade, a maciez, a quantidade e o tipo de gordura intramuscular influenciam o sabor e a suculência da carne, bem como seu valor nutricional.

Pesquisa iniciada há cerca de 8 anos na ESALQ e na Embrapa Pecuária Sudeste visa identificar justamente quais são os genes que regulam todas aquelas características na carne do gado Nelore, que compõe a maior parte do rebanho de corte nacional.

Após anos de investigação, tal objetivo foi finalmente alcançado. Num trabalho que acaba de ser publicado no periódico científico BMC Genomics (https://doi.org/10.1186/s12864-018-4871-y), os pesquisadores identificaram centenas de genes responsáveis pelo sabor, maciez e qualidade da carne de bovino.

“Em termos mundiais, nossa pesquisa é a primeira se consegue identificar os genes que regulam a qualidade, o sabor, a quantidade e o tipo de gordura na carne em bovinos. Não há outros grupos – no Brasil ou no exterior – com resultados similares. A pesquisa foi feita com gado Nelore. Até o momento não existe nenhum estudo semelhante para quaisquer outras raças bovinas,” afirma o geneticista Luiz Lehmann Coutinho, coordenador do Centro de Genômica da ESALQ.

A pesquisa busca acelerar o melhoramento genético do gado Nelore, para a produção de carne de melhor qualidade. Como consequência, espera-se que os resultados deste trabalho possam, no médio prazo, resultar na elevação dos lucros dos pecuaristas brasileiros.

“Nosso objetivo final é, daqui cerca de três anos, oferecer aos pecuaristas brasileiros a oportunidade de melhorar seus rebanhos e lucros, com vistas à produção de carne que seja ao mais macia e gostosa ao paladar do consumidor, e também muito mais saudável,” afirma Coutinho.

“No que diz respeito ao consumidor final, que aprecia carne, o objetivo da pesquisa é tornar um corte nobre como por exemplo o contra-filé, mais gostoso, suculento e saudável,” diz Coutinho.

O trabalho de seleção de 30 de touros e 2 mil vacas da raça Nelore com as características desejadas para a pesquisa, e que geraram os 800 novilhos dos quais se coletou amostras de carne e sangue para a investigação genética, ficou sob a responsabilidade da pesquisadora Luciana Correia de Almeida Regitano, da Embrapa Pecuária Sudeste, em São Carlos (SP). Regitano também atua como docente do programa de Pós-graduação em Genética Evolutiva e Biologia Molecular da Universidade Federal de São Carlos (UFScar)

Toda pesquisa genômica do projeto ficou sob a responsabilidade de Luiz Lehmann Coutinho, do Centro de Genômica da ESALQ.

CONTATO

Luiz Lehmann Coutinho
Centro de Genômica – Departamento de Zootecnia
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ) – USP
Avenida Pádua Dias, 11 – Piracicaba/SP
tel: 19-34294434
cel: 11-998193-3790
email: llcoutinho@usp.br

Luciana Correia de Almeida Regitano (EMBRAPA)
Embrapa Pecuária Sudeste
Rodovia Washington Luiz, Km 234 s/nº, Fazenda Canchim, 70 – São Carlos – SP
cel: 16-99713-4476
email: luciana.regitano@embrapa.br

 

Related posts

Matsuda apresenta linha de produtos na Expozebu 2019

Mario

Você sabe como ter maior produção de massa seca por hectare e aumentar a sua produtividade animal?

Mario

41ª EXPOINTER: Extensor de injeção intramuscular otimiza o tempo das aplicações no rebanho

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais